Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

Só faltou a chuva na 30ª Baja de Portalegre

O calor foi muito acima do normal na época e a chuva desta semana não chegou para amaciar o terreno. Daí a dureza desta edição da mais famosa corrida TT de Portugal

Rui Cardoso

Peripécias da corrida

Foto Paulo Maria/ACP

Partilhar

Disputada quase ao segundo e num terreno tornado difícil por a chuva o ter ainda regado pouco, disputou-se, entre 5ª feira e sábado, a 30ª edição da Baja de Portalegre. Foi um quase recorde de inscritos, com 440 pilotos (entre motos, quads, UTV e carros) e luta cerrada pelas primeiras posições.

Nos automóveis, Ricardo Porém, em Mini, que no ano passado fora campeão nacional de TT, fez história ao ser o primeiro piloto a vencer esta corrida três anos consecutivos. História fez também Nuno Matos em Proto Opel Mokka, que aqui se sagrou campeão nacional deste ano e disputou, com João Ramos (Toyota Hi-Lux), o título quase até à última curva.

Nas motos, Luís Oliveira venceu a corrida e António Maio sagrou-se campeão nacional. Roberto Borrego venceu pela quinta vez nos quads e João Silva dominou nos UTV. O campeoníssimo Stephane Peterhansel também correu nesta categoria e, não sendo o seu veículo de eleição, foi apesar de tudo terceiro.

Mas o grande vencedor desta prova lançada pelo Clube Aventura, de José Megre e Pedro Villas-Boas, e em boa hora continuada pelo ACP, foi o público que aqui compareceu aos milhares e que dava, seguramente, para encher vários estádios de futebol.