Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Rui Vitória: “Fiz 48 anos e não 18! Li que 17 golos nossos já vieram do banco e quem é que mete os jogadores? Aí já não conta?”

O treinador elevou o tom de voz numa conferência de imprensa em que foram abordadas as suas escolhas no clássico e também a importância de Jonas. “É o futebol que temos”

Expresso

Foto António Cotrim / Lusa

Partilhar

Jonas

“Nem convocado está... Mas... Isto do futebol é fantástico. Quando começámos a alterar o sistema, era o Jonas que não dava para o 4x3x3, porque ele dava para jogar com dois avançados. Agora que ele não joga, é porque ele não joga... . Vamos ver isto de uma forma mais abrangente: não temos uma visão específica sobre um jogador. Quando alterámos o sistema, fizemo-lo com uma visão coletiva. Não estando o Jonas, vai estar outro jogador. omeçaram esta discussão que o Jonas não tinha características para jogar em 4-3-3, agora já tem as características ideais. Mas pronto, é o futebol que temos”

Aquela substituição de Rafa

“Esse jogo está praticamente riscado mas abro uma exceção para falar disso. As substituições valem o que valem. Já valeram em Paços, em Setúbal. Li que 17 golos já vieram do banco. Sou o primeiro a valorizar os jogadores quando entram, mas calma. Quando eles entram são metidos por alguém. Aí já não conta? Há oito dias tivemos essa visão clara, passado uns dias foi o treinador que fez substituições más. A diferença foi que em Alvalade o golo surgiu aos 87 minutos. Antes da derrota tivemos nove vitórias seguidas. Alguém questionou as minhas substituições? Assumo as substituições que fiz no domingo e nas outras partidas para trás. Já vieram 17 golos do banco, alto! Fiz 48 anos e não 18, ando aqui há muito tempo”

O campeonato que falta

“Foram sensações boas em resposta a um resultado que não foi bom. Temos um caminho pela frente e não andámos aos pinotes. Temos consciência do jogo que foi, mas não andámos a tomar calmantes nem em rodinhas. Se ganharmos o campeonato, são cinco vezes seguidas. Se outro ganhar, não ganha há cinco e o outro não ganha há 17. Há-de haver investimentos ruinosos e outros bem sucedidos. É o que vai acontecer.

Tínhamos que ganhar e tínhamos, como temos que ganhar e temos. Isto não acabou. Não é ainda não acabou: é não acabou. Não acabou o campeonato. Temos mais quatro jogos e vamos disputá-los com máxima ambição. Já estivemos mais atrás, já estivemos à frente, agora estamos dois pontos atrás e vamos tentar no final destas quatro jornadas estar à frente."