Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Para Fejsa, um dia normal no escritório. Para o Benfica, um tetra histórico

O Benfica sagrou-se novamente campeão nacional - pela 36ª vez - depois de golear, com nota artística, o Vitória de Guimarães, por 5-0, na Luz

Expresso

Cervi a festejar o primeiro golo do Benfica contra o Vitória de Guimarães

MIGUEL RIOPA/GETTY

Partilhar

Vrbas. Se o leitor não sabe o que isto quer dizer, não se aflija. Dificilmente seria expectável que, em 2017, alguém em Portugal conhecesse o nome de uma pequena cidade sérvia que pouco mais tem para além de 20 mil habitantes.

Mas foi aí mesmo, em Vrbas, que nasceu um tipo, hoje com 28 anos, que, na última década, foi campeão em todos os clubes por onde passou. E isso quer dizer que este internacional sérvio festejou três vezes na Sérvia, com o Partizan, entre 2008/09 e 2010/11; três vezes na Grécia, com o Olympiacos, entre 2011/12 e 2013/14; e, por fim, três vezes em Portugal, com o Benfica, desde 2013/14.

Ou melhor, depois de hoje, quatro vezes em Portugal. Ou seja, em dez épocas, Ljubomir Fejsa foi campeão dez vezes (bom, como foi campeão duas vezes na mesma época - 2013/14 -, talvez seja mas factual dizer nove vezes).

Isto é histórico e, em 113 anos de história do Sport Lisboa e Benfica, dificilmente alguém adivinharia que o nome de uma cidade sérvia estaria relacionado com o inédito tetracampeonato conquistado pelo clube.

Mas, como pediram os adeptos na Luz numa coreografia massiva, o Benfica - com Fejsa como titular - fez mesmo história esta tarde, ao conquistar pela primeira vez um tetra.

E, em grande medida, com o contributo indispensável do 'seis' que foi, hoje e ao longo de toda a época, o esteio do meio-campo de Rui Vitória (que diferença para Samaris...).

Pizzi a festejar o terceiro golo do Benfica com Fejsa

Pizzi a festejar o terceiro golo do Benfica com Fejsa

JOSE MANUEL RIBEIRO/GETTY

O jogo ainda mal tinha começado quando, com o Vitória de Guimarães a sair a jogar e o Benfica a pressionar, Fejsa recuperou a bola e lançou a transição ofensiva imediata para Jonas. O 'dez' dos benfiquistas rematou para a defesa de Douglas, mas, na recarga, Cervi fez o 1-0.

A Luz veio abaixo logo aos 10 minutos, mas o melhor ainda estava para vir, em 45 minutos que foram de sonho para Benfica - provavelmente a melhor 1ª parte da equipa de Rui Vitória esta época.

Sempre por cima, dominando a posse de bola e anulando completamente o Vitória, o Benfica venceu e convenceu, com jogadas de envolvimento pelo corredor central que mostraram toda a qualidade dos homens da frente - especialmente Jonas, sempre disponível para receber entre as linhas adversárias.

Quando o Vitória ainda mal se tinha recomposto do golo, foi na sequência de um momento inesperado que surgiu o 2-0. É que a bola estava no chão para um pontapé de baliza do Benfica, mas Ederson tem um pontapé fortíssimo - e meteu a bola diretamente em Raúl Jiménez, que estava completamente sozinho em frente à área do Vitória - porque nos pontapés de baliza não há fora de jogo.

O avançado mexicano, que já tinha marcado na última jornada contra o Rio Ave (1-0), voltou a marcar e, desta vez, um golo para ver e rever, fazendo um cabrito a Douglas e, depois, marcando de cabeça.

Já com uma vantagem confortável, o Benfica continuou a carregar e Jonas bem podia ter marcado mais cedo, ao falhar na cara de Douglas em duas jogadas praticamente consecutivas.

Mesmo assim, o golo não demorou muito a aparecer. Aos 37', Jonas ofereceu o golo a Pizzi. A jogada começou em - pois claro - Fejsa, que encontrou Pizzi sozinho entre os sectores adversários, e o médio do Benfica combinou com Jonas e apareceu na cara de Douglas para fazer o 3-0.

TIAGO PETINGA

Pouco depois, Jonas finalmente conseguiu marcar - e com um toque de classe. É novamente Fejsa a recuperar a bola e a endereçá-la a Pizzi, com o médio a tocar em Jonas e o avançado a fazer um chapéu perfeito para o 4-0.

Com o Vitória praticamente inexistente na 1ª parte, dificilmente alguém duvidaria que o Benfica que não seria tetracampeão esta tarde. É certo que a 2ª parte foi bem menos intensa do que a 1ª, mas, ainda assim, houve mais um golo: Jonas, a concretizar o penálti cometido por Marega sobre Cervi.

5-0.

O Benfica deixou o melhor para o fim e sagrou-se tetracampeão - com nota artística. Na próxima semana, encerra a Liga 2016/17 no Bessa. E, hoje, os adeptos já cantaram o próximo objetivo: "Benfica, dá-me o 37". Se Fejsa continuar na Luz...