Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

Calmejane venceu tudo. Até as cãibras

Aos 24 anos, Calmejane conquistou a primeira vitória no primeiro tour, "roubou" a camisola da montanha, foi o melhor entre os jovens do dia e ainda ganhou na combatividade. Uma etapa frenética, que acabou de forma dramática, com as cãibras a quase traírem o jovem francês. Na geral, nada de novo.

FILIPA SILVA

LIONEL BONAVENTURE

Partilhar

Uma daquelas etapas que dão ao Tour a fama que tem. A oitava jornada da Volta a França acabou, este sábado, com um jovem francês de 24 anos de braços no ar a celebrar a sua primeira vitória no Tour depois de ter partido sozinho para a vitória a 18 quilómetros do fim.

Quando já só faltava uma légua para lá chegar e a montanha tinha ficado para trás, Lilian Calmejane foi traído pelo corpo. As cãibras quase o fizeram parar em cima da bicicleta. O holandês Robert Gesink, na perseguição, vinha a 200 metros, mas Calmejane foi buscar forças, voltou ao ritmo e pedalou até à meta sozinho. Gesink (Lotto-Jumbo) só lá chegou 37 segundos depois.

E o dia foi mesmo de Lilian Calmejane, no seu primeiro Tour - ele que já na estreia na Vuelta, no ano passado, também logrou sair de lá com uma vitória de etapa. No Jura, além da etapa, o jovem da Direct Energy ainda “roubou” a camisola da montanha a Fábio Aru e arrematou o prémio da combatividade. É, aliás, a segunda etapa em que conquista o título do mais agressivo.

A etapa foi frenética desde a partida em Dole, com fugas sucessivas. Calmejane andou quase sempre por lá. O pelotão, ou que foi sobrando dele, foi respondendo e pondo cobro às tentativas.

A 35 quilómetros da chegada, Calmejane juntou-se ao grupo da frente que integrava oito ciclistas. No ataque a subida de primeira categoria do dia, instalada no Monté de la Combe de Laisia les Molunes, Nicolas Roche (BMC) e Serge Pauwels (Team Dimension) descolaram. Mas Gesink e Calmejane haviam de se juntar à cabeça da corrida muito rapidamente e a 18 quilómetros da meta, o francês saiu para ganhar a etapa.

Na geral, não houve mexidas no topo. Os favoritos andaram sempre juntos, a controlar a distância para os homens da frente - alguns chegaram a ser virtuais camisola amarela - mas o que está guardado para a etapa de domingo é de tal monta, que o momento não deve ter parecido ideal para arriscar.

Froome (Sky), que teve uma saída de estrada com o companheiro Geraint Thomas, numa descida, cortou de amarelo e de amarelo vai voltar a sair amanhã.

Tiago Machado (Katusha) chegou a Station dês Rousses com 13 minutos de atraso para o primeiro classificado da etapa. Está em 59º da geral com mais 20 minutos do que Chris Froome.

O Jura promete

Este domingo, o Tour prossegue na cordilheira do Jura com uma das etapas-chave da volta. Olhando ao perfil da etapa, semelhante a uma montanha-russa, bem vão precisar os corredores do dia de descanso na segunda-feira.

Entre Nantua e Chambéry (181 Km), os corredores arrancam a subir. Em 11 quilómetros apanham uma segunda e uma terceira categorias. Depois vão encontrar três contagens de categoria especial. A primeira instalada no Col de la Biche, a segunda no mítico Grand Colombier que vai ser atacado por um percurso novo e muito difícil (pendentes de 22%) e o Mont du Chat (8,7Km a 10,3%) a 26 quilómetros da meta. São 4600 metros de altitude acumulada.