Tribuna Expresso

Perfil

Arquivos Expresso

“Fui ter com o Salazar oito vezes. O Coluna só me dizia para estar caladinho; eu só queria perguntar ao homem porque não me deixava sair”

Porque ele faria hoje 75 anos, o Expresso republica uma grande entrevista ao grande Eusébio feita em novembro de 2011. Nesta longa conversa, o King recordou como chegou à Luz “Disse logo ao Torres que seria titular e fui”

ENTREVISTA DE PEDRO CANDEIAS E BRUNO ROSEIRO

Partilhar

LENDA. Eusébio ao vivo a preto e branco. Há poucasáreas cinzentas na carreira do ‘Pantera Negra’: é o melhor jogador português de sempre, por Portugal e pelo Benfica, clube que diz amar até à morte

LENDA. Eusébio ao vivo a preto e branco. Há poucasáreas cinzentas na carreira do ‘Pantera Negra’: é o melhor jogador português de sempre, por Portugal e pelo Benfica, clube que diz amar até à morte

rui ochôa

Eusébio da Silva Ferreira salpica simplicidade e humildade com pingos de orgulho e vaidade. E fá-lo com mestria, na quantidade certa, como se calculasse a dose apenas para nos mostrar aquilo que lhe convém mostrar. Ou assim pensamos nós. Mal. Nele, nada é artificial. Percebemos isso - e percebemo-lo a ele - quando a conversa começa a discorrer numa mesa a um canto no seu pousio favorito, o restaurante Tia Matilde. "Uma pessoa tem de saber estar, sempre", repete. Com Eusébio, está-se bem.

O que é feito do Eusébio?
Onde é que eu trabalho? No Benfica, claro! Desde que deixei de jogar à bola que estou ligado ao Benfica e espero ficar assim até morrer, porque espero viver mais anos... Quero estar sempre ligado ao meu clube! Como embaixador, como sempre tenho feito. É o trabalho que tenho também na seleção, mas o Benfica é o patrão.

E da Federação, não recebe?
Recebo uma percentagem dos prémios das fases finais, quando nos deslocamos para o Mundial ou para o Europeu. Aí tenho sempre um prémio, mediante o resultado alcançado. Há um prémio para jogadores e para outras pessoas - como embaixador, sou uma delas. Mas não recebo qualquer ordenado.

Já pensa no Europeu da Polónia e Ucrânia?
Pensar nisso ainda não penso, mas acredito que a seleção portuguesa se vai qualificar para a fase final.

Também sente este descontentamento generalizado dos portugueses por causa da recessão, da crise e dos cortes?
Toda a gente sofre. Nesta vida, é difícil... Basta ver televisão. E agora está tudo a bater à nossa porta. Quando vemos a Grécia e todas essas coisas, temos de começar a pensar como será cá. Sabemos que as pessoas pobres vão sofrer cada vez mais, essa é que é a minha tristeza - os pobres estão mais pobres, os ricos continuam sempre ricos.

É rico?
Olhe, sou rico é de saúde, porque de resto não sou rico, como muita gente pensa. Sofro como esta gente toda, com os aumentos dos impostos. Por exemplo, hoje uma pessoa entra na farmácia e tem de ter muito dinheiro na carteira para comprar medicamentos. Vê-se os preços, e o que custava x já aumentou para y. E precisamos todos de medicamentos lá em casa, até porque tenho família. Antigamente, uma pessoa podia comprar isto ou aquilo, agora já não.

E de quem é a culpa desta crise?
Não sou político. A minha política é uma bola!

Alguma vez foi tentado pelo mundo da política?
Não aceito, porque não entendo nem quero entender. A minha política sempre foi e será a bola. Aí é que eu posso discutir e falar com qualquer político do mundo - com a bola, estou à vontade.

Os treinos depois do treino. Como Rocky Balboa: o gorro enfiado, as meias por cima das calças do fato de treino, os ténis Adidas, a corda lá ao alto. Eusébio diz que nunca precisou que o obrigassem a treinar, a melhorar. Fazia-o porque gostava. "No Benfica, estavam já os colegas a comer em casa e eu continuava ali no campo a chutar bolas. Imaginava uma barreira, um guarda-redes e batia livres e penáltis." O amigo para estas ocasiões era Simões, o único a quem tratava por 'tu'. "Como é que eu podia chegar ao pé do falecido Águas e dizer: 'Ó senhor José Águas, não se importa de dar aqui uma ajuda?' Não podia fazer isso. Ele era o capitão. Tratava todos por senhor, menos o Simões."

Os treinos depois do treino. Como Rocky Balboa: o gorro enfiado, as meias por cima das calças do fato de treino, os ténis Adidas, a corda lá ao alto. Eusébio diz que nunca precisou que o obrigassem a treinar, a melhorar. Fazia-o porque gostava. "No Benfica, estavam já os colegas a comer em casa e eu continuava ali no campo a chutar bolas. Imaginava uma barreira, um guarda-redes e batia livres e penáltis." O amigo para estas ocasiões era Simões, o único a quem tratava por 'tu'. "Como é que eu podia chegar ao pé do falecido Águas e dizer: 'Ó senhor José Águas, não se importa de dar aqui uma ajuda?' Não podia fazer isso. Ele era o capitão. Tratava todos por senhor, menos o Simões."

O que é que ainda lhe falta fazer? Tem algum projeto ou sonho por concretizar?
Hum... Todos os dias, logo quando acordo, olho para o espelho, estou bem, vou tomar banho, fazer a barba, lavar os dentes, tomar o pequeno-almoço, de vez em quando vejo uns treinos do Benfica ou fico em casa só a ver TV. Neste momento, a única coisa que gostava - e sei que é muito difícil, mas não impossível - é um sonho. E deixem-me sonhar: o que gostava mesmo era de ver o Benfica numa final da Taça dos Campeões Europeus, ou Liga Milionária, como dizem agora. É uma das satisfações que gostava de ter antes de morrer.

Então e aquela maldição do Béla Guttman, que disse que depois dele o Benfica nunca mais seria campeão europeu?
Não, não há nenhuma superstição do Béla Guttman, é tudo mentira. Inventaram coisas, e quem está lá dentro é que sabe a verdade, mas as pessoas não acreditam. Aquilo que eu sei é que ele chamou o Caiado [Fernando Caiado, treinador-adjunto do Benfica na época] ao centro do campo e disse: "Caiado, gostava de ter uma estátua aqui." Foi a única coisa que se passou! É difícil ter uma estátua ali, nós estávamos no meio do campo, falou naquilo só por falar! Só que esta gente - é a nossa mentalidade, pronto -, como um gajo não ganhou outra vez aqui, ali ou acolá, começou logo a dizer que era por causa da praga do Guttman. Mentira!

O futebol era melhor no seu tempo?
Dava mais gosto, claro, porque eu jogava [risos]! O futebol para mim é tudo, desde miúdo que sempre me dediquei ao futebol. Também joguei basquetebol, corri no atletismo os 100 e os 200 metros, mas o futebol... Hoje, o futebol é ainda melhor, não é como nos anos 60, assim como nos anos 60 não era como nos anos 50. Vai mudando. Olhe, hoje um jogador joga três ou cinco anos e já está bem na vida se tiver juízo. Na altura ganhava-se bem, mas não há comparação, os contratos são diferentes. Mas ainda bem que é assim, porque os jogadores é que fazem o espetáculo.

Como era o convívio e a rivalidade entre clubes?
Era um espetáculo. Às segundas-feiras, juntávamo-nos todos - do Sporting, do Benfica, do Belenenses -, almoçávamos frango assado no Bonjardim, na Travessa de Santo Antão, e depois íamos ao cinema, ao Éden. E andávamos sempre de metro ou de elétrico, porque era mais barato. As pessoas paravam na rua só para nos verem juntos. Para tirar a carta tive de pedir autorização à minha mãe: "Mas você vai tirar a carta porquê? Não há aí machimbombo [autocarro]?" Lá a convenci, e depois comprei um VW. Agora, os jogadores gostam de se passear de Ferrari, Lamborghini. Uma pessoa tem de saber estar, tem de ter humildade.

Acredita no amor à camisola?
Acredito mais no profissional de futebol, porque o amor à camisola já lá vai...

E nos anos 60?
Nem no meu tempo todos tinham amor à camisola. Eram poucos os que tinham. Hoje então nem pensar nisso!

Mas o seu caso foi de amor à camisola?
Ora bem, foi, mas ao mesmo tempo também fui profissional. Comecei a jogar como profissional aos 19 anos, no Benfica. E sempre amei a camisola que vestia. Mas pensava: "Se um dia sair daqui, vou ganhar mais? Compensa?" Saí tarde, mas nunca fiquei triste com o clube, porque ganhei títulos e dinheiro. Podia ter ganho mais, mas ganhei bem. E o Benfica era o Benfica. Depois, éramos todos amigos, uma família. No início, começa-se a gostar. Depois, gosta-se mais. Vou morrer ligado ao Benfica!

Falta muito tempo até lá.
Seja o que Deus quiser. Quanto tiver de ser, será.

O herói de 66. Eusébio foi a estrela do Mundial 66, em Inglaterra, também por culpa do Portugal-Coreia do Norte (5-3), em que marcou três golos na histórica recuperação. "Acreditava que íamos ser campeões do mundo." Não foram, e o 'Pantera Negra' explica porquê. Despachados os norte-coreanos, Portugal tinha pela frente a Inglaterra nas meias-finais. O jogo era para ser em Liverpool, mas os planos mudaram à última hora. Foram para Londres

O herói de 66. Eusébio foi a estrela do Mundial 66, em Inglaterra, também por culpa do Portugal-Coreia do Norte (5-3), em que marcou três golos na histórica recuperação. "Acreditava que íamos ser campeões do mundo." Não foram, e o 'Pantera Negra' explica porquê. Despachados os norte-coreanos, Portugal tinha pela frente a Inglaterra nas meias-finais. O jogo era para ser em Liverpool, mas os planos mudaram à última hora. Foram para Londres

O seu primeiro clube em Moçambique foi Os Brasileiros, do bairro onde cresceu.
Era um clube de pés-descalços, do bairro de Mafalda. Mas o meu clube do coração era o Desportivo de Lourenço Marques, hoje Maputo. Aliás, Grupo Desportivo de Maputo, que era filial do Benfica. O meu falecido pai, que trabalhava nos caminhos de ferro, era do Benfica, e eu gostei sempre do Desportivo e do Benfica. Um dia fui pedir ao treinador que estava lá para treinar, mas ele achou-me franzino, pequenino. Nunca pensei que as pessoas me vissem assim [risos]! E eu que com 12 anos já não estava a jogar com os rapazes da minha idade, jogava com rapazes de 15, 16, 17 anos! Tenho essa vaidade: dava um baile [arrasta o a]. Era um pé-descalço, mas dava baile! Eles eram grandes, matulões, mas eu passava por eles à vontade. Aliás, foi uma das coisas que nunca mais me esqueço: quando cheguei a Lisboa, a primeira pessoa que cumprimentei foi o Torres, que era o meu colega de quarto. Chego por volta das 23h30, vou para o lar dos jogadores do Benfica, e estavam todos a dormir. Ele estava de pé, porque tinha ido buscar leite ou algo para comer. Foi a primeira pessoa que vi e a primeira a quem disse que ia jogar, que ia ser titular! Tinha 18 anos, cheguei no inverno, em dezembro, cheio de frio. Nos primeiros três dias nem treinei, foi só comprar roupa de inverno - um sobretudo. E depois ia ver treinos. Via os senhores - o senhor Coluna, o falecido capitão José Águas, o falecido Germano -, e um dia estava com o Torres e disse-lhe: "Esta é a equipa do Benfica? Quando puder jogar, vou ser titular." Ficou parvo: "Vais?", perguntou. E eu: "Vou, claro!"

Está a querer dizer-nos que os jogadores do Benfica não tinham qualidade?
Não tinham aquela qualidade que eu achava que tinham, apesar de terem sido campeões nacionais e, mais tarde, campeões europeus. Havia ali muita raça. Numa equipa de futebol, faz parte haver carregadores de piano, mais tarde percebi isso, mas naquela altura o que disse foi que ia jogar, porque alguns jogadores não tinham 'aquela' técnica do futebol. O Torres dizia-me que andava lá há três anos a ver se jogava, e eu: "Mas de onde é que tu és? De onde, de Torres Novas? Não sei onde fica." Eu sabia que ia chegar o meu tempo, e assim que comecei a treinar ficou tudo maluco. O falecido Germano dizia: "Alguém tem de sair. Eu estou à vontade, vou jogar com ele, porque sou defesa. Agora o resto que se prepare, um tem de sair, de certeza." E foi!

A técnica trabalha-se?
No nosso bairro jogávamos por castanhas, berlindes. Era assim: "Malta, tenho aqui cinco berlindes, eu dou 50 toques, 25 com pé esquerdo, 25 com pé direito. Se perder dou-vos os berlindes, se ganhar são vocês que me dão os vossos." À primeira tentativa, eu fingia e deixava cair. Porquê? Para puxar a clientela. Quando via aí uns 20, pensava: "OK, agora já vale a pena." Esperteza! Todos os dias punha a bola de ténis no pé direito e dava 50, 55, 70 toques; depois, pé esquerdo, 20, 25 toques...

Porquê?
Ninguém me obrigava, eu é que queria. Por exemplo, no Benfica, estavam já os meus colegas a comer em casa e eu continuava no campo, a chutar. Imaginava uma barreira, um guarda-redes, batia livres e penáltis. E a única pessoa com quem tinha confiança para me ajudar com isto era o Simões. Como é que eu podia chegar ao pé do falecido Águas e dizer: "Ó senhor José Águas, importa-se?" Não podia, ele era o capitão, tratava-o por senhor. Só tratava por tu o Simões. Às vezes até és bem-educado em casa, mas quando jogas um bocado mais julgas logo que és o melhor. Não pode ser. Tens de saber estar, com os pés no chão, ser humilde. Sempre.

Foi a sua mãe, Elisa, quem lhe transmitiu esses valores?
Graças a Deus. Somos uma família de oito irmãos e tivemos sempre educação: três são engenheiros, e eu sou o único que tenho a 4ª classe. Mas hoje orgulho-me de ser o gajo que não estudou, mas que é o mais conhecido da família no mundo [risos]. Mas, atenção, se o tempo voltasse para trás, como cantava o Mourão, tinha estudado.

O que é que gostava de ter estudado?
Também podia ter estudado para engenheiro, como podia ter sido médico. Mas nasci com este dom, tinha de aproveitá-lo.

E como é que chega a Portugal? O Sporting quis...
[interrompe] O Sporting não queria nada, é tudo mentira!

Não é isso que reza a história...
Assinei contrato com o Benfica, não assinei nada com o Sporting. É tudo mentira!

Falaram com a sua mãe ou não?
Nunca falaram com a minha mãe. Quem pagou 250 contos à minha mãe e ao meu irmão mais velho foi o Sport Lisboa e Benfica, através de um delegado deles lá em Moçambique. O Sporting, o FC Porto e o Belenenses também tinham os seus.

E quem é que o descobriu?
Ninguém me descobriu, a mim ninguém me descobriu!

As seis operações ao joelho. Sentado no sofá de casa com as filhas Carla e Sónia. Está em convalescença, com uma toalha sobre o joelho esquerdo, ao qual foi operado seis vezes. "Levei muita pancada, algumas de propósito, outras sem querer. O que eu não gostava era das entradas por trás. Aí, dava vontade de dar uma tareia, mas, lá está, um jogador tem de saber estar." Perdeu a conta às vezes em que jogou lesionado. Fê-lo porque quis, porque só não jogaria se o pé não coubesse na bota. Caso contrário, a 30% ou 35% das suas capacidades, entrava em campo. Nem que fosse só para marcar presença. "Eu impunha respeito ao adversário."

As seis operações ao joelho. Sentado no sofá de casa com as filhas Carla e Sónia. Está em convalescença, com uma toalha sobre o joelho esquerdo, ao qual foi operado seis vezes. "Levei muita pancada, algumas de propósito, outras sem querer. O que eu não gostava era das entradas por trás. Aí, dava vontade de dar uma tareia, mas, lá está, um jogador tem de saber estar." Perdeu a conta às vezes em que jogou lesionado. Fê-lo porque quis, porque só não jogaria se o pé não coubesse na bota. Caso contrário, a 30% ou 35% das suas capacidades, entrava em campo. Nem que fosse só para marcar presença. "Eu impunha respeito ao adversário."

Mas conta-se a história de o Béla Guttman ter ouvido um brasileiro, o José Bauer...
Oh, isso não foi uma descoberta. Eu jogava desde os 9 anos no meu bairro, ninguém descobriu ninguém. Quando o Bauer foi a Moçambique para ver uns jogos, reforçou apenas a ideia de que estava lá um rapaz jeitoso. Ele disse ao Béla Guttman [futuro treinador do Benfica]: "É fantástico mister, mas nós no São Paulo não temos dinheiro." Aí, o Béla Guttman forçou o Benfica a ir buscar-me. Na altura, o Gastão Silva, diretor do departamento de futebol, falou logo com o delegado do Benfica em Moçambique. Eu estava com os meus 16/17 anos e jogava na primeira categoria, pelo Sporting. E porque é que eu fui jogar no Sporting lá? Por causa da minha mãe! A minha mãe não percebia nada de futebol!

A culpa de ter jogado no Sporting de Lourenço Marques é da sua mãe?
Sim. Acabou por falecer e só me foi ver jogar uma vez cá, contra o FC Porto, no antigo Estádio da Luz... Bom, mas quando era miúdo tinha sempre um castigo quando chegava tarde a casa: ficava sem jantar. E eu chegava sempre tarde, porque do Desportivo à minha casa era a distância quase de Benfica até à outra banda. E nós vínhamos e íamos a pé, todos os dias [é interrompido por uma chamada do telemóvel, com o toque do 'Ser Benfiquista']. Mas no Desportivo o treinador embirrou comigo e nunca me deixou treinar.

Daí o Sporting?
O Sporting Lourenço Marques e o Desportivo ficavam mais ou menos à mesma distância que o Benfica e o Sporting ficam cá. Um dia, o Hilário [futuro jogador do Sporting e da seleção], que jogava no Sporting Lourenço Marques, avisou o clube dele: "Atenção, aqueles miúdos ali, cuidado com eles, que são bons." Mas eu não gostava, aliás, ninguém do meu bairro gostava do Sporting. Sabem porquê? Porque era um clube de elite, um clube da polícia, que não gostava das pessoas de cor, era racista! Mas os meus amigos queriam lá ir treinar e um dia lá fomos e jogámos todos na mesma equipa contra os que lá estavam: acabámos com aquela porcaria [risos]! Demos uns sete ou oito e já não voltámos a casa a pé, mas na carrinha Volkswagen do clube. Falaram com a minha mãe e eu expliquei-lhe que apesar de o pai já ter falecido ele não ia gostar. "É melhor perguntar ao mano, porque ele também é do Benfica." E ela diz-me: "Olha, eu não sei nada, os homens vieram aqui pedir." "OK, mãe, vieram pedir, mas não é a mãe que vai jogar, sou eu. E estou a explicar-lhe que o clube do pai era o Desportivo, e o Benfica é o meu clube e o do mano. Amãe só não é porque não entende nada de futebol." O Sporting voltou a atacar e à terceira lá fui. A minha mãe explicou-me que ia assinar por um ano para ver se era ou não bom. Há o sorteio, e o primeiro jogo é logo contra o Desportivo. E marquei três golos!

Festejou algum?
Não, até chorei... No dia seguinte, foram entrevistar-me a casa. O meu irmão estava lá, e foi quando expliquei que não era do Sporting, mas sim do Desportivo, que tinha lá um treinador que não percebia nada de futebol. "É um racista também que anda para lá!" Correram logo com ele!

Foi a sua primeira entrevista?
A minha primeira entrevista e correram logo com ele [risos]. Toda a gente sabia que eu era do Desportivo: o meu falecido pai também foi um grande jogador, um médio que alinhava pela seleção nacional lá.

O Sporting teve-o e deixou-o ir, é isso?
O Sporting teve tudo na mão, porque eu jogava na filial. Mas o Braz Medeiros, que era o presidente do Sporting, não foi correto quando nos telefonou. Ele pensou que estava a falar com um qualquer e não com o meu irmão, que era engenheiro. O meu irmão perguntou-lhe: "Se o Benfica está a pagar 150 contos, vocês não podem pagar? Querem-no à experiência? Nem pensar! Quanto é que ganha o Seminário [jogador do Sporting que ganhava 80 contos por mês]? O meu irmão é melhor do que o Seminário por uma razão simples - tem 18 anos." O Benfica pagou 250 contos. Depois inventa-se...

O 'padrinho' Salazar. Eusébio diz que foi oito vezes à Assembleia da República para falar com Salazar. Tinha convites de grandes clubes na Europa e estava tentado a aceitá-los. Mas não podia. Porque o 'padrinho', como ele chama a Salazar, simplesmente não deixava. Quando foi conhecer o ditador pela primeira vez, o Benfica disse a Coluna, o capitão, que o acompanhasse, por via das dúvidas. "O Coluna só me dizia: 'Está calado. Não digas nada.' E eu, na minha ingenuidade, só queria perceber porque é que ele não me deixava sair. E o Coluna: 'Está caladinho.' Acho que o Salazar gostava do país e foi por achar que eu era tão importante para o país que não me deixou sair."

O 'padrinho' Salazar. Eusébio diz que foi oito vezes à Assembleia da República para falar com Salazar. Tinha convites de grandes clubes na Europa e estava tentado a aceitá-los. Mas não podia. Porque o 'padrinho', como ele chama a Salazar, simplesmente não deixava. Quando foi conhecer o ditador pela primeira vez, o Benfica disse a Coluna, o capitão, que o acompanhasse, por via das dúvidas. "O Coluna só me dizia: 'Está calado. Não digas nada.' E eu, na minha ingenuidade, só queria perceber porque é que ele não me deixava sair. E o Coluna: 'Está caladinho.' Acho que o Salazar gostava do país e foi por achar que eu era tão importante para o país que não me deixou sair."

O rapto é um mito?
Eu pergunto: então se o Benfica me tivesse raptado, eu iria gostar de uma equipa que me tinha feito isso? Não gosto é do Sporting, que depois até pagava 500 contos. Rapto? Vocês são mas é malucos... Eu às vezes digo isto do 'preto', mas não é uma ofensa. A verdade é que pensavam que a família aqui do preto era mais uma, que estavam a falar com um preto qualquer, quando estavam a falar com um engenheiro. Aliás, o meu irmão é bem mais claro do que eu: é branco como o meu falecido pai. O meu pai era branco, eu sou parecido com a minha mãe. Também pergunto: "Quem é que pagou as passagens para vir para Portugal? Vim a nado, apanhei boleia?" Invenções...

Mas chegou cá como Ruth...
Nunca soube que viajei com um nome de mulher, mas isso foi para que ninguém do Sporting de cá soubesse. É que, lá, o Sporting, como se soube depois, andava em cima de mim. Os Correios, os manda-chuva lá e cá, eram todos sportinguistas. Os big bosses eram todos do Sporting. O Benfica tentou a jogada, mas descobriu-se logo. Depois, já em Portugal, três meses depois de me verem a treinar no campo do Campo Grande, os do Sporting viram que eu era bom. Pensaram: "Como é que agora vamos descalçar esta bota?" Inventaram o rapto. Eu nem do Sporting de lá gosto, quanto mais do de cá. Tudo o que hoje sou é graças a mim, aos meus colegas e ao Benfica. Fui melhor jogador do mundo, melhor marcador do mundo, da Europa, fiz tudo, só não ganhei um Mundial.

Acreditou que ia ganhar o Mundial de 1966?
Só não ganhei porque vivo num país pequenino. Foi por isso que olhei para cima, que me caíram as lágrimas.

O que é que aconteceu antes do jogo com a Inglaterra? Porque é que se mudou de estádio?
É a mentalidade portuguesa, os ingleses não têm culpa nenhuma. A nossa Federação vendeu-se e pronto. A FIFA permitia que as duas federações discutissem o campo, e combinaram a coisa. O Goodison Park, estádio do Everton, era onde íamos jogar e levava 45 mil espectadores; fomos para Wembley, onde cabem 100 mil. A Federação portuguesa recebeu o dinheiro e limpou as mãos.

Quando é que souberam da alteração?
Estávamos em estágio, a recuperar do jogo com a Coreia. Eram umas cinco e meia da tarde. Chamaram o Coluna e o Otto Gloria e avisaram-nos. Só que não podíamos dizer nada.
Estávamos noutros tempos, da outra senhora. Não podias piar [risos]. Os ingleses até sabiam onde era o nosso hotel em Londres, em Piccadilly Circus. Foram lá à noite e fizeram uma barulheira tal que tivemos de ir para outro hotel a meio da madrugada, a 30 quilómetros de Londres. Já viram como é? O Otto Gloria só nos disse: "Vamos entrar dentro de campo e seja o que Deus quiser. Não vos posso exigir nada!"

Sabe que o vídeo daquele lance com a Coreia do Norte passa nas escolas do Ajax?
Vou descrever: no lance, a bola está meio metro à frente dos meus pés. Parece que tenho cola. E eu aumento a velocidade, meto as mudanças. Dei 17, 18 toques desde que o Coluna me entrega a bola. Sofro uma pancada à entrada da área, mas continuo, porque nunca fui de me atirar para o chão. Só que, depois, chega outro que me dá uma sarrafada... Penálti!

O 'vaidoso' Pelé. Jogo entre o Santos e o Benfica: Matine, Pelé, Jorge Calado e Eusébio posam para a posteridade. Dois dos melhores jogadores da história em confronto direto. Para Eusébio, as comparações não devem ser feitas - são coisa de jornalista. "Ele foi um génio, mas só jogou no Brasil. Eu disse-lhe, em direto, na Globo: 'Tu não podes dizer que és melhor do que eu, e eu não posso dizer que sou melhor do que tu. O Garrincha, que tinha uma perna torta, era melhor do que nós.' Ele engoliu em seco." Eusébio mantém-se fiel ao ídolo Di Stéfano, que considera o futebolista "mais completo" de sempre.

O 'vaidoso' Pelé. Jogo entre o Santos e o Benfica: Matine, Pelé, Jorge Calado e Eusébio posam para a posteridade. Dois dos melhores jogadores da história em confronto direto. Para Eusébio, as comparações não devem ser feitas - são coisa de jornalista. "Ele foi um génio, mas só jogou no Brasil. Eu disse-lhe, em direto, na Globo: 'Tu não podes dizer que és melhor do que eu, e eu não posso dizer que sou melhor do que tu. O Garrincha, que tinha uma perna torta, era melhor do que nós.' Ele engoliu em seco." Eusébio mantém-se fiel ao ídolo Di Stéfano, que considera o futebolista "mais completo" de sempre.

E como foi jogar contra o Pelé no Mundial?
Nessa altura já estava farto de jogar contra ele! Um génio. Mas eu sempre lhe disse: "Pelé, tu não és melhor do que eu e eu não sou melhor do que tu. Não há comparações, isso é para jornalistas. O Garrincha é melhor do que nós e tem uma perna torta!" Falei-lhe nestes termos no Brasil, em direto, na Globo. O Pelé teve de engolir! "Tu só me ganhas porque és brasileiro e campeão do mundo. Mas a jogar à bola? Naaa...", disse-lhe.

Porque é que o Di Stéfano foi o maior?
O Di Stéfano, para mim, é incomparável. Quando joguei contra ele pelo Benfica, na final [Taça dos Campeões], ele tinha 38 anos e foi dos melhores. Ganhámos 5-3. Foi um orgulho para nós, que entrámos ali de coração aberto, a dizer que éramos portugueses. No Mundial 66, vejam lá, não nos ligavam nenhuma, pensavam que éramos espanhóis. Eu tinha nascido em Moçambique, sim, mas era português. Quando nos anunciavam em Inglaterra, no Mundial, era assim: "Portugal, the captain, Coluna, born in Mozambique. Eusébio, Mozambique. Hilário, Mozambique. Vicente, Mozambique." Política! Eles queriam à força dizer que éramos das colónias. Repito, a nossa política é a bola.

Pensou sair de Portugal?
Oh! Oh! Bom, houve a Juventus e depois o Inter de Milão. Mas o 'padrinho', a alcunha que eu pus ao Salazar, não deixou. Acho que ele gostava do país e gostava tanto que não me deixava ir porque pensava que era importante para o país.

Quantas vezes é que esteve com ele?
Eh, pá, fui oito vezes ter com ele à Assembleia. Eu, o Coluna e o diretor do Benfica. O Coluna só me dizia baixinho: "Não digas nada." Só queria dizer-lhe que não o conhecia de lado nenhum, o que era verdade. Era muito ingénuo, eu sei, mas não tinha roubado ninguém, não tinha cometido nenhum crime. Só queria perguntar-lhe porque é que não me deixava sair. O Coluna repetia: "Está caladinho."

Mas assinou contrato com o Inter.
Assinei e até estive em Itália. Foi em 1966, depois do Mundial. Estive no lago Como, a ver como seria a minha futura casa.

Bom sítio.
Ó pá, do melhor. A minha mulher [Flora] até escolheu a casa, uma bruta de uma vivenda. Só que o contrato ficou pendurado. O pior foi ter de ir às escondidas. Fui para Itália na mesma altura em que Salazar inaugurou a ponte sobre o Tejo, no dia 6 de agosto de 1966. Nós, os jogadores e a comitiva da seleção fomos convidados para ir à inauguração. Os outros foram, eu não. O Benfica escreveu uma carta a explicar que eu tinha as passagens compradas para Itália, porque ia passar uns dias com a minha mulher [risos]. O Inter ia pagar-me três milhões de dólares na altura! E era para ir eu e o Bobby Charlton. Estive lá com o Fachetti, com o Corso [craques do Inter] e com oMoratti, pai deste Moratti [atual presidente do Inter de Milão], que na altura era presidente. Eu até falava italiano, porque tivera aulas sem ninguém saber.

Estava com ela fisgada...
risos] Estava, pois.

Mas acaba por sair depois da revolução...
Fomos campeões, e o Benfica libertou-me para ir à minha vida em 1976. Fui tentar recuperar o que tinha perdido em África, porque nacionalizaram tudo o que eu tinha comprado: jogava à bola, ganhava dinheiro e comprava terrenos. Perdi tudo. E quem me tirou as coisas? Gajos que eu conhecia, que tinham andado comigo na escola!

Saiu para os Estados Unidos.
A experiência do soccer foi muito bonita. Eles tinham uma lei fantástica: os grandes jogadores não podiam jogar na mesma equipa. Eu era para ter ido para a mesma equipa do Pelé, o Cosmos [de Nova Iorque], mas fui para Boston. Com o mesmo contrato, claro, a ganhar muito bem. Tinha casa, motorista, que dispensei, porque gostava de guiar. Até nos davam guarda-costas. O Pelé tinha dois! "Porque é que tu queres guarda-costas?", perguntava-lhe eu. O Pelé, às vezes, é vaidoso. Quando estamos naquele grupo dos dez melhores do século, gostamos de 'picá-lo' na brincadeira. "Devias ter jogado aqui na Europa, para ver o que era o inverno, levar porrada com o frio e com a lama!"

Porque é que regressou a Portugal para jogar no Beira-Mar e no União de Tomar?
Vocês não sabem nada...

Mas o Eusébio vai contar...
Então é assim: eu tinha cinco meses de férias por época no soccer. Nessas alturas, andava a treinar o Benfica. O Sporting queria-me, o Belenenses também, mas eu não podia assinar contrato, porque tinha contrato com os americanos. Eu só podia assinar jogo a jogo: recebia um x por jogo. Então, o Apolinário, que era presidente do Beira-Mar, propôs pagar-me 350 contos por jogo, e dava-me a hipótese de escolher o jogo e tudo. Joguei sete jogos e meio no Beira-Mar. Um dia, íamos jogar com o Benfica e o treinador do Beira-Mar era o Manuel Oliveira, sportinguista. "Eusébio, você vai jogar contra o Benfica, OK? Jogou contra o meu clube, portanto, vá, tem de ser", disse o Manuel. E eu: "Sim, mas eu não gosto do Sporting!" Eu tinha marcado um golo ao Damas [Sporting], o Beira-Mar tinha ganho por 1-0 e o Benfica passara para a frente do campeonato - foi campeão. Mas, pronto, lá tive de jogar contra o Benfica... mas em Aveiro! Acontece que há um livre à entrada da área do Benfica e o Beira-Mar tinha o Sousa, o Abel... E o Manuel Oliveira grita: "Quem marca é o Eusébio!" E eu olhei para ele e fiz isto [toca com o indicador na testa, como quem diz, "tu és maluco"]. Alguma vez eu ia marcar um golo ao Benfica? Por amor de Deus! Empatámos. No balneário, o Manuel Oliveira pergunta-me o que é que eu estava a fazer com o dedo, e eu disse-lhe que tinha comichão na cabeça [risos]. É que o livre estava mesmo na 'zona da verdade', era só pôr a bola a contornar a barreira. E no União de Tomar joguei apenas em dois encontros.

E o Sporting ofereceu-lhe alguma coisa?
Nem queria ouvir. E também tinha medo de magoar-me, porque tinha seguro nos EUA.

O joelho mostra que levou muita pancada durante a carreira.
Fui operado seis vezes ao joelho esquerdo. Hoje, uma lesão no menisco é uma semana; antes, meses. Às vezes, davam-me de propósito, outras sem querer. Não gostava era de entradas pelas costas. Isso dava-me vontade de dar uma tareia, mas, lá está, uma pessoa tem de saber estar.

Entrevista publicada na edição do EXPRESSO de 12 de Novembro de 2011