Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

Rali do México: Kris Meeke venceu com um “susto”

O inglês da Citroen esteve a controlar o andamento mas na fase final do derradeiro troço, quando tinha a vitória na mão, não evitou uma saída da estrada. Teve a sorte de não acertar em nada, conseguiu regressar ao traçado e acabou por garantir o triunfo

Pedro Roriz

D.R

Partilhar

O inglês Kris Meeke (Citroen C3) venceu o Rali do México, mas quase “ofereceu” o triunfo ao francês Sébastien Ogier (Citroen C3 WRC).

Quando o dia começou o inglês tinha 30,9” de avanço sobre o francês, avanço que aumentou para 37,2”, após os 32,96 km, onde Kris Meeke foi o mais rápido, o que parecia indicar que tinha tudo a seu favor para alcançar o quarto triunfo no “Mundial”.

Faltavam os 21,94 km da “Power Stage” e o inglês esteve a controlar o andamento, mas já na fase final da especial quando tinha a vitória na mão, não evitou uma saída da estrada, mas teve a sorte de não acertar em nada, o que esteve quase a acontecer, conseguiu regressar ao traçado e acabou por garantir o triunfo por 13,8”.

Foi um alívio para os homens da Citroen, que alcançaram a primeira vitória com o C3 WRC, a 94.ª no “Mundial”, o que faz com que três marcas (Ford em Monte Carlo, Toyota na Suécia e Citroen no México) tenham vencido as três primeiras provas do ano, o que deixa antever um campeonato mais emotivo do que os dos últimos anos.

Só falta, agora, o triunfo da Hyundai, que, por duas vezes (Monte Carlo e Suécia), teve a vitória nas mãos, mas viu o belga Thierry Neuville cometer erros que o levaram a perder uma vitória que parecia certa, numa confirmação que “para ganhar, primeiro é preciso chegar”.

O belga Thierry Neuville (Hyundai i30 Coupé WRC) completou o pódio e foi o mais rápido na “Power Stage”, enquanto Pontus Tidemand (Skoda Fabia R5) acabou por ter uma vitória mais fácil do que o esperado entre os RC2, porque, tendo partido as derradeiras especiais com 2,0” de avanço sobre o francês Eric Camilli (Ford Fiesta R5), aumentou essa vantagem para 42,7”, depois de ter dominado o seu adversário nas classificativas que encerraram a prova mexicana.

Classificação final

1.º, Kris Meeke/Paul Nagle (Citroen C3 WRC), 3.22’04,6”; 2.º, Sébastien Ogier/Julien Ingrassia (Ford Fiesta WRC), a 13,8”; 3.º, Thierry Neuville/Nicolas Gilsoul (Hyundai i20 Coupé WRC); a 59,7”; 4.º, Ott Tanak/Raigo Molder (Ford Fiesta WRC), a 2’18,3”; 5.º, Hayden Paddon/John Kennard (Hyundai i20 Coupé WRC), a 3’32,9”; 6.º, Jari-Matti Latvala/Mikka Antilla (Toyota Yaris WRC), a 4’40,3”; 7.º, Juho Hanninen/Kaj Lindstrom (Toyota Yaris WRC); a 5’06,2”; 8.º, Dani Sordo/Marc Marti (Hyundai i20 Cooupé WRC), a 5’22,7”; 9.º, Elfyn

Evans/Daniel Barritt (Ford Fiesta WRC), a 8’41,8”; 10.º, Pontus Tidemand/Jonas Andersson Skoda Fabia R5), a 10’51,9” (1.º RC2). Classificaram-se mais 12 equipas

Classificação dos “Mundiais”, depois da prova mexicana:

PILOTOS

1.º, Sébastien Ogier, 66 pontos; 2.º, Jari-Matti Latvala, 58; 3.º, Ott Tanak, 48; 4.º, Dani Sordo, 30; 5.º, Thierry Neuville, 28; 6.º, Kris Meeke, 27; 7.º, Craig Breen, Elfyn Evans, 20; 9.º, Hayden Paddon, 15; 10.º, Stéphane Lefebvre, Juho Hanninen, 9; 12.º, Andreas Mikkelsen, 6; 13.º, Jan Kopecky, 4; 14.º, Pontus Tidemand, 3; 15.º, Bryan Bouffier, Teemu Suninen, 1

MARCAS

1.º, M-Sport World Rally Team, 103 pontos; 2.º, Toyota Gazoo Racing World Rally Team, Hyundai Motorsport, 65; 4.º, Citroen Total Abu Dhabi World Rally Team, 55

Próxima prova – Che Guevara Energy Drink Tour de Corse, na Córsega, de 6 a 9 de Abril