Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

Rali da Argentina: um quarteto à procura da segunda vitória

É com expectativa que se aguarda o desenrolar da prova argentina, para ver se Sébastien Ogier, Jari-Matti Latvala, Kris Meeke ou Thierry Neuville conseguem alcançar o primeiro bis da época

Pedro Roriz

Thierry Neville ganhou na Córsega

PASCAL POCHARD CASABIANCA / AFP / Getty Images

Partilhar

Após o asfalto da Córsega, o WRC (Campeonato do Mundo de Ralis) está de regresso ao outro lado do Atlântico, desta vez, para as estradas de terra da Argentina, onde será decidida a quinta prova da temporada.

Com quatro vencedores diferentes (Sébastien Ogier – Monte Carlo, Jari-Matti Latvala – Suécia, Kris Meeke – México e Thierry Neuville – Córsega) nas etapas anteriores, o que dá conta de um equilíbrio que não foi visível nos últimos anos Mundiais, onde, primeiro a Citroen e depois a VW dominaram de forma avassaladora, é com expectativa que se aguarda o desenrolar da prova argentina para ver se algum destes pilotos consegue alcançar o primeiro bis da época.

É que para ajudar à festa, também as quatro marcas envolvidas (Ford, Toyota, Citroen e Hyundai) contabilizam cada uma delas um triunfo.

À partida, este é o quarteto de principais candidatos à vitória, com o finlandês Jari-Matti Latvala (Toyota Yaris WRC) e o inglês Kris Meeke (Citroen DS3 WRC) a quererem repetir os êxitos de 2014 e 2015, respetivamente, numa das raras provas onde o francês Sébastien Ogier e campeão mundial nunca venceu.

Em 2916, a vitória pertenceu ao neo-zelandês Hayden Paddon (Hyundai i20 Coupé WRC), que quererá repetir o sucesso embora enfrente uma concorrência que parece disposta a manter a superioridade patenteada nas provas anteriores.

De assinalar o regresso à estrada do norueguês Mads Osteberg (Ford Fiesta WRC), ausente desde a Suécia, tudo apontando para que, daqui para a frente, o norueguês que ganhou em Portugal em 2012 esteja presente nas restantes provas da temporada, sendo, em algumas delas, acompanhado pelo polaco Martin Prokop.

A estrada

A prova argentina decidir-se-á em 18 provas de classificação, divididas por quatro dias. Centrada em Villa Carlos Paz, arranca na noite desta quinta-feira (madrugada de sexta-feira em Portugal) com uma superespecial (1,75 km) desenhada nas ruas da cidade de Córdoba, que tem um novo traçado, para no dia seguinte os concorrentes enfrentarem uma dupla passagem pelas classificativas de San Agustin – Villa General Belgrano (19,95 km), Amboy – Santa Mónica (20,44 km), Santa Rosa – San Agustin (23,85 km) e Fernet Branca (6,04 km).

No sábado haverá mais cinco troços cronometrados: a dupla passagem por Los Gigantes – Cantera El Condor (38,68 km), a mais extensa, Boca del Arroyo – Bajo del Pungo (20,52 km), antecedida pela prova de classificação de Tanti – Villa Bustos (20,80 km), percorrida em sentido contrário ao do ano passado.

Finalmente, no domingo o rali termina com a dupla passagem por El Condor – Copina (16,32 km), a segunda a funcionar como “power stage”, separada pela especial de Mina Clavero – Giulio Cesare (22,64 km).

Classificação do Mundial de Pilotos antes da prova argentina: 1.º, Sébastien Ogier, 88 pontos; 2.º, Jari-Matti Latvala, 75; 3.º, Thierry Neuville, 54; 4.º, Ott Tanak, 48; 5.º, Dani Sordo, 47; 6.º, Craig Breen, 33; 7.º, Kris Meeke, 27; 8.º, Hayden Paddon, 25; 9.º, Elfyn Evans, 20; 10.º, Andreas Mikkelsen, 12; 11.º, Stéphane Lefebvre, 10; 12.º, Juho Hanninen, 9; 13.º, Teemu Suninen, 5; 14.º, Jan Kopecky, 4; 15.º, Pontus Tidemand, 3; 16.º, Stéphane Sarrazin, 2; 17.º, Bryan Bouffier, Yohan Rossel, 1.

Partilhar