Tribuna Expresso

Perfil

  • O pontapé canhão, pois claro. Roberto Carlos tem noção que as pessoas o recordam mais pela força que tinha no pé esquerdo - “A beleza é que não é”. A Tribuna Expresso falou com antigo lateral do Real Madrid, num dos intervalos da chuva do Football Talks, e ele diz que ajudou a mudar a imagem do jogador brasileiro na Europa e que, por isso, acha que sempre foi melhor fora do campo. E sim, também teria medo de ficar na barreira contra um livre marcado por ele próprio

  • Trabalhou para a NBA e na área do golfe, mas desde 2013 é por causa do soccer que Gary Stevenson dorme todos os dias com um olho aberto. Presidente e diretor-executivo da Major League Soccer, o norte-americano sabe que ter os melhores jogadores do mundo ajuda o negócio, mas avisa que MLS é (ou vai ser) muito mais que uma glamorosa casa de repouso para estrelas em final de carreira: as audiências crescem como em nenhuma outra modalidade nos EUA, há milhões de dólares a serem investidos em academias e o objetivo é formar os futuros melhores futebolistas do planeta

  • O vice-presidente do Conselho de Arbitragem garante que o órgão da Federação Portuguesa de Futebol está disponível para receber todos os clubes que assim o requerem. João Ferreira revelou que a reunião com o Benfica há um mês serviu para o clube demonstrar as preocupações que sente

  • Há muitos jogadores para quem a camisola da seleção nacional parece pesar mais sobre o corpo. Não é o caso de Lukas Podolski, o homem cujo melhor registo de golos é na seleção e que marcou em cinco de oito fases finais em que participou com a Alemanha. Esta quarta-feira despede-se da seleção frente à Inglaterra (19h45, Sport TV1) com 31 anos, 130 jogos e 48 golos (se não marcar mais um ou outro)

  • Separados por apenas um ponto, Benfica e FC Porto têm pela frente um calendário com várias paragens críticas. E se o Clássico da próxima jornada pode ajudar a definir muitas das contas do título, a receção do Sporting às águias, na 30.ª jornada, tem muito para ser decisiva

  • José Couceiro bem se queixou do mal que é a falta de paciência, e de tempo, para com os treinadores. Em Portugal, esta época, já vimos 13 clubes a trocarem de técnicos. O que é muito, sobretudo se compararmos com as vezes em que a tampa da paciência já saltou aos clubes das principais ligas europeias. Nota: este artigo foi publicado antes dos dois despedimentos de hoje, o de Manuel Machado (Arouca) e o de Jokanovic (Nacional). Portanto, já são 15 trocas

  • Aos 45 anos Miguel Maia não só continua a jogar voleibol como ganha títulos e ainda tem tempo para levar os filhos à escola e estudar. No 2º ano do curso superior de Gestão Desportiva, diz-se com capacidades tanto para ser treinador como dirigente. Já foi sondado para ser candidato à liderança da federação e já falou com a direção do Sporting sobre o futuro do voleibol em Alvalade, mas não desvenda mais nada. Confirma que João Brenha é o seu maior amigo e que chorou na segunda vez em que ficou em 4º lugar nos Jogos Olímpicos

  • Suspensão de 15 meses por doping acaba em abril e já chovem convites de torneios. Há quem defenda que a russa já pagou pelo seu erro, mas outros tenistas sublinham que Sharapova deve trabalhar e lutar desde o zero para voltar ao topo e que esse caminho não deve ser feito à base de wildcards. "É como dar um doce a uma criança que se portou mal", diz Jo-Wilfried Tsonga, n.º 1 francês