Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

Inês Meneses é do Rio Ave... e do FC Porto. Falámos com ela sobre bola

Inês Meneses sempre foi do Porto, mas descobriu recentemente o amor pelo Rio Ave - e garante que não é só para parecer hipster. Tem as quotas em dia e adora ir aos Arcos - e ver bola. Rio Ave- FC Porto é o jogo que abre a Liga (20h30 desta sexta-feira)

Mariana Cabral

Inês Meneses tem um programa de entrevistas chamado "Fala com Ela", na rádio Radar

Luis Coelho

Partilhar

Olá, Inês. Vamos falar de bola?
Sabes que eu não domino como tu, não é? Gosto, mas até um certo ponto, porque depois também gosto muito de batons e coisas assim. Não domino as táticas e as cenas, mas gosto do todo.

Não te interessa muito a parte do 4-4-2 e do 4-3-3?
Não. Já sei que o Capucho vai adotar o 4-4-2, não é? Sei isso, mas nunca consigo avaliar essas coisas. Avalio... Primeiro o ir ao estádio, que é uma coisa que mexe imenso comigo, é como ir a um concerto, é sempre uma emoção que te ultrapassa. Adoro fazer daquela multidão, ser uma no meio daquelas pessoas todas. E depois gosto muito de perceber quem é que tem raça, quem é que não desmobiliza... percebes? Nem tinha pensado nisso, confesso, mas se calhar é sempre pelo lado mais emocional.

É a altura certa para fazer aquela pergunta ofensiva: sabes o que é um fora de jogo?
Sei o que é um fora de jogo, mas se me perguntarem assim: 'achas que foi fora de jogo?' Se calhar já fico assim um bocado na dúvida.

Aqueles programas televisivos de debate futebolístico à segunda-feira à noite não te interessam muito, então.
Não, não, isso não me interessa de todo. Nem pensar, não vejo. Não alimento guerras. Durante um tempo mexia comigo a guerra Porto-Benfica. Ficava um bocado cega em relação ao benfiquismo. Mas isso diluiu-se, até estou um bocado desiludida comigo.

Porquê?
Não sei. Gostava dessa picardia, mas depois com as mexidas, o entra e sai do Jesus... Acho que o futebol mudou.

Será que sentes isso pela falta de símbolos no FC Porto?
Na época passada o Rio Ave aproximava-se perigosamente do Porto, não só em termos de tabela classificativa mas em termos de instabilidade de resultados. Temos de admitir que o Rio Ave é um clube mais pequeno, com pouco dinheiro, sem craques... Tanto vive de poder dar um 3-0 ao Benfica [ri-se muito], como perder 4-1 com o Porto ou com o Braga, ou seja, não tem a estabilidade que tinham Benfica e Sporting na época passada. O Porto entrou neste campeonato da instabilidade. Foi uma equipa que perdeu magnetismo.

Lá está, é o lado emocional.
Acho que é a questão emocional. O Lopetegui era um tipo a quem nunca reconheci mérito, por exemplo. Nunca lhe vi carisma. Como não vejo, por exemplo, ao Casillas. Acho que é um tipo muito inflacionado, não percebo o que se vê nele, porque ele é capaz do melhor e do pior. Será que o futebol está todo assim agora? Se calhar está, não é?

Nuno Espírito Santo treinou o Rio Ave e o Valência antes de chegar ao Porto (onde também foi jogador)

Nuno Espírito Santo treinou o Rio Ave e o Valência antes de chegar ao Porto (onde também foi jogador)

Manuel Queimadelos Alonso

Há menos romantismo. Por isso é que os adeptos apreciam quando aparecem aqueles jovens do clube, como o André Silva no Porto.
É só negócio. Bem, mas hoje o jogo tem imensa piada pelo cruzamento dos treinadores, por exemplo. Porque o Nuno começou como treinador no Rio Ave e logo para começo de época defronta o Rio Ave. Imagino a posição dele, que é 'quero ganhar mas não quero assim tanto', não é? 'Não quero fazer mal à minha ex-namorada, porque ainda gosto dela' [risos].

Isso de dizeres que és do Rio Ave é só para seres hipster da bola ou és mesmo do Rio Ave?
É para parecer hipster, claro [risos]. Cresci em Vila do Conde e o meu irmão é rio avista ferrenho, por isso contagiou-me. Sou sócia com as quotas em dia. Comecei com isto há uns dois anos, quando fui a uma final da Taça no Jamor, em que o Rio Ave jogou com o Benfica, e eu na altura ainda tinha um pseudónimo e escrevia n' O Jogo e antes n' O Sexo e a Cidália. Essa ida ao Jamor a ver os benfiquistas com os seus garrafões - isto não é uma coisa do passado, isto é de agora - e depois ver os adeptos do Rio Ave ali contra a nação inteira... A partir daí comecei a seguir furiosamente o Rio Ave.

Vais ao estádio?
Vou várias vezes aos Arcos e já conheci o Tarantini, por exemplo. Comecei a desenvolver uma relação simpática, mas não sei o nome dos jogadores todos, evidentemente. Sei que o Ukra saiu e fico triste, fiquei triste com a saída do Pedro Martins... Não faço a mínima ideia que treinador será o Capucho, sendo que, devo confessar, o Capucho era o único jogador de quem tinha um autógrafo [risos]. Uma vez no Algarve, estava com um amigo - e eu adorava o Capucho e as pernas do Capucho - e pensei 'vou pedir-lhe um autógrafo'. E ele desenhou-me um bonequinho que era um capucho. Quem diria que o Capucho agora iria treinar o Rio Ave? Entretanto já percebo que há algum desânimo com o afastamento da Liga Europa, mas... E a saída do Postiga, foi o nosso pequeno Messias na época passada. Agora já ouvi dizer que há grandes esperanças num tipo que é o Rúben Ribeiro, mas não o conheço a fundo.

Nuno Capucho, ex-jogador do FC Porto, é treinador do Rio Ave

Nuno Capucho, ex-jogador do FC Porto, é treinador do Rio Ave

Gualter Fatia/Getty

Afinal estás bem informada.
Quer dizer, eu vou seguindo, tenho SportTV e tudo [risos]. Vejo os jogos, mas nunca faço aquelas avaliações muito técnicas, como te digo. Gosto de ficar vidrada porque o Tarantini chorou no fim, é o lado emocional, é mais um outro espetáculo. No caso do Porto, que é o meu clube para aí há quarenta anos, devo dizer que na época passada perdi um bocado de interesse. Custa-me dizer isto, porque uma verdadeira portista não pode dizer isto. Olha, também tenho um autógrafo do Pinto da Costa.

Achas que o Pinto da Costa também está diferente?
Acho que também perdeu aquele magnetismo. Houve ali uma força que se dilui, foi como se tivesse apostado em muitos cavalos errados e depois instalou-se um desânimo. O Pinto da Costa perdeu um bocado da 'pica' que tinha. É o que te digo, a dada altura parecia que Porto e Rio Ave estavam no mesmo patamar desportivo.

Vais ao jogo hoje?
Vou ver pela televisão, não estou em Vila do Conde. E vou torcer pelo Rio Ave.

Isso era a minha próxima pergunta.
Torço sempre pelos que têm menos força, acreditando que a minha força lhes vai dar outra força. Nestes cenários sou sempre pelo Rio Ave, mesmo que isso depois proporcione aquela humilhação, mais à escala nacional, do Porto contra o Benfica. Gostava que hoje pelo menos conseguissem que não fosse uma coisa como a Alemanha e as Ilhas Fiji [risos].

O Porto pode voltar a ser campeão já esta época?
Opá, claro que sim, não é?

E aflige-te muito pensar num tetra do Benfica?
Não, porque, como te digo, estou a tornar-me perigosamente numa Gandhi, estou assustada comigo por já não sentir estas picardias. Aliás, já eliminei pessoas no Facebook por comentários anti-Porto, é verdade. Mas agora já não tenho muito isso, não sei. Acho que foi o facto de o Porto ter perdido importância, porque foi um ano particularmente trágico, acho. Infelizmente acho que há muitos portistas desmotivados como eu. Mas espero que agora o Espírito Santo nos ajude [risos].