Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

Troca de comando na FPAK: Ni Amorim é o novo presidente

Três votos apenas provocaram a troca de pilotos ao comando da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting: sai Manuel Mello Breyner e entra Ni Amorim. Dois clubes admitem impugnar o ato eleitoral

Pedro Roriz

DR

Partilhar

O antigo piloto Ni Amorim é o novo presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK), depois de vencer as eleições com 47 votos, contra 44 do anterior presidente, Manuel de Mello Breyner.

Fernando Amorim, mais conhecido por Ni Amorim, será o quinto presidente da história da FPAK, que foi fundada em 1994 – sucedendo à Comissão Desportiva Nacional (CDN) como organismo federativo –, depois de César Torres, Vasconcelos Tavares, Luís Pinto de Freitas e de Manuel de Mello Breyner.

"É tempo de cerrar fileiras e colocar mãos à obra, porque há muito trabalho a fazer. Serei, podem ter a certeza, um presidente da FPAK de todos os associados, incluindo daqueles que não votaram em mim hoje, e conto com a colaboração de todos", disse Ni Amorim, no culminar de um processo eleitoral em que foi muito crítico da presidência de Manuel de Mello Breyner.

Sobre a fratura evidente que resulta deste ato eleitoral, o antigo piloto agora escolhido apela à união: "Embora a votação tenha mostrado essa divisão, a nossa ideia, enquanto direção, é tratarmos todos associados da mesma forma, Compete-nos demonstrar que vamos utilizar a maior equidade no sentido que todos tenham os mesmos direitos. Estou convencido e confiante que vamos fazer um bom trabalho.

Ni Amorim integrou a anterior direção mas garante que daqui para a frente "vai mudar muita coisa: o método de trabalho, a delegação de competências nos membros da direção, que vai passar a existir ao contrário do que sucedia na direção anterior, vai passar a haver uma comissão de marcas e grupos de trabalho para todas as modalidades." Segun o novo presidente, e em resumo, "o modus operandi da federação vai ser muito diferente".

Álvaro Portela, também antigo piloto, será o vice-presidente de Ni Amorim, numa direção que conta também com Camilo Figueiredo, Francisco Armando Reis Fidalgo, Francisco Mora, João Ferreira, João Rito, Pedro Calado e Rúben Gabriel Macedo.

De referir que, lamentavelmente, antes da divulgação dos resultados oficiais, pelo presidente da mesa da Assembleia Geral, os mesmos já estavam disponíveis nalguns sites.

A APCDAK (Associação Portuguesa dos Comissários Desportivos de Automobilismo e Karting) e o Lusitânia Automóvel Clube admitem vir a impugnar a eleição, a primeira por ter sido impedida de votar, o segundo por não ter visto reconhecido, na anterior reunião da Assembleia Geral, o direito de ser sócio da FPAK apesar de ter cumprido todos os requisitos.

Por marcar fica a data de tomada de posse da nova direção, eventualmente condicionada pela confirmação das intenções manifestadas.