Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Benfica condena cânticos “inqualificáveis” sobre very light (e recorda insultos a Eusébio)

Benfica repudiou "de forma veemente" o cântico a relembrar o very light que matou um adepto do Sporting durante a final da Taça de Portugal, em 1996. E aproveitou para relembrar um outro cântico dos rivais

Expresso

Partilhar

Sábado à noite, no pavilhão da Luz, houve Benfica-Sporting em andebol (que acabou com um 29-29) - e houve também mais um episódio de um cântico reprovável de uma claque.

Desta vez foi a claque do Benfica, que entoou um cântico a relembrar o very light que matou um adepto do Sporting durante a final da Taça de Portugal em futebol, no Jamor, em 1996.

Além dos assobios, que tentam imitar o som de um very light, o cântico é audível durante a transmissão do encontro.

Esta segunda-feira, o Benfica divulgou um comunicado no seu site oficial a condenar "de forma veemente sobre os lamentáveis e inqualificáveis cânticos de um grupo de adeptos", qualificando-os de "comportamentos inaceitáveis".

O clube da Luz aproveita também o comunicado para recordar "os insultuosos cânticos à memória de Eusébio que foram feitos pela claque de outro clube", referindo-se ao Sporting.

Leia abaixo o comunicado do Benfica:

"O Sport Lisboa e Benfica tal como de imediato reagiu na noite de sábado, repetimos como de imediato reagiu, repete o repúdio e a condenação de forma veemente sobre os lamentáveis e inqualificáveis cânticos de um grupo de adeptos do nosso Clube.

São comportamentos inaceitáveis, que merecem uma pública condenação, tais como os insultuosos cânticos à memória de Eusébio que foram feitos pela claque de outro clube e que estamos certos nada tem a ver com a instituição Sporting Clube de Portugal.

O Sport Lisboa e Benfica aproveita para testemunhar a sua confiança, de que a exemplo da história comum centenária, o dérbi do próximo fim de semana será mais um momento de festa, convívio e sã rivalidade e competição entre os atletas e adeptos dos dois clubes.

Direção de Comunicação

Lisboa, 17 de abril de 2017"