Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

Volta a Espanha: Trentin bisou, Reis foi 10º, Oliveira e Costa afundaram na geral

A Quick-step conquistou esta terça-feira a quarta vitória na Vuelta, pela segunda vez por Matteo Trentin. Vincenzo Nibali tentou aproveitar uma longa descida para ganhar segundos aos adversários, mas foi Nicolas Roche a consegui-lo. Reis foi o melhor português.

FILIPA SILVA

Matteo Trentin conquistou a segunda etapa na Vuelta 2017.

JOSE JORDAN

Partilhar

À quarta etapa tinha entrado no clube dos 100 corredores com vitórias nas três grandes voltas. Esta terça-feira, Matteo Trentin consolidou a estatística ao vencer a décima etapa da Vuelta, que ligou Caravaca de la Cruz a Alhama de Murcia, ao longo de 164,8 quilómetros.

Na chegada a Múrcia, a vitória foi discutida ao sprint com o murciano José Joaquin Rojas, mas as características de finalizador de Trentin deram ao italiano a vantagem suficiente para ganhar. E sem grande esforço.

No final da etapa, Trentin afiançou que a Quick-step vai continuar a trabalhar para igualar o que conseguiu no Giro e no Tour este ano. Cinco vitórias de etapa em cada. Na Vuelta, já soma quatro.

Matteo Trentin assumiu ainda a liderança da camisola verde com a qual correu a etapa mas por “empréstimo” de Froome, que era o primeiro da classificação dos pontos. O italiano subiu ao topo desta tabela, agora com uma vantagem de 23 pontos para o britânico.

Filme da etapa

O pelotão partiu para a estrada debaixo de chuva, mas manteve o ritmo alto ao longo de toda a etapa. Foi preciso chegar ao quilómetro 90 para que uma tentativa de fuga desse resultado.

Sairam do pelotão 18 corredores, entre os quais Matteo Trentin, José Joaquim Rojas (Movistar) - que perseguia uma vitória em “casa” - e o português Rafael Reis (Caja Rural).

Na subida ao Collado Bermejo, uma primeira categoria a 20 quilómetros da meta, a liderança da corrida ficou nas mãos de um quarteto puxado por Trentin e integrado por Rojas, Janse Van Rensburg (Dimension Data) e Jaime Roson (Caja Rural).

Na descida que se seguiu, e que constituia o grande desafio do dia – uma descida muito técnica, longa, de estrada estreita, sinuosa e com piso húmido – Trentin e Rojas descolaram e partiram sozinhos para a meta.

No pelotão, que deixou a fuga chegar aos 5’30 de avanço, o trabalho foi essencialmente da Bahrain-Merida a preparar-se para lançar Vincenzo Nibali na descida, um terreno em que o “tubarão” é especialista. E Nibali bem tentou, ainda andou uns metros avançado, mas haveria de reentrar no grupo dos favoritos.

Mais competente, foi Nicolas Roche. O irlandês, que é terceiro na classificação geral, conseguiu separar-se dos favoritos para cortar a meta com 29 segundos de avanço para todos. Reforçou assim o seu terceiro posto na geral, estando agora a 37 segundos de Froome e a somente um segundo de Esteban Chaves (Orica).

Oliveira e Costa caem na geral

E de que forma. Nélson Oliveira partiu para a décima etapa da Vuelta com 4’50 de desvantagem para Froome e um lugar no top 20. Esta terça-feira, porém, o português da Movistar chegou a mais de 14 minutos do primeiro da etapa e perdeu cerca de 10 minutos para os favoritos. Está agora na 26ª posição, a 14’39 de Chris Froome.

Rui Costa (UAE Emirates) teve desfecho idêntico. Está duas posições abaixo de Oliveira, já com 15 minutos de atraso para o topo da tabela.

Destaque para a prestação de Rafael Reis. O português da Caja Rural, que se estreia este ano na Vuelta, chegou na 10ª posição, à frente de Froome e companhia. É a segunda vez nesta Vuelta que o ex-W52 FC Porto chega com a fuga ao final. Foi 14º na sétima etapa.

Ricardo Vilela (Manzana) chegou a 7 minutos de Trentin e subiu na classificação geral.

Amanhã, há duas contagens de primeira categoria nos últimos 30 quilómetros pelo que será uma etapa de nervos para os candidatos à vitória final. A chegada é em alto. A subida ao Observatório Astronómico de Calar Alto tem mais de 15 quilómetros de extensão e uma pendente final de 15%.

Classificação geral no final da 10ª etapa

1. Chris Froome (Sky) com 40h12’44’’
2. Esteban Chaves (Orica) a 36’’
3. Nicolas Roche (BMC) a 37’’
4. Vincenzo Nibali ((Bahrain) a 1’17’’
5. Tejay Van Garderen (BMC) a 1’27’’
6. David de la Cruz (Quick-step) a 1’30’’
7. Fabio Aru (Astana) a 1’33’’
8. Michael Woods (Cannondale) 1’52’’
9. Adam Yates (Orica) a 1’55’’
10. Ilnur Zakarin (Katusha) a 2’15’’

26. Nélson Oliveira (Movistar) a 14’39’’
28. Rui Costa (UAE Emirates) a 15’44’’
47. Ricardo Vilela (Manzana) a 39’00’’
134. Rafael Reis (Caja Rural) a 1h30’15’’