Tribuna Expresso

Perfil

Crónica

“Se no Sporting não temos uma crise, inventamo-la”

Dias Ferreira

Partilhar

Dias Ferreira

Dias Ferreira

O ex-dirigente do Sporting Clube de Portugal Dias Ferreira considera que a crise do clube é um problema da sua comunicação e diz depositar “muita esperança no silêncio de Bruno de Carvalho”, porque “o silêncio é um inimigo terrível dos ignorantes e mal-intencionados”.

O Sporting Clube de Portugal, hoje em dia com a SAD incluída, como se não bastasse o clube, vive permanentemente em crise. Mesmo quando não há motivos para viver em crise, somos peritos em arranjar uma crise nova. E até parece que ficamos aborrecidos quando são os outros que estão em crise, e, portanto, temos de abafar a crise deles para que se fale da nossa. E, se não a temos, inventamos!

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Amor em tempos de cólera. Por Pedro Boucherie Mendes

    Crónica

    Reconhecendo que Bruno de Carvalho “exagerou e muitas vezes foi vulgar na linguagem”, Pedro Boucherie Mendes defende que “ninguém como ele lutou pelo clube”. E, dizendo que em Portugal “quem sai da norma é detetado e identificado para ser abatido”, afirma que o Presidente do Sporting o foi por um único motivo: não ter sido campeão num clube que venceu dois campeonatos em 35 anos e não se consolar com essa ideia, contagiando milhões de outros sportinguistas e hostilizando os poderes instalados

  • “A saída de Bruno de Carvalho não vai ser pacífica porque ele ignora o que muitos megalómanos ignoram.” Por Daniel Oliveira

    Crónica

    Ainda antes de Bruno de Carvalho se ter tornado o vulcão do Facebook, Daniel Oliveira explica um encontro com o presidente do Sporting no qual descobriu um homem provido de particular “inteligência social”. Agora, perante o “desequilíbrio emocional crescente” de Bruno de Carvalho, Daniel Oliveira diz que chegou a hora de lhe mostrar gratidão mas também de preparar a despedida. E esta crónica começa com uma pergunta: “Como é que o que parece tão aberrante a tanta gente, pela sua falta de educação evidente, conquista cerca de 90% dos votos?”