Tribuna Expresso

Perfil

  • O recordista dos 100 metros e, há muito, conhecido e publicitado como o homem mais rápido de sempre, retirou-se do atletismo em 2017 e anda, desde então, a tentar ser futebolista. O facto de ser quem é e de ter o patrocínio da Puma já o deixou treinar em três equipas profissionais, mas, agora, um clube da Austrália (não vestido por essa marca desportiva) estará supostamente interessado em ter Usain Bolt durante seis semanas, à experiência

  • Gostamos de desdenhar o jogo de atribuição do 3.º lugar do Mundial (e, aqui para nós, continua a ser meio dispensável), mas tal como em edições anteriores, Bélgica e Inglaterra deram um bom espectáculo, mostrando que por muito que a desilusão seja grande, a vontade de vencer continua a ser maior. Venceram os belgas, por 2-0, por serem uma equipa mais experiente e com mais talento. Os ingleses lá chegarão, têm tempo

  • A Inglaterra pôs-se a ganhar logo no início da segunda meia-final do Mundial 2018, mas isso foi o pior que lhe aconteceu: começou a jogar cada vez menos e a Croácia conseguiu chegar ao empate. E depois, no prolongamento, Mandzukic marcou (2-1) e mandou os ingleses para aquele sítio da música que tanto gostam de cantar: home

  • Ao fim de quatro horas e treze minutos de ténis e de um quinto set que foi até ao 13º jogo, o serviço e as direitas estrondosas de Kevin Anderson eliminaram Roger Federer (2-6 6-7 (5-7) 7-5 6-4 13-11) nos quartos-de-final de Wimbledon, o torneio que já era vulgar esperar que vença, ou chegue sempre à final. Quando e se lá regressar, o suíço que tem oito títulos na relva inglesa já terá 37 anos