Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

F1 – GP do Brasil: Vantagem para Lewis Hamilton (Mercedes)

O inglês Lewis Hamilton (Mercedes) levou a melhor sobre o alemão Nico Rosberg (Mercedes), no primeiro “round”, do GP do Brasil

Pedro Roriz

Partilhar

Na hora do tudo ou nada, uma vez que só a vitória lhe permite adiar a decisão do título para a derradeira prova do ano, o inglês esteve imparável e suplantou o seu mais directo opositor por 0,102”, uma diferença significativa numa volta de 4,309 km, percorridos em 1’10”.

O domínio dos “Mercedes boys” voltou a ser impressionante, sendo os únicos a chegarem ao segundo 10” e deixando o terceiro, o finlandês Kimi Raikkonen (Ferrari) a mais de meio segundo.

Contudo a diferença entre o finlandês e o sexto lugar, o australiano Daniel Ricciardo (Red Bull/TAG Heuer) é de 0,136”, nela cabendo o holandês Max Verstappen (Red Bull/TAG Heuer) e o alemão Sebastian Vettel (Ferrari), pelo que a luta pelo derradeiro lugar do pódio deverá ser intensa, uma vez que os “flechas de prata” deverão desaparecer do “horizonte”.

Surpresa foi o sétimo tempo do francês Romain Grosjean (Haas/Ferrari), com o lote dos apurados para a Q3 a completar-se com os Force Índia/Mercedes), do alemão Nico Hulkenberg e do mexicano Sérgio Perez e o McLaren/Honda, do espanhol Fernando Alonso.

Mas o resultado da qualificação pouco poderá significar para a corrida de amanhã, uma vez as previsões apontam para chuva intensa na altura da corrida, o que pode “baralhar” as contas, tanto mais que houve pilotos, como o espanhol Carlos Sainz (Toro Rosso/Ferrari), que se lamentaram do facto de a chuva não ter passado de alguns pingos, pois estão convencidos que com o asfalto molhado os resultados poderiam ser diferentes.

Grelha de partida oficiosa:

1.ª linha: Lewis Hamilton (Mercedes MGP W07/Mercedes), 1’10,736”; Nico Rosberg (Mercedes MGP W07/Mercedes), 1’10,838”; 2.ª linha: Kimi Raikkonen (Ferrari SF16-H/Ferrari), 1’11,404”; Max Verstappen (Red Bull RB12/TAG-Heuer), 1’11,485”; 3.ª linha: Sebastian Vettel (Ferrari SF16-H/Ferrari), 1’11,495”;

Daniel Ricciardo (Red Bull RB12/TAG-Heuer), 1’11,540”; 4.ª linha: Romain Grosjean (Haas VF16-Ferrari), 1’11,937”; Nico Hulkenberg (Force India VJM09/Mercedes), 1’12,104”; 5.ª linha: Sergio Perez (Force India VJM09/Mercedes), 1’12,165”; Fernando Alonso (McLaren MP4-31/Honda), 1’12,266”; 6.ª linha: Valtteri Bottas (Williams FW38/Mercedes), 1’12,420”; Esteban Gutierrez (Haas VF-16/Ferrari), 1’12,431”; 7.ª linha: Felipe Massa (Williams FW38/Mercedes), 1’12,521”; Daniil Kvyat (Toro Rosso STR11/Ferrari), 1’12,726”; 8.ª linha: Carlos Sainz (Toro Rosso STR11/Ferrari), 1.12,920”; Jolyon Palmer (Renault RS16/Renault), 1’13,218”; 9.ª linha: Jenson Button (McLaren MP4-31/Honda), 1’13,276”; Kevin Magnussen (Renault RS16/Renault), 1’13,410”; 10.ª linha: Pascal Wehrlein (Manor MRT05/Mercedes), 1’13,427”; Esteban Ocon (Manor MRT05/Mercedes), 1’13,432”; 11.ª linha: Marcus Ericsson (Sauber C35/Ferrari), 1’13,623”; Felipe Nasr (Sauber C35/Ferrari), 1’13,681”

As contas do título

Uma vez mais, o GP do Brasil pode decidir, de vez, o título mundial.

À partida o alemão Nico Rosberg tem tudo a seu favor para ser o segundo filho, o primeiro foi Damon Hill (1996), a repetir o feito do pai (Graham Hill – 1962 e Keke Rosberg – 1982), com a particularidade de, se isso acontecer, em ambos os casos se verificar 34 anos depois do ceptro ter sido ganho pelo progenitor.

Para suceder ao seu colega de equipa na lista dos campeões vejamos as circunstâncias que permitirão ao alemão fazer a festa em São Paulo:

Vencer, situação em que não interessa o lugar em que termina Lewis Hamilton ou se este desistir; ser 2.º se Hamilton for 4.º; ser 3.º se Hamilton for 6.º; ser 4.º se Hamilton for 8.º; ser 5.º se Hamilton for 9.º; ser 6.º se Hamilton for 10.º.

A “dança das cadeiras”

Com o aproximar do final da temporada, começam as movimentações dos pilotos em busca dos lugares, ainda, vagos.

E se Mercedes, Ferrari e Red Bull vão dispôr em 2017 das mesmas duplas de pilotos, já o mesmo nas restantes, com o canadiano Lance Stroll a render o brasileiro Felipe Massa na Williams, onde permanece o finlandês Valtteri Bottas, e o holandês Stoffel Vandoorne a secundar o espanhol Fernando Alonso, na McLaren, face à saída do inglês Jenson Button.

A Renault, que não conseguiu assegurar os serviços do espanhol Carlos Sainz, que permanece na Toro Rosso, vai contar com o alemão Nico Hulkenberg, vindo da Force Índia, e anunciou a continuidade do inglês Jolyon Palmer, enquanto o dinamarquês Kevin Magnussen, de saída da marca francesa, vai para a Hass substituir o mexicano Esteban Gutierrez.e juntar-se ao francês Romain Grosjean, que continua na equipa norte-americana.

Por sua vez, a Force Índia assegurou os serviços do francês Esteban Ocon, que a meio do ano rendeu o indonésio Rio Haryanto, na Manor, que secundará o mexicano Sérgio Perez, que continua na equipa dirigida por Vijay Mallya.

Aos poucos vão ficando definidos os participantes no “Mundial” de 2017, com a Manor a ser a única que ainda não divulgou a dupla de pilotos que vai utilizar no próximo ano.

Classificações dos Mundiais, antes da prova brasileira:

PILOTOS – 1.º, Nico Rosberg, 349 pontos; 2.º, Lewis Hamilton, 320; 3.º, Daniel Ricciardo, 239; 4.º, Sebastian Vettel 192; 5.º, Kimi Raikkonen, 178; 6.º, Max Verstappen, 175; 7.º, Sergio Perez, 85; 8.º, Valtteri Bottas, 85; 9.º, Nico Hulkenberg, 60; 10.º, Fernando Alonso, 52; 11.º, Felipe Massa, 51; 12.º, Carlos Sainz, 38; 13.º, Romain Grosjean, 29; 14.º, Daniil Kvyat, 25; 15.º, Jenson Button, 21, 16.º, Kevin Magnussen, 7; 17.º, Stoffel Vandoorne, Pascal Wehrlein, Jolyon Palmer, 1

CONSTRUTORES – 1.º, Mercedes AMG Petronas F1 Team, 679 pontos; 2.º, Infiniti Red Bull Racing, 422; 3.º, Scuderia Ferrari, 370; 4.º, Sahara Force Índia F1 Team, 145; 5.º, Williams Martini Racing, 136; 6.º, McLaren/Honda, 74; 7.º, Scuderia Toro Rosso, 55; 7; 8.º, Haas F1 Team, 29; 9.º, Renault Sport F1 Team, 8; 10.º, Manor Racing MRT, 1.