Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

Ni Amorim candidata-se à presidência da FPAK

Antigo vice-presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting apresentou a lista com que vai concorrer à presidência da entidade federativa, onde terá como opositor o atual detentor do cargo Manuel Mello Breyner

Pedro Roriz e Lusa

DR

Partilhar

Foi em Lisboa, esta segunda-feira, depois de ter apresentado no Porto o seu programa aos clubes, que Ni Amorim deu a conhecer o elenco com que se candidata à direcção da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting. O antigo piloto não escondeu sentir "um enorme orgulho pelo facto de ter conseguido reunir uma equipa homogénea, cujos elementos têm as melhores competências tanta na área desportiva, como na de gestão e finanças, jurídica e de comunicação".

Afastado das pistas há alguns anos, e depois de ter já ter sido vice-presidente da entidade federativa, Ni Amorim tenta agora assumir a responsabilidade máxima pelo desporto motorizado de quatro rodas. Na sua apresentação disse que os clubes têm recebido "muito bem a nossa mensagem, em termos de programa de ação", e acredita que os associados "ao analisarem os nomes da lista poderão confirmar a força e credibilidade do nosso projeto, para o começo de um novo ciclo na governação da Federação",

"Concretizei um objetivo com a apresentação desta lista, hoje. A minha ideia e o meu objetivo é que a direção seja absolutamente conivente e que as decisões sejam tomadas juntamente com o presidente", salientou, acrescentando: "Vou pretender também rever os estatutos e irei fazê-lo numa altura que possa reunir os clubes e os todos os associados para discutirmos."

À margem da apresentação da sua lista, o antigo piloto referiu que o seu programa é "antieleitoralista" e frisou que "as pessoas estão fartas de promessas". "O nosso programa, absolutamente antieleitoralista, é realista. As pessoas querem coisas que tenham a ver a realidade, estão fartas de promessas. No prazo de um mandato podemos fazer muito pelo automobilismo nacional", argumentou.

O candidato deixou ainda um recado aos associados e aos clubes, apelando também ao voto: "As pessoas têm que ser ouvidas sempre e não a três meses das eleições. Isso é um compromisso que tenho na minha candidatura e vou fazê-lo até ao ultimo dia, basta ter condições e ter condições é ter a maioria dos votos."

Na direção da FPAK, Ni Amorim surge acompanhado por Álvaro Portela e Fernando Campos Ferreira (vice-presidentes), Camilo Figueiredo, Francisco Fidalgo, Francisco Mora, João Ferreira, João Rito, Pedro Calado e Rúben Macedo (vogais).

Presidem aos restantes órgãos sociais Amorim Pereira (Assembleia Geral), Claudino Romeiro (Conselho de Comissários), Tiago Rodrigues Bastos (Conselho de Disciplina), Rui Moura (Tribunal de Apelação) e João Monarca Pires & Associados, SROC, Ldª (Conselho Fiscal).

As eleições da FPAK estão marcadas para 11 de Maio.