Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

Rali de Monte Carlo: Sébastien Ogier com a vitória na mão

No futebol diz-se que “são 11 de cada lado e ganha a Alemanha”, máxima que pode ser convertida para os ralis que “são uma prova de estrada e ganha o Ogier”

Pedro Roriz

Partilhar

O francês tem tudo a seu favor para dar à Ford a 79.ª vitória mundial e começar da melhor maneira a sua acção na equipa dirigida por Malcolm Wilson, cuja última vitória data do Rali de Inglaterra de 2 012.

O belga Thierry Neuville (Hyundai i20 Coupe WRC), que tinha terminado o dia de ontem na primeira posição, continuou, ao longo do dia de hoje, a cimentar a posição de comandante da prova e à entrada da última e derradeira classificativa do dia tinha 51,0” de avanço sobre Sébastien Ogier (Ford Fiesta WRC)

Só que na última especial do dia, o belga não evitou uma saída de estrada, que danificou a suspensão traseira esquerda, mas conseguiu “arrastar-se” até o final da prova de classificação, perdeu mais de meia-hora para os homens da frente e caiu para 16.º.

Como consequência do erro da Thierry Neuville, Sébastien Ogier vai partir, amanhã, para as derradeiras quatro especiais do rali com 47,1” de avanço sobre o estónio Ott Tanak (Ford Fiesta WRC), margem que deve garantir-lhe a 39.ª vitória no “Mundial” e dar à Ford a “dobradinha”, que não alcança desde o Vodafone/Ralide Portugal de 2 012, quando o norueguês Mads Osterg e o russo Evgeny Novikov obtiveram os dois primeiros lugares, depois da desclassificação do Citroen de Mikko Hirvonen, que tinha sido o mais rápido na

O francês tem tudo a seu favor para dar à Ford a 79.ª vitória mundial e começar da melhor maneira a sua acção na equipa dirigida por Malcolm Wilson, cuja última vitória data do Rali de Inglaterra de 2 012.

O belga Thierry Neuville (Hyundai i20 Coupe WRC), que tinha terminado o dia de ontem na primeira posição, continuou, ao longo do dia de hoje, a cimentar a posição de comandante da prova e à entrada da última e derradeira classificativa do dia tinha 51,0” de avanço sobre Sébastien Ogier (Ford Fiesta WRC)

Só que na última especial do dia, o belga não evitou uma saída de estrada, que danificou a suspensão traseira esquerda, mas conseguiu “arrastar-se” até o final da prova de classificação, perdeu mais de meia-hora para os homens da frente e caiu para 16.º.

Como consequência do erro da Thierry Neuville, Sébastien Ogier vai partir, amanhã, para as derradeiras quatro especiais do rali com 47,1” de avanço sobre o estónio Ott Tanak (Ford Fiesta WRC), margem que deve garantir-lhe a 39.ª vitória no “Mundial” e dar à Ford a “dobradinha”, que não alcança desde o Vodafone/Ralide Portugal de 2 012, quando o norueguês Mads Osterg e o russo Evgeny Novikov obtiveram os dois primeiros lugares, depois da desclassificação do Citroen de Mikko Hirvonen, que tinha sido o mais rápido na

O francês tem tudo a seu favor para dar à Ford a 79.ª vitória mundial e começar da melhor maneira a sua acção na equipa dirigida por Malcolm Wilson, cuja última vitória data do Rali de Inglaterra de 2 012.

O belga Thierry Neuville (Hyundai i20 Coupe WRC), que tinha terminado o dia de ontem na primeira posição, continuou, ao longo do dia de hoje, a cimentar a posição de comandante da prova e à entrada da última e derradeira classificativa do dia tinha 51,0” de avanço sobre Sébastien Ogier (Ford Fiesta WRC)

Só que na última especial do dia, o belga não evitou uma saída de estrada, que danificou a suspensão traseira esquerda, mas conseguiu “arrastar-se” até o final da prova de classificação, perdeu mais de meia-hora para os homens da frente e caiu para 16.º.

Como consequência do erro da Thierry Neuville, Sébastien Ogier vai partir, amanhã, para as derradeiras quatro especiais do rali com 47,1” de avanço sobre o estónio Ott Tanak (Ford Fiesta WRC), margem que deve garantir-lhe a 39.ª vitória no “Mundial” e dar à Ford a “dobradinha”, que não alcança desde o Vodafone/Ralide Portugal de 2 012, quando o norueguês Mads Osterg e o russo Evgeny Novikov obtiveram os dois primeiros lugares, depois da desclassificação do Citroen de Mikko Hirvonen, que tinha sido o mais rápido na estrada.

É que Ott Tanak tem um avanço de 1’33,5” sobre o finlandês Jari-Matti Latvala (Toyota Yaris WRC), que está a caminho de alcançar o pódio, no regresso da marca japonesa ao WRC.

O norueguês Andreas Mikkelsen (Skoda Fabia R5) continua a dominar de forma clara entre os WRC2 e com 3’19,2” de vantagem sobre o checo Jan Kopecky (Skoda Fabia R5) só um imponderável em que o automobilismo é fértil é que lhe pode roubar o triunfo.

Classificação geral no final da 3.ª etapa

1.º, Sébastien Ogier/Julien Ingrassia (Ford Fiesta WRC), 3.26’10,7”; 2.º, Ott Tanak/Martin Jarveoja (Ford Fiesta WRC), a 47,1”; 3.º, Jari-Matti Latvala/Mikka Antilla (Toyota Yaris WRC), a 2’20,6”; 4.º, Craig Breen/Scott Martin (Citroen DS3 WRC), a 3’47,3”; 5.º, Dani Sordo/Marc Marti (Hyundia i20 Coupe WRC), a 4’03,2”; 6.º, Elfyn Evans/Daniel Barritt (Ford Fiesta), a 9.15,2” (1.º RC2); 8.º, Jan Kopecky/Pavel Dresler (Skoda Fabia R5), a 12’34,4”; 9.º, Bryan Bouffier/Denis Giraudet (Ford Fiesta R5), a 14’41,9”; 10.º, Pontus Tidemand/Jonas Andersson (Skoda Fabia R5), a 14’59,3”.

A etapa de amanhã

O Rali de Monte Carlo termina amanhã com a “manhã do Turini”, que substitui a mítica e histórica “noite do Turini”, que tantas vezes “virou” o resultado da prova.

A transmissão directa da “Power Stage” implica que as especiais tenham lugar de manhã, com os concorrentes a terem de enfretar uma dupla passagem pelas classificativas de Luceram – Col Saint Roch (5,5 km) e La Bollène – Vésubie – Peira Cava (21,36 km), esta a versão do Col de Turini introduzida o ano passado e a funcionar como “Power Stage”.