Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

Volta a Espanha: A etapa em que Nibali se tornou no principal adversário de Froome

A etapa foi para um colombiano, mas o seu nome não é Chaves. Esse perdeu quase 2 minutos e o segundo lugar. Miguel Ángel Lopez, da Astana, foi o grande vencedor do dia. Froome foi testado, mas não desiludiu. Nibali saltou para a segunda posição.

FILIPA SILVA

Froome e Nibali cortaram a meta juntos.

JOSE JORDAN

Partilhar

Há dois meses estava no chão. Uma queda feia na Volta à Suíça afastava-o da hipótese de defender o título que conquistara um ano antes. A época seguia difícil para Miguel Ángel Lopez depois de um início quase sem competição a recuperar de outra lesão: uma tíbia fraturada. Esta quarta-feira, o jovem colombiano é notícia por melhores razões.

Aos 23 anos, o corredor da Astana venceu a sua primeira etapa numa grande volta ao cortar em primeiro a meta no alto do Observatório Astronómico de Calar Alto, a contagem de primeira categoria com que encerrou a 11ª etapa da Vuelta.

Miguel Ángel Lopez foi o vencedor da etapa.

Miguel Ángel Lopez foi o vencedor da etapa.

JOSE JORDAN

O colombiano ganhou vantagem para a vitória já dentro do quilómetro final. Aproveitou a deixa de um ataque de Vincenzo Nibali (Bahrain) e passou toda a gente. Froome seguiu no controlo ao italiano e chegou com ele à meta, 14 segundos depois de López. Kelderman também ia no grupo.

São aliás os três vencedores desta etapa. Froome, com o segundo posto e a bonificação, reforçou a liderança e viu Esteban Chaves, que era segundo, perder quase 2 minutos; Nibali, que hoje trabalhou intensamente com a equipa em busca de uma vitória, teve como prémio a subida ao segundo posto. E Kelderman, com o quarto lugar e o tempo ganho à concorrência, teve uma fulgurante entrada no top 10, diretamente para a quinta posição. Contador também está entre os vencedores do dia ao conseguir reentrar no top 10.

Alberto Contador perdeu tempo para Froome mas reentrou no top-10.

Alberto Contador perdeu tempo para Froome mas reentrou no top-10.

JOSE JORDAN

Esteban Chaves, que no final ainda tinha sorrisos para oferecer aos jornalistas, não foi o único a perder. Os homens da BMC, Nicolas Roche e Tejay Van Garderen, perderem mais de 3 minutos e sairam do top ten. Fábio Aru, da Astana, também perdeu mais de um minuto. É assim a Volta a Espanha, como a definiu Froome: uma luta diária pela classificação geral.

Filme da Etapa

A etapa desta quarta-feira, que ligou Lorca ao Observatório Astronómico de Calar Alto começou com muita chuva. As fugas voltaram a ter dificuldade em sair, mas ao quilómetro 50 um grupo de 14 corredores alcançou o objetivo.

Entre eles, ia Romain Bardet. O terceiro do Tour deste ano continua a perseguir o objetivo de ganhar uma etapa.

A 40 quilómetros da meta, quando começava a subida à primeira das duas contagens de primeira categoria que estavam reservadas para os corredores, a Orica lançava Simon Yates para a frente, preparando terreno para ajudar Chaves numa fase mais avançada da corrida.

Yates apanhou a frente da corrida e passou com Bardet, Darwin Atapuma e Sander Armee na frente no Alto de Velefique. Na descida, Armee ficou para trás.

A cerca de 14 quilómetros da meta, Yates cedeu e Atapuma seguiu com Bardet na roda. A dupla chega a ter 2’30 de vantagem para o pelotão e a reforçar as hipóteses de uma vitória na etapa. Tal não aconteceu.

A 11 quilómetros começam as primeiras movimentações entre os favoritos, com Nibali e Contador a fazerem prova de vida. Froome ainda tinha dois companheiros da Sky nessa altura e conseguiu defender-se. Já Chaves e Aru ficavam para trás, com outros corredores, e começava a cavar-se o fosso que os prejudicou na geral.

A 7 quilómetros da meta, Bardet e Atapuma são apanhados e seguem com o grupo do camisola vermelha montanha acima. Nibali ainda não tinha acabado. A 2 quilómetros da meta voltou a testar Froome que pareceu em dificuldades num primeiro momento - Nieve teve de descair para o ajudar – e o vento não ajudava. Mas o britânico parece arranjar sempre forma de recuperar e chegou a Nibali com Kelderman e Ángel Lopez.

O homem da Astana atacou no último quilómetro, com o terreno a dar tréguas aos tepadores, e venceu a etapa. Foi a segunda da Astana nesta edição da Vuelta, depois de Lutsenko ter ganho a quinta etapa.

Portugueses a afundar

Se na etapa de ontem, Nelson Oliveira e Rui Costa perderam tempo na geral, hoje repetiram a dose. O corredor da Movistar chegou à meta com 11 minutos de atraso para o vencedor. Rui costa chegou 26 minutos depois. Nelson Oliveira é agora 25º, Rui Costa 38º e Ricardo Vilela 50º. A chegada de Rafael Reis ainda não foi contabilizada.

Rui Costa já confessou aos fãs no seu blogue que a estratégia da equipa mudou e que a sua aposta será a partir de agora a de entrar numa fuga e tentar a vitória de etapa, mas o português ainda não conseguiu sair do pelotão.

Esta quinta feira, a etapa tem novamente duas partes distintas, mas apesar de ter duas contagens de montanha na segunda metade da corrida, não tem como hoje uma chegada em alto.

Até ao quilómetro 80, o percurso é plano. Aí começa a ascenção ao Puerto del León (1ª categoria). A 17 quilómetros da meta há outra subida, esta de segunda categoria, em Puerto del Torcal. A etapa parte de Motril e estende-se até Antequera, ao longo de 160 quilómetros.

Classificação geral no final da 11ª etapa
1. Chris Froome (Sky) com 45h18’01’’
2. Vincenzo Nibali ((Bahrain) a 1’19’’
3. Esteban Chaves (Orica) a 2’33’’
4. David de la Cruz (Quick-step) a 2’36’’
5. Wilco Kelderman (Sunweb) a 2’37’’
6. Ilnur Zakarin (Katusha) a 2’38’’
7. Fabio Aru (Astana) a 2’57’’
8. Michael Woods (Cannondale) a 3’01’’
9. Alberto Contador (Trek) a 3’55’’
10. Miguel Ángel Lopez (Astana) a 4’11’’

25. Nélson Oliveira (Movistar) a 26’47’’
38. Rui Costa (UAE Emirates) a 42’04’’
50. Ricardo Vilela (Manzana) a 57’56’’
Rafael Reis (Caja Rural) - Ainda sem informação oficial