Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Fazem-se coisas maravilhosas com carne de qualidade inferior e outras considerações benfiquistas de Um Azar do Kralj

Vasco Mendonça e Nuno Dias estão felizes: o Benfica ganhou, André Horta marcou e Paulo Lopes não vai jogar nas 33 primeiras jornadas. Motivos suficientes para desenvolverem uma analogia complexa

Vasco Mendonça e Nuno Dias, Um Azar do Kralj

Grimaldo começa a época a titular. Um Azar do Kralj elabora sobre a importância desse facto

NUNO ANDRE FERREIRA / EPA

Partilhar

Júlio César

Ainda festejava a vitória na Supertaça com os filhos quando, antes mesmo do primeiro minuto terminar, é obrigado a responder com a atenção e seriedade que se exige de um indivíduo prestes a completar 37 anos de idade. Não teve um jogo muito exigente, o que foi bom, porque podia ter tido o azar de se lesionar e o Paulo Lopes dispensa jogar nas 33 primeiras jornadas.

Nélson Semedo

Esqueçam aquela lesão da época passada. Nélson Semedo nunca mais foi o mesmo desde que cortou o cabelo. Renato, se nos estiveres a ler, passa o contacto do teu cabeleireiro ao Nélson. Precisamos rapidamente de um lateral direito mais apaixonante e o André Almeida tem o nariz virado ao contrário.

Lindelöf

Ainda não nos habituámos ao facto de ter deixado crescer o cabelo, o que lhe retira alguma daquela aspereza nórdica que tanto gostamos de ver em tipos de alta estatura vulgarmente responsáveis por tirar a merda-da-bola-dali. Perdeu um lance de cabeça aos 50 segundos de jogo e interpretou mal vários outros ao longo dos 90 minutos. Parece continuar afetado pelo recente tweet de uma criança de 11 anos que lhe ameaçou roubar a mulher. Se acham que esse nervosismo é exagerado, escrevam “mulher do Lindelöf” no Google e depois vão ver a foto do tal miúdo. Ficam fofos juntos.

Luisão

A sua anunciada última época no Benfica parece ter tudo para ser semelhante à de Mantorras, mas em vez de golos mancos nos últimos 5 minutos poderemos esperar alguns avançados isolados nas suas costas. Saiu lesionado aos 25 minutos na sequência de um choque com Carrillo e deu lugar ao homem que marcou o golo da vitória. Foi melhor assim. Não deixa de ser o maior, o que nos diz que talvez devêssemos considerar um Período de Descontos à Luisão, apenas para podermos aplaudir a sua entrada em campo.

Grimaldo

Imaginem que passaram os últimos anos a comer bife de alcatra. Nada contra. Fazem-se coisas maravilhosas com carne de qualidade inferior. E quando temos a família inteira à mesa, o mais importante é mesmo o convívio e a aguardente no final. Agora imaginem que, num belo jantar de sábado, passavam a servir-vos bife do lombo. Como encarar o jantar de sábado a partir daí? Toda aquela memória de alcatra bem passada a ser furiosamente mastigada, e agora só queremos saborear cada garfada de carne quase crua… Enfim. A melhor, e simultaneamente a pior parte desta metáfora, é que o bife do lombo se paga caro mas o Grimaldo veio a custo zero. Pior ainda: passou os últimos 6 meses a marinar, portanto é carne maturada. Se continua a jogar assim nunca mais vamos querer alcatra, nem rodízio do Chimarrão, nem, chega de analogias parvas, a titularidade de Eliseu. O mister que resolva, que tem ar de ser bom garfo.

Fejsa

O bom senso do costume, tanto quanto é possível num sérvio que parece sempre ter mais 20 centímetros de pernas do que os adversários. A sua exibição, a um só tempo discreta e essencial, foi a forma que ele encontrou de nos dizer que, se por acaso não vencer o décimo título nacional consecutivo da sua carreira, dificilmente lhe poderemos atribuir as culpas. A nível de penteados, mantém estoicamente o seu man bun, imune ao que revistas de moda nos dizem desde pelo menos 2014.

André Horta

NUNO ANDRÉ FERREIRA / LUSA

€45 milhões? Esqueçam. 60. 80, vá. Depois de Renato Sanches, o regresso à atmosfera terrestre dos benquistas está a ser muito menos depressivo do que se antecipara. Aliás, qual atmosfera terrestre? Não me incomodem que cá em cima é que se está bem. O grande responsável é André Horta, um fanático jogador-adepto benfiquista que parece fazer sempre aquilo que o adepto deseja, desde jogar com as meias a cobrir apenas dois terços da canela até ao seu futebol habilidoso-mas-sem-inventar-demasiado (algo que sempre se perdoou a Renato mas pronto, às vezes chateava), um futebol que em poucas semanas se tornou importantíssimo para esta equipa. A todos os fanáticos que dizem coisas como “até eu fazia melhor"” ou “olha aquele gajo solto!", André Horta demonstra que é de facto possível um adepto pisar o relvado e fazer melhor do que muitos que por lá andam. Podíamos ter passado este parágrafo a falar do golo genial que marcou, mas foi apenas o normal desenrolar das instituições, neste caso a nação benfiquista a carburar em Tondela. Pensando melhor: 100 milhões, no mínimo. E o número da mulher do Lindelöf. Aguentem-se.

Pizzi

Esteve em quase todos os lances dignos de um candidato ao tetracampeonato, nomeadamente num cruzamento tele-fucking-guiado que resultou no golo de Lisandro. Mais um jogo em que voltou a demonstrar que merecia ter estado na final em Paris. Tenham calma, os outros que lá estavam são tão bons ou melhores do que ele. Mas já é altura de dizer que Pizzi, independentemente de todas as dúvidas que possa já ter suscitado, ou da posição em que joga no meio-campo, independentemente até da aparição ou não do seu órgão reprodutor numa foto de um colega de equipa publicada nas redes sociais, se trata de um jogador do cara#$%. #pissi

Cervi

Por enquanto ainda é um pouco como se anunciassem os Nickelback para substituir Brian Wilson a tocar o Pet Sounds. Ao contrário do que se diz, Cervi não está a competir com a memória de Gaitán. Não digam disparates. Cervi compete com a primeira época de Di Maria, que parecia um puto estúpido que ninguém voltaria a convidar para uma futebolada, pelo menos até transplante cerebral algures entre a segunda e a terceira época na Luz. Para começar, Cervi parece já ter percebido que no futebol europeu é necessário um gajo mostrar que se preocupa minimamente com o mundo que o rodeia, mesmo que não tenha a bola nos pés. Parece pouco, mas para já é o suficiente para afastar a hipótese de transplante.

Gonçalo Guedes

O seu futebol continua naquele limbo entre o Nélson Oliveira e alguém que o Benfica se arrependeu de vender ao Mónaco. Tivemos todos saudades do tempo em que se viu remetido à condição de suplente crónico por um miúdo da Musgueira, entre outros. Para se perceber o quanto o miúdo consegue irritar algumas pessoas, houve gente aqui no café em Vila Nova de Paiva que pediu a entrada do Carcela. De vez em quando começa a correr desalmadamente e cava umas faltas. Outras vezes aparece em zonas do terreno onde não é necessário, a tentar emendar os erros que cometeu na tarefa anterior. Outras tantas parece denotar intenção de salvar a carreira, como numa belíssima rotação seguida de remate aos 49 minutos. Aquela psicóloga do Éder deve estar cheia de trabalho, mas era de falar com ela.

Mitroglou

Mitroglou é o mexilhão do “futebol apoiado”: pagam-lhe para ficar lá na frente, boa parte do tempo de costas para a baliza, a ver uma data de miúdos tentarem construir jogo e passar-lhe uma bola em condições. 9 em cada 10 vezes, ele tem que voltar a passar a bola a um desses miúdos, que 99 em cada 100 não a conseguiram devolver ao grego em condições. Isto lá para outubro até poderá vir a ser uma atividade gratificante, mas terá de continuar a sofrer que nem um steward virado de costas para o relvado em dia de inferno.

Lisandro

Assim que entrou em campo aparentou estar em pior momento de forma que Luisão, num lance em que quase vê Crislan marcar. Pouco depois marca o primeiro golo do jogo e consegue o desconto de que precisava para alguns erros que foi começando nos restantes 61 minutos. Às vezes, quando o vemos de lado com a barba por fazer, faz lembrar Garay, só que não é bem. A dupla que formou e formará com Lindelöf nas próximas semanas está longe de ser desastrosa, mas tudo indica que teremos mais algumas arritmias até a coisa ir ao sítio.

Samaris

É um jogador com níveis de competência acima da média a quem se pedia que ajudasse a segurar a magra vantagem, e assim fez. Acima de tudo, é o único futebolista estrangeiro a atuar em Portugal que nos faz distrair do jogo e acabar a questionar como é possível que um grego fale tão bem português. Imaginem isto num café em Vila Nova de Paiva cheio de filhos de emigrantes em França.

Salvio

Passou cinco minutos em campo e deve ter transpirado o suficiente para publicar uma foto todo contente no Instagram. Melhor ainda, não se lesionou. Bom miúdo, apesar de já não ir para novo.

Um Azar do Kralj é uma página humorística no Facebook criada por Vasco Mendonça e Nuno Dias

Partilhar