Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

PJ aproveitou Operação Lex para fazer buscas no Benfica sobre os emails

Clube encarnado foi alvo de buscas na terça-feira da semana passada. Na altura, Luís Filipe Vieira foi constituído arguido no âmbito da Operação Lex

Hugo Franco

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Partilhar

As buscas nas instalações do Benfica, realizadas no último dia 30 de janeiro, não se limitaram ao âmbito da Operação Lex, caso que investiga uma alegada teia de favores entre o juiz desembargador Rui Rangel e elementos da estrutura diretiva encarnada, como o presidente Luís Filipe Vieira e o vice Fernando Tavares, todos constituídos arguidos no processo.

Nessa altura, o Sport Lisboa e Benfica confirmou as buscas no Estádio da Luz, no âmbito de uma investigação judicial, mas garantiu que estas nada tinham a ver com o clube.

O Expresso confirmou esta quarta-feira junto de fonte oficial que a operação policial da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da PJ da semana passada também se deveu ao denominado caso dos e-mails.

Segundo a revista "Sábado", um segundo grupo de investigadores do crime económico entrou discretamente nas instalações do clube apenas para analisar provas relacionadas com este último dossier, naquela terça-feira.

Também o "Público" escreve sobre o assunto, salientando que se trata das segundas buscas na Luz por causa dos e-mails, depois de um primeiro mandado executado a 19 de Outubro do ano passado.

O caso dos e-mails foi espoletado após as denúncias feitas pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, sobre uma alegada rede de influência do Benfica sobre figuras da arbitragem e da Liga de Clubes.

Em outubro, a Procuradoria-Geral da República confirmou as buscas na Luz, indicando que as investigações se baseavam em suspeitas de corrupção ativa e passiva. Na altura, o Benfica mostrou-se disponível para fornecer toda a informação para "um cabal esclarecimento da situação".