Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

Bruno de Carvalho em direto: "Não vou ao Jamor, não estão criadas as condições para lá estar"

Uma hora e um quarto depois da hora marcada, Bruno de Carvalho sentou-se numa das cadeiras da mesa de conferências do auditório, ladeado por Carlos Vieira, o seu número dois, munido de vários jornais e começou por pedir desculpa pelo atraso. Depois, passou em revista o que acha ser uma campanha para o fazer cair

Expresso

Partilhar

16h15

André Geraldes

"O que tenho a certeza é que o André nada fez e vocês [jornalistas do CM] são uns criminosos"

16h10

BMW

"A polícia tem todas as gravações, todos os documentos. Aconselho a ouvir melhor a entrevista, que aquilo foi de uma atrapalhação, estava mal encenado. O Sporting não deu autorização àquele carro para entrar. O responsável de segurança é uma pessoa extremamente cuidadosa, um GNR, e de certeza que já está a investigar quem entrou. Da administração de certeza que aquele carro não teve autorização. Nunca autorizei carro nenhum, nem do primeiro-ministro, nem do Presidente da República"

16h04

Novamente os jogadores

"Eu sou um ser humano, sou pai e já disse várias vezes que eles para mim são família. As pessoas que estavam no World Trade Center, onde já tinha havido um ataque, não estavam à espera que viesse um avião. Neste momento as pessoas estão a viver a sua vida, a seguir a sua vida. Eu estou a assistir ao ato mais vil da minha vida e estou aqui, porque amo o meu clube. Os jogadores, o único que lhes transmiti, presencialmente pedi desculpa e também por escrito e depois não tenho dúvidas que muitos deles estão chocados, mas que temos de ser profissionais e seguir. A sua entidade patronal vai fazer tudo para que possam fazer a sua vida normal. Eu também estou aqui, somos profissionais"

15h55

Não vai ao Jamor

"Não, não vou ao Jamor, não estão criadas as condições para lá estar. Não, eu não mereço o que se está a passar. Mas pelo Sporting e pela festa e para que não haja constrangimentos dos órgãos de soberania. Com muita mágoa e frustração"

15h43

Quem está por trás?

"Neste momento Portugal aproveitou para destruir o seu enfant terrible. Começou por uma intenção. Isto já é de uma dimensão… porque as pessoas não gostam que eu afronte o Presidente da República. Eu digo o que tenho a dizer sobre o secretário de estado, IPDJ, Liga, Governos, tudo. E isso não agrada. Não sou o português comum do come e cala. É um golpe palaciano de uma oposição irresponsável, iniciada por Jaime Marta Soares e com o apoio do nosso rival. Toda a teia de influência de Ricciardi e seus muchachos, de Marta Soares e seus muchachos, com o rival a rir"

15h20

Jaime Marta Soares

"O porquê das reviravoltas de Jaime Marta Soares.... Jaime Marta Soares veio propôr-me uma cimeira secreta com o amigo Luís Filipe Vieira. Numa noite desejou-me sorte para a gravidez da filha e no dia seguinte pediu a demissão. Diz que recebeu muitas pressões. Também mentiu na televisão quando disse que apenas trocámos parcas palavras, quando trocámos várias horas de conversa a falar. Estive a falar com vários jogadores, um deles Bruno Fernandes, à frente de Jaime Marta Soares, com aquele ar bonacheirão. E o Bruno Fernandes também me disse que não ia para o norte como se andava a dizer na TV. Relembro-vos as palavras de Jorge Jesus ontem à SIC: 'Quando vi a notícia que eu teria provas de que teria sido o mandante foi ligar para o presidente'. Vocês estão a participar no maior ato terrorista sobre uma pessoa que alguma vez foi feito. Já chegou ao cúmulo de ter dois jornalistas da SIC a baterem-me à porta durante hora e meia, à porta... Chamámos à polícia e eles foram identificados. Eu, neste momento, não sei onde está a minha filha Diana, porque a minha ex-mulher despareceu com a minha filha Diana. Se esta direção cair, o Jaime Marta Soares irá colocar aqui uma comissão de gestão durante seis meses, impedindo-me de recandidatar. Nós vamos fazer três sessões de esclarecimento: norte, centro e sul. E aí vamos auscultar, ouvir e dar todas as explicações necessárias. Não é este presidente da AG ou aqueles que querem tomar o Sporting de assalto outra vez, que nos vão impedir de responder a todas as dúvidas. Nós vamos dar a cara. Vamos lutar pelo Sporting. Lutar pela nossa dignidade. Nós é que nos temos de nos demitir? Enquanto outros clubes que têm e-mails, indícios... Só falta que todas as televisões convoquem Luís Filipe Vieira para comentar a crise do Sporting."

15h15

O Benfica

"Aqui não há e-mails a pedir a nomeação de árbitros. Aqui não há contratos estranhos. Não há sacos azuis. Saberemos gerir isto. Alertamos desde já que existem jogadores em choque, mas, muitas vezes, atrás de um jogador, aproveita-se um advogado ou um agente. E vocês sabem quais têm sido as minhas posições com os bons e maus agentes. Uma coisa vos garanto: o Sporting não ficará sem os seus ativos. O Sporting tomará as medidas necessárias que jamais volte a acontecer um evento destes novamente. Porque o maior especialista, José Manuel Meirim, escreveu que nós íamos perder o caso Bruma, nós ganhámos.

15h02

Rescisão dos jogadores

"Os nossos jogadores são muito profissionais. Por vezes, nos jogos, não dão tudo aquilo que podem dar, mas isso acontece a toda a gente. Agora, pedir rescisão por um acto que começa numa rixa, digamos assim, provocada pelos jogadores. O Rui Patrício, que tem tempo suficiente - aliás, ele disse-me que foi o único presidente que lhe pediu para deixar uma camisola no museu do Sporting -, não pode nem deve dirigir-se aos adeptos dizendo-lhes que são pagos. Houve uma reunião na segunda-feira em que eu disse que nos tínhamos de nos focar num troféu que ainda podemos conquistar esta época.Perguntei aos jogadores se estavam focados e eles responderam-me que sim. Também perguntei a um jogador se ele sabia o que era virar-se a um líder de uma claque e ele respondeu-me que tinha o sangue quente. Também lhes pedi para me alertarem se houvesse ameaças. E também lhes disse que às 16h estaria na Academia, mas as notícias do Cashball impediram-me de chegar a horas. Eu ia lá estar também e também poderia estar com fracturas, pontos. Estou em choque. Mas quando houve ataques na Academia de Guimarães, também ninguém disse nada, porque não era o Bruno. Há muita coisa para fazer na luta contra a violência no desporto. Mas não quero acreditar que haja uma rescisão de contrato por culpa de um acto que começou involutariamente nos jogadores. Eles não merecem.Isto é uma família. Ainda por cima, eu pus-me à frente de centenas de pessoas para evitar coisas piores e este silêncio dos jogadores é ensurdecedor. Nós, sim, tínhamos razões para processos disciplinares. Não me venham falar de rescisões. Pedimos encarecidamente a todos os sportinguistas que façam do jogo da Taça de Portugal. Tenham respeito pela instituição pelos nossos atletas, administração, direção."

14h50

A Academia

"Foi um acto de vandalismo e conseguiram aproveitar-se de um homem que estava em estado de choque... mas tentaram colar na opinião pública foi que eu disse que era chato. Conseguiram manipular as palavras e desonrar um homem honrado, digno e merecedor de respeito enquanto presidente do Sporting Clube de Portugal. É um acto hediondo mas que tem o seu início. Fala-se num jornal que eu teria dado aval a agressões no dia 6 de abril. Na Madeira, houve jogadores que não aguentaram os assobios, por terem o sangue quente. Foi dito por um líder da Juve Leo que disse que queria ter uma reunião na terça-feira com os jogadores. Isto teve início na Madeira porque gosto de acompanhar as modalidades. Era fortíssima convicção que, depois do resultado com o Benfica, que iríamos à Madeira ganhar. Não ganhámos, não era minimamente expectável não ganhar. Fizeram uma parangona com o dono do BMW a dizer que o responsável é o 'Bruno de Carvalho porque está sempre a dizer que vamos ser campeões'. Aquela resposta foi encomendada, mas a verdade é que me atinge na minha dignidade. Éramos o clube que tínhamos uma folha limpa nos últimos cinco anos - ao contrário, morreram adeptos nossos. Há uma campanha montada pela teia cartilheira do Benfica a dizer que era o autor direto, depois moral depois direto e outra vez moral. Havia testemunhas fidedignas... Eu seu pai. Os meus atletas são como família. Jamais em tempo algum deixava que fizessem mal à minha família."

14h30

José Maria Ricciardi

"Quanto a José Maria Ricciardi é o estratega de tudo isto que se está a passar. Com a promessa de entrada de milhões no Sporting com o seu amigo Álvaro Sobrinho... A verdade é que nestes anos foi só um acerto de uma centenas de milhares de euros e uma carrinha. Agora, já dizem que têm milhões. José Maria Ricciardi é um sobrevivente, que passa entre os pingos da chuva. Com a sua empresa, ele quis assessorar a negociação de um empréstimo e como foi recusada, começou a sua campanha. José Maria Ricciardi continuava a achar que era dono do Sporting. Chamou gente como Mário David e Álvaro Sobrinho e outras pessoas que lhe têm medo - nós, direção, estamos sob um clima de terror. Estas pessoas sempre estiveram à espera, à espreita daquele momento em que pudessem sair da hipocrisia. Ricciardi fala de muitas promessas e uma delas foi um incremento de 15 milhões de euros quando renovámos com Jorge Jesus. Mais uma vez, falhou. E tivemos de ser nós, direção e administração, a trabalhar mais esse problema dentro do Sporting Clube de Portugal".

14h20

A Holdimo

"Agora, Álvaro Sobrinho aparece quase como um herói nacional, porque o que ele diz, tem relevância para a sociedade e para o Sporting. Dos 20 milhões que eles colocaram na altura do Eng.º Godinho Lopes. A Holdimo não é uma marca ideal para dar nome e prestígio ao Sporting e vocês próprios o disseram, atacando-nos. Quando fomos buscar Jorge Jesus, foi porque tínhamos o dinheiro sujo de Álvaro Sobrinho".

14h15

A comunicação social

"Há um jogo que tem de ser uma festa e que vai ser com certeza uma festa. Ma há uma série de coisas que estão a ocorrer que exigem máxima serenidade, mas hoje chegou a um ponto inaceitável. Nós somos pais, somos filhos, somos maridos. Nós temos a nossa dignidade, a nossa honra, a nossa respeitabilidade. E esta campanha que se instalou, cuja comunicação social dá eco, chegou ao limite de, hoje, na capa do Expresso, se dizer - e estamos a falar de um jornal de referência - 'Brunos de Carvalhos devem ser mortos à nascença'. Temos capas de jornais com caricaturas de mim com uma moca a dizer: 'Bruno deu aval às agressões'. Outra que diz que os jogadores não querem o Bruno no Jamor. Outra que tentámos comprar atletas. Outra que faltam duas demissões para o Bruno cair. E mais e mais e mais e mais. Isto já nem é uma questão de processos a estas pessoas... Isto já é um total desrespeito pelo sentido das regras mais basilares da democracia. Um total desrespeito pelos direitos humanos. Estamos a ser alvo - e aqui falo de mim e dos meus colegas, que muito lhes agradeço o sportinguismo e o sentido de responsabilidade - de bullying, terrorismo. Neste momento, a única coisa que falta é entrar aqui um grupo de pessoas e arrancarem-nos partes do corpo. Os sportinguistas estão a ser levados numa teia de perceções. Vou dizer isto que fique claro na memória da nossa televisão: vamos fazer um exercício que não queríamos fazer. Tenho pena que a comunicação social, assim como eu alertei os sportinguistas, esteja a contribuir para atos de terrorismo. Sempre disse aos sportinguistas que se não os tivesse comigo, me matavam. Neste momento, perante o ataque mais vil, pessoal, indigno que me estão a fazer, não vejo onde estão as pessoa que sabiam da capacidade de manipulação da comunicação social e estão a deixar morrer aquele presidente que daria 24 horas do seu tempo ao clube, dando o corpo às balas e denunciado as coisas más do desporto. Aquela AG foi importantíssima, não foi apego ao poder. Ficámos nas mãos de 25% dos associados e 90 por cento dos sportinguistas disseram que queriam esta forma, este estilo, esta gestão - e que estariam sempre a apoiar esta direção e este Conselho de Administração. A Holdimo é um caso muito curioso... Álvaro Sobrinho era dos homens mais mal falados - e ainda é - por todos os motivos: pelo BESA, pelo congelamento de contas, problemas em vários países..."