Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

GP do Brasil: a corrida do pára/arranca

As condições atmosféricas, que levaram a quatro partidas atrás do “safety car”, marcaram o GP do Brasil de Fórmula 1 ganho pelo inglês Lewis Hamilton (Mercedes)

Pedro Roriz

O inglês Lewis Hamilton

MATTHEW CHILDS / EPA

Partilhar

A chuva que caiu sobre São Paulo levou a que o GP do Brasil tivesse começado com os carros atrás do “safety car”, que sairam da pista na oitava volta, para depois regressarem à pista seis voltas depois, como consequência do despiste do sueco Marcus Ericsson (Sauber/Ferrari), que deixou o carro na entrada da via das “boxes”.

A corrida recomeçaria à 20.ª volta, mas seria interrompida de imediato, porque o finlandês Kimi Raikkonen (Ferrari) bateu na recta da meta, com o recomeço a voltar a acontecer atrás do “safety car”.

A última neutralização aconteceu na 46.ª volta, quando o brasileiro Felipe Massa (Williams/Mercedes) bateu, tal como o sueco, na entrada da via das “boxes”, o que motivou momentos de enorme emoção, com o piloto, que fez a última corrida no seu país, a ser aplaudido pelo público e pelas restantes equipas, quando caminhou pelas “boxes”, e a não esconder as lágrimas.

O “safety car” saiu da pista na 55.ª volta com as últimas 16 voltas a decorrerem sem incidentes.

Indiferente ao que se passou na pista e às condições atmosféricas, o inglês Lewis Hamilton fez uma corrida impecável e soube, sempre, gerir as circunstâncias, garantido o 51.º triunfo da sua carreira, o que lhe permite igualar o número de vitórias do francês Alain Prost.

Sem correr riscos, o alemão Nico Rosberg (Mercedes) garantiu o segundo lugar, deu à Mercedes, a quarta “dobradinha” e vai para o Abu Dhabi sabendo que lhe basta um terceiro lugar, o que não parece muito difícil para quem tripula um Mercedes, para suceder ao inglês na lista dos campeões do mundo.

Com uma recuperação notável, no final da corrida, depois de ter ido trocar de pneus, o holandês Max Verstappen (Red Bull/TAG Heuer) completou o pódio, à frente do mexicano Sérgio Perez (Force Índia/Mercedes) e do alemão Sebastian Vettel (Ferrari), que protagonizaram, com o holandês, alguns dos momentos mais “quentes”, na fase final da corrida.

De assinalar o nono lugar do brasileiro Felipe Nasr (Sauber/Ferrari) que marcou os primeiros pontos da temporada e colocou a Sauber à frente da Manor, no “Mundial” de Construtores, o que pode significar uma maior soma do dinheiro que no final da temporada será distribuído pelas equipas, em função da classificação no campeonato.

Classificação – 1.º, Lewis Hamilton (Mercedes MGP W07/Mercedes), 71 voltas (305,909 km km), em 3.01’01,335” (101,393 km/h); 2.º, Nico Rosberg (Mercedes MGP W07/Mercedes), a 11,455”; 3.º, Max Verstappen (Red Bull RB12/TAG-Heuer), a 21,481”; 4.º, Sergio Perez (Force India VJM09/Mercedes), a 25,346”; 5.º, Sebastian Vettel (Ferrari SF16-H/Ferrrari), a 26,334”; 6.º, Carlos Sainz (Toro Rosso STR11/Ferrari), a 29,160; 7.º, Nico Hulkenberg (Force Índia VJM09/Mercedes), a 29,827”; 8.º, Daniel Ricciardo (Red Bull RB12/TAG-Heuer), a 30,486”; 9.º, Felipe Nasr (Sauber C35/Ferrari), a 42,620”; 10.º, Fernando Alonso (McLaren MP4-31/Honda), a 44,432; 11.º, Valtteri Bottas (Williams FW38/Mercedes), a 45,292”; 12.º, Esteban Ocon (Manor MRT05/Mercedes), a 45,809”; 13.º, Daniil Kvyat (Toro Rosso STR11/Ferrari), a 51,192”; 14.º, Kevin Magnussen (Renaulr RS16/Renault), a 51,555”; 15.º, Pascal Wehrlain (Manor MRT05/Mercedes), a 1’00,498”; 16.º, Jenson Button (McLaren MP4-31/Honda), a 1’21,994”

Classificações dos Mundiais, depois da prova brasileira:

PILOTOS – 1.º, Nico Rosberg, 367 pontos; 2.º, Lewis Hamilton, 355; 3.º, Daniel Ricciardo, 246; 4.º, Sebastian Vettel 197; 5.º, Max Verstappen, 192; 6.º, Kimi Raikkonen, 178; 7.º, Sergio Perez, 97; 8.º, Valtteri Bottas, 85; 9.º, Nico Hulkenberg, 66; 10.º, Fernando Alonso, 53; 11.º, Felipe Massa, 51; 12.º, Carlos Sainz, 46; 13.º, Romain Grosjean, 29; 14.º, Daniil Kvyat, 25; 15.º, Jenson Button, 21, 16.º, Kevin Magnussen, 7; 17.º, Felipe Nasr, 2; 18.º, Stoffel Vandoorne, Pascal Wehrlein, Jolyon Palmer, 1

CONSTRUTORES – 1.º, Mercedes AMG Petronas F1 Team, 722 pontos; 2.º, Infiniti Red Bull Racing, 446; 3.º, Scuderia Ferrari, 375; 4.º, Sahara Force Índia F1 Team, 163; 5.º, Williams Martini Racing, 136; 6.º, McLaren/Honda, 75; 7.º, Scuderia Toro Rosso, 63; 7; 8.º, Haas F1 Team, 29; 9.º, Renault Sport F1 Team, 8; 10.º, Sauber/Ferrari, 2; 11.º, Manor Racing MRT, 1.

Próxima prova – GP do Abu Dhabi, no Circuito Yas Marina, dia 27 de Novembro