Tribuna Expresso

Perfil

Automobilismo

O homem que anda em três rodas

No final de um dia marcado pelo abandono de alguns dos favoritos, a etapa do Rally de Portugal no centro do Porto teve um atrativo especial: um carro com uma roda a menos

Rui Cardoso

Kris Meeke em Caminha

Quality Sport Images

Partilhar

A edição de 1978 do Rali de Portugal ficou na história quando Markku Alen acabou um dos troços de Sintra sem uma das rodas da frente e a rodar de marcha atrás para ter um resquício de direccionalidade. Esta sexta-feira 25 de Maio o piloto da Citroen Kris Meeke fez mais ou menos o mesmo no “Street Stage” disputado entre a Sé, os Aliados e os Clérigos.

Tendo chegado ao Porto com a roda traseira direita desfeita e já sem pneus para trocar, abalançou-se a fazer esta etapa espectáculo, cheia de obstáculos e com a obrigação de fazer pelo menos três piões. E fê-lo não uma mas duas vezes, como o regulamento obrigava, ainda que da traseira do Citroen C3 saíssem alguns barulhos inquietantes. E acredite, caro leitor, que não andou tão devagar como isso…

O público recompensou esta ousadia e esta demonstração de pilotagem com duas enormes e sentidas ovações. Na varanda do nº 236 da Avenida dos Aliados onde me encontrava juntamente com membros do importador nacional da Toyota (que perdeu logo de manhã Ott Tanak e Jari Latvala, os seus pilotos mais rápidos) um dos presentes comentou: “Isto é que é publicidade para a marca. Tanta como se tivesse ganho a corrida…” Publicidade e muito trabalhinho para os mecânicos quando chegar à Exponor, é claro.

A primeira jornada minhota foi marcada por uma sucessão de abandonos que incluíram, para além dos já referidos Tanak e Latvala, o Ford Fiesta de Sebastien Ogier que aqui tentava superar o recorde de cinco vitórias em Portugal pertencente a Markku Alen e o Hyundai do neo-zelandês Hayden Paddon que chegara a liderar a prova.

De resto uma sucessão de acidentes, uns pequenos outros mais aparatosos, acabaria por ditar a anulação da segunda passagem por Ponte de Lima (ao fim da tarde), razão pela qual por volta das nove da noite ainda havia batedores da polícia a trazer concorrentes atrasados para a Av. dos Aliados.

O Rali prossegue sábado com uma maratona de três troços (feitos de manhã e à tarde) que começa em Vieira do Minho, passa em Cabeceiras de Basto e termina em Amarante.