Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

Volta a Portugal: A “tropa” segue animada. Mais uma para a Armée de Terre

Equipa patrocinada pelo Exército francês venceu a sua segunda etapa na Volta, esta segunda-feira, em Bragança. Amarela segue no corpo de Raul Alarcon. Terça-feira é dia de chegada à Senhora da Graça.

FILIPA SILVA

Bryan Alaphilippe a festejar na chegada a Bragança.

79ª Volta a Portugal em Bicicleta

Partilhar

Os militares franceses vieram a Portugal mostrar serviço. Esta segunda-feira, a Armée de Terre somou a segunda vitória na Volta. Depois de Damien Gaudin no prólogo, foi a vez do jovem Bryan Alaphilippe ganhar ao sprint na chegada a Bragança, esta segunda-feira, numa vitória que coroou o esforço da equipa francesa nos quilómetros finais para levar um dos seus ao primeiro lugar.

Na classificação geral, Raul Alarcon (W52-FC Porto) mantém a camisola amarela. Com exceção do prólogo, o espanhol ainda não falhou um top ten na classificação das etapas, tendo sido o vencedor em Setúbal.

A jornada de hoje, que saiu de Figueira de Castelo Rodrigo rumo a Bragança, ficou marcada, na primeira metade, por uma fuga de 16 corredores, que incluía nomes relevantes como Domingos Gonçalves (RP-BOA), o terceiro da geral - que ganhou três segundos ao líder por ter sido o primeiro a passar na meta volante de Santa Comba da Vilariça -, e Rui Vinhas (W52-FC Porto). Sem ninguém na fuga, coube à equipa do Sporting-Tavira o maior esforço na perseguição.

Quem aproveitou as andanças pela cabeça da corrida foi João Matias (LA Metalusa) que por ter sido primeiro nas contagens de montanha de Torre de Moncorvo e Vila Nova de Foz Côa, subiu nesta classificação e sai amanhã para a Senhora da Graça com a camisola azul.

Uma boa notícia para a LA que perdeu o chefe-de-fila, Edgar Pinto, mais uma vez por causa de uma queda. O corredor foi ontem hospitalizado, na sequência de uma queda grave à chegada a Castelo Branco, e foi entretanto operado. De acordo com o diretor desportivo, José Augusto Silva, Edgar Pinto, que foi 4º na Volta em 2013 e 5º em 2014, ficou com um grande hematoma na coxa tendo igualmente um problema no tendão de um joelho.

As mazelas das quedas que marcaram o final da etapa de ontem afetaram também Rafael Silva da Efapel que partiu para a etapa 3 da Volta com 17 pontos nas costas e um hematoma no joelho.

De volta à etapa desta segunda-feira, anulada a fuga dos 16, houve outra de seis corredores, da qual acabaram por sobreviver três - Antonio Di Sante (GM), Guy Sagiv (Israel Cycling)

E Mikel Bizkarra (Euskadi), tendo o basco sido o último a “cair” já a escassos quilómetros da meta.

Com o pelotão compacto, a etapa acabou por ser discutida ao sprint. A Efapel tentou levar Daniel Mestre à vitória, mas o português ficou-se pelo terceiro lugar. Krists Neilands (Israel Academy) foi o segundo.

Próxima paragem: Senhora da Graça

Esta terça-feira, a Volta cumpre a sua primeira etapa de montanha com a clássica chegada ao Alto da Senhora da Graça, como grande aperitivo. A caravana parte de Macedo de Cavaleiros e encontra a primeira contagem do dia, de 3ª categoria, no Alto do Populo.

Depois da passagem em Vila Real, onde está a segunda meta volante do dia, o pelotão vai subir ao Alto do Velão (2ª categoria) e desce até Mondim de Basto onde começa a escalar o monte Farinha até ao Alto da Senhora da Graça, onde se encontra a meta e uma contagem de primeira categoria, a primeira desta edição da Volta.

Chega a hora de testar a forma dos principais candidatos à vitória final. Gustavo Veloso, vencedor de duas edições da Volta a Portugal, ganhou ali no ano passado, vitória que não chegou para ficar com a amarela que Rui Vinhas levou até Lisboa - e o vencedor do ano passado está a ter uma Volta atribulada. Além de cair em Castelo Branco, hoje teve um furo. A sorte dos azares é terem ocorrido já dentro dos derradeiros metros das etapas.

Mas Veloso está longe de ser o único favorito à etapa. Dentro da W52-FC Porto, será interessante acompanhar as performances do camisola amarela, Raul Alarcon, e de Amaro Antunes, com qualidade reconhecida na arte de trepar. Alejandro Marque e Ronaldo Nocentini (SPO-TAV), Rui Sousa (RP-BOA), Sérgio Paulinho (Efapel) ou ainda Roman Villalobos (LA Metalusa) são nomes a considerar.