Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

Fábio Paim: “Eu não podia ter a vida do Cristiano. É boa de mais para mim”

É tido como a eterna promessa do futebol português. Quem o viu nas escolas do Sporting, onde entrou com sete anos, ficou maravilhado com o talento. Aurélio Pereira, especialista em formação, dizia dele: “Falam do Cristiano Ronaldo? Atenção que o Fábio Paim é muito melhor. É outra coisa”

Alexandra Simões de Abreu

Comentários

Jose Carlos Carvalho

Partilhar

Aos 14 anos os principais clubes europeus já o tinham referenciado como uma prioridade e houve até quem tentasse convencê-lo a mudar de nacionalidade. O próprio Cristiano Ronaldo quando chegou ao Manchester United avisou: “Acham que eu sou craque? Esperem pelo Paim!”.

Apesar de tantas referencias e certezas sobre o seu talento, Fábio Paim, hoje com 28 anos, não conseguiu tornar o sonho realidade. Sobretudo por culpa própria. O miúdo que cresceu num bairro social de Alcoitão deu lugar a um jovem rebelde incapaz de lidar com a fama e dinheiro. Viu-se envolvido em escândalos de noitadas, mulheres, carros, droga e até violações. Foi acusado de não gostar de treinar e de ser insubordinado. Desmotivado e à beira de desistir da carreira de futebolista, agarrou a oportunidade de participar no estágio deste ano para futebolistas desempregados, realizado pelo Sindicato de Jogadores e parece disposto a dar-se mais uma oportunidade, depois de sentir também o apoio de milhares de fãs nas redes sociais para que não desista.

O que fez nestes últimos seis meses? Esteve parado? Desde que cheguei do Luxemburgo que já pensei várias vezes em deixar o futebol, mas não me deixam. Se virem a minha página, as mensagens que recebo, as pessoas que gostam de mim e que me apoiam… Mas tenho pensado no que passei nos últimos anos e não tem sido fácil. Não acho normal o que tenho passado. Até pela pessoa que sou, pelo que tenho feito pelos miúdos da formação, a quem dou palestras e não cobro nada. Estou parado, podia fazer dinheiro dessas palestras, mas não peço porque já tive seis e sete anos e nunca tive ninguém como eu que me desse o exemplo sobre o que é bom e mau. Fiquei triste com tudo o que escreveram de mim, as mentiras que disseram e que impedem que possa arranjar algo melhor para mim. Alguns clubes fecham as portas por causa disso, não é por falta de talento ou qualidade minha.

Está a referir-se às acusações de violação? A referir-me a tudo. Não vale a pena. Já é a segunda vez. Quando há uma acusação dessas tem que haver um crime e não há. Das duas vezes fui absolvido. O que acho triste é que, da primeira vez, é capa de jornais, aparece na televisão, mas quando surge a verdade, vem uma noticia pequenina num rodapé. Isso não é correto porque tenho família, tenho a minha mãe que todos os dias se levanta para trabalhar, tem uma vida normal, mas toda a gente sabe que é minha mãe. Não é por mim, porque eu sei o que se passa na minha vida, é por ela.

De onde surgiram essas acusações então? Não sei. Da segunda vez, na Lituânia, foi uma rapariga que queria dinheiro; da primeira vez nem sequer havia queixa. De onde vieram as noticias? Não sei. Vou fazer queixa de quem? Vou andar uma vida toda a pagar a advogados para se calhar não dar em nada? Não vale a pena. O pior de tudo é que essas noticias surgem quase sempre quando estou para arranjar clube.

Está a dizer que o querem prejudicar. Sabe quem possa ser? Não sei. O que eu peço é que me deixem em paz. Não é fácil pra mim estar algum tempo sem clube porque não entra dinheiro e tenho gastos, tenho família, tenho que ajudar, embora ninguém me obrigue a nada. Tenho 28 anos, não sou velho, mas também já não sou novo para o futebol e estar parado é complicado.

Mas pelos vistos há muita gente que não o deixa largar o futebol. Sim, felizmente ainda há muita gente que gosta de mim, basta ver a minha página nas redes sociais. Eu sou futebolista, acha que quando me chamam para fazer programas de televisão eu gosto? Não gosto, só que daí também vem dinheiro.

Está a referir-se à participação no Splash ou tem convites para reality shows? Sim, tenho convites. Eu não quero fazer, mas se calhar vai chegar uma altura em que tenho de fazer para ganhar dinheiro. Não vou roubar porque não o sei fazer, nem está dentro de mim fazer esse tipo de coisas. Julgam que o futebol é um mar de rosas, mas o futebol não é o Cristiano Ronaldo, nem a vida dele. Nem toda a gente fica como o Cristiano, nem toda a gente ganha milhões.

Quando fala em desistir do futebol, já sabe o que vai fazer depois? Desde os seis anos que o que faço é jogar futebol, não tenho estudos, fiz só o 7º ano, nunca tive outro trabalho. É isto que sei fazer.

Quando é que deixou a academia do Sporting e foi viver sozinho? Com 16 anos. Mas a minha família sempre me apoiou em tudo, como agora. A minha mãe sempre trabalhou como empregada doméstica, no mesmo sitio. Graças a Deus tenho uma família espectacular. Tenho dois filhos, o Jaden de quatro anos e a Luena de um mês, que vivem com a mãe deles. Mas sempre que quero estou com eles.

Diz que tem contactos para jogar no Brasil. Em que clube? Tenho contactos, mas não é nada certo, certo é só quando temos os papéis assinados.

Já jogou em muitos países. De qual gostou mais? Os dois países de que mais gostei e que eu achava que iam ser os piores, foram Angola e a Lituânia.

Porquê? Os meus pais são angolanos, mas eu não conhecia o país. Mal cheguei tive a sensação de estar em casa, aquilo tem tudo a ver comigo. É um pais diferente, não interessa porquê, mas infelizmente não deu para continuar. Na Lituânia eu era o único preto na cidade onde estive, mal cheguei parecia que era um extraterrestre. É um país muito racista, mas até hoje mantenho contacto com todos os meus colegas e muita gente de lá.

Alguma vez foi mandado embora de algum clube? Já aconteceu. Em Angola. Porque quando cheguei lá, na minha cabeça eu ja tinha vivido ali, parecia que já tinha lá estado e num ano só fiz um jogo. E o meu contrato era de dois anos e dos mais altos.

Só fez um jogo porquê? Fiz uma fissura num pé e queriam operar-me, eu não deixei e vim para Portugal fazer os tratamentos pagos do meu bolso. Quando regressei tinha rescisão por justa causa.

Tem fama de ser indisciplinado, de fazer noitadas, beber chegar tarde aos treinos e não gostar de treinar… O que é que é ser indisciplinado? Eu não sou mal educado com as pessoas nem trato mal o meus colegas. Agora, mesmo na minha vida pessoal, eu não sou uma pessoa que cumpra muito horários, sou uma pessoa que não liga a nada, não tenho preocupações. A minha cabeça é muito estranha.

Porquê? Porque acha que nunca lhe vai acontecer nada de mal e que haverá sempre alguém que cuidará de si? É isso mesmo! Sempre fui assim. Tenho tido a sorte de ter sempre alguém que cuida de mim.

Esteve no Chelsea, teve o Jorge Mendes como empresário, o Cristiano disse de si “se acham que sou bom, esperem pelo Paim”. Mas isso tudo parece ter-se esfumado. Como explica? Quando estive em Londres, estava na equipa B, que não tem campeonato, e muitas vezes treinava com a primeira equipa, mas não jogava. E o que eu queria era jogar. Eu sentia que poderia fazer mais. O Jorge levou-me para o Chelsea. Eu estava a receber um bom dinheiro, um jogador dele estava no Chelsea, era bom para todos. Mas isso não é o mais importante, o mais importante é estarmos a fazer aquilo de que gostamos.

Assume que não teve paciência para esperar. Se fosse hoje teria tido mais calma. Mas na altura quanto mais tempo tinha livre, mais porcaria fazia.

Faltou-lhe maturidade? Muita, muita. Maturidade mas também muita ajuda da parte de algumas pessoas, ajuda que hoje em dia vejo que os jogadores têm.

Que tipo de ajuda? Dou um exemplo. Se uma pessoa que não tem nada de repente ganha o euromilhões, com 15 ou 16 anos, o que vai fazer? Eu devia ter sido mais bem orientado, como todos têm sido. Os jogadores normalmente começam a receber dinheiro com 22, 23 anos; eu fiz o meu primeiro contrato profissional aos 16 anos. Recebia 20 mil euros/mês, mais 150mil/ano. Antes já recebia dinheiro só que ia diretamente para a minha mãe e eu estava fechado na Academia e nada aconteceu. Só quando sai da Academia é que comecei a perceber o que é que eu tinha e o que podia fazer. Foi aí que comecei a cometer as minhas loucuras. Mas normais da idade acho eu.

Nessa altura ninguém o aconselhou? Sim, conversavam comigo. Mas deviam ter tido um pulso mais forte como fazem hoje com os jogadores. Têm o dinheiro deles para fazerem as coisas que querem, mas uma parte vai para outros sítios e é investido como deve ser. A mim deixaram-me sempre à vontade. E quando as coisas começaram a correr mal toda a gente me largou.

Quando sente que as coisas começaram a correr pior? Quando vim de Londres.Tinha mais dois anos de contrato com o Sporting, vinha do Chelsea e mandaram-me para o Real Massamá! Não é pelo clube, que já estive em sitio piores, mas fiquei desmotivado e logo aí fiquei um bocadinho largado. E deixei-me levar por algumas coisas que não são para um jogador de futebol.

Que tipo de coisas? Sair à noite, beber de mais, não querer treinar, etc.

Falou-se também em droga. Nunca fumei um charro, nunca cheirei, nada. Não fumo cigarros sequer. Nunca me meti por aí, apesar de ter contacto diário com esse mundo porque cresci e vivo num bairro social. Tive muitas oportunidades para o fazer, mas é uma coisa que não me puxa.

Ao mesmo tempo que faz um mea culpa, fica sempre a sensação de que se sente injustiçado. Não tenho ressentimentos. Não posso fugir àquilo que fiz. A culpa é minha. Mas, é verdade, e não vou apontar nomes, que fui um bocado abandonado a determinada altura. Ando na rua, sou mais lembrado e acarinhado do que muitos outros. Dou outro exemplo: fui emprestado ao Trofense que nunca tinha jogado na primeira divisão, joguei sempre e subimos à I Liga, no ano a seguir o que deveria ter acontecido? Eu devia ter integrado a equipa do Sporting, pelo menos a pré-época devia ter feito. Não fiz, porquê?

Porquê? Isso pergunto eu. Se calhar porque estava lá um treinador que preferiu chamar outros miúdos que nunca fizeram nada. Mas quem manda é o treinador, não sou eu.

Sente que foi prejudicado pela sua imagem de rufia? Muitas vezes. Continuei a jogar, sempre joguei nas seleções, fui para o Paços de Ferreira, não joguei muito mas joguei. Acabou a época e o que aconteceu? Fiquei a treinar à parte. O Sporting voltou a emprestar-me e se calhar eu era dos jogadores mais falados e com um dos salários maiores. Não entendo.

Não tinha a ver com a sua indisciplina? Voltamos ao mesmo. Indisciplina é o quê? Faltar ao respeito, faltar aos treinos? Eu não sou malcriado, não faltava, aliás, já faltei aos treinos, mas tinha motivos.

Há muito ressentimento dentro de si. Não. Eu faço o meu dia a dia. Sou uma pessoa super feliz. Claro que me sinto triste porque poderia ter feito a vida de outra maneira e hoje estar mais tranquilo. Alguma coisa está errada quando um jogador como eu passa a vida a ser emprestado e não joga na equipa principal. Fizeram um trabalho sobre mim, eu dei uma entrevista para um canal de televisão e uma das pessoas maiores do Sporting, o senhor Aurélio Pereira, não quis falar. Porquê? É a pessoa que mais admiro e gosto no Sporting - e ele não quis falar. Se calhar porque há ali também um bocadinho de culpa de alguém da instituição Sporting.

Qual foi a altura em que gastou mais dinheiro? Foi no Chelsea.

Quantos carros teve? Sei lá. Tive todos. Desde Maserati, Lamborghini, Porsche, Ferrari, Hummer, Fiat Punto (gargalhada).

É esse que tem agora? Não. Tive um acidente há uma semana com o meu carro, um Mini Cooper. Adormeci ao volante e despistei-me sozinho. Cortei-me só um bocadinho. Agora ando de boleia.

Do dinheiro todo que ganhou, investiu em alguma coisa, sobrou alguma coisa? Comprei a casa da minha mãe, em Alcoitão, que é dela. Meu não tenho nada. Nem posso.

Porquê? Quando jogamos, descontamos muito e as finanças…lá está o meu gestor devia ter cuidado das minhas finanças, mas até o dinheiro que tinha guardado no banco desapareceu.

Explique lá melhor essa historia. Há coisas que a gente não pode falar, o importante é falarmos de nós. Já nada vai voltar para mim. Só digo que, mesmo na compra dos carros, fui muito enganado e tenho as provas de tudo. Mas não quero falar em nomes, nem em nada, porque não vai trazer nada de volta e se calhar só vai gerar outra confusão.

Não está para se chatear? Não, nem pensar. Eu nasci pobre. Mas não me falta nada: como, tenho onde dormir, sou um miúdo super feliz. O dinheiro é uma coisa que só traz…eu só quero ter o meu dinheiro para poder viver e estar tranquilo, mais do que isso não.

Qual é o seu maior sonho? Para ser sincero, ver os meus filhos a crescerem bem, que saibam de tudo o que aconteceu comigo, porque eu não escondo nada. Sei que me vão chamar estúpido, mas quero que cresçam bem e tenham saúde e tenham uma vida boa pela frente.

Saiu do Chelsea há muito tempo, entretanto já passou por inúmeros clubes e países… Pois, e dinheiro daí? Nada. De metade deles não recebi tudo e de alguns nada.

Mas se tem razões de queixa e se se acha com razão porque é que não coloca os clubes e as pessoas devedoras ou que o prejudicaram em tribunal? Porque não é o dinheiro que me faz andar. Para mim, o importante não é o dinheiro. O importante é que pessoas se respeitem e sejam sérias. As pessoas falham comigo e eu vou ter de ficar ali para a imprensa não falar mal de mim? Não. O que passa para fora não é a realidade, tanto que depois a verdade vem ao de cima. Quando foi do Luxemburgo o que veio nos jornais foi que me tinham mandado embora porque eu tinha sido mal educado; passada uma semana, a história já era outra, a equipa descera de divisão, alguns jogadores abandonaram, deixaram o clube. Entende? É o que estou a dizer, a vida mostra tudo.

Ainda acalenta a esperança de jogar em Portugal? Claro. É por isso que estou e que estamos todos no Sindicato dos Jogadores, para nos mantermos em forma. Porque sempre me habituei a treinar e, quando paramos, a gente come, bebe, sai, tenta ter um escape. Desde o seis anos que a minha vida é desporto. Quando paramos, engordamos, perdemos a forma, é muito fácil isso acontecer. Se estamos no estágio do Sindicato é porque temos vontade, porque queremos jogar e mostrar o nosso valor.

Sente que está mais maduro e capaz de ser mais cumpridor? Tenho de ser sincero. Não me sinto igual ao Paim que eu era, porque não dá, a vida não deixa que seja assim, mas acho que sou um miúdo ainda, eu só quero brincar.

Se não houver mais nenhum clube a contratá-lo, consegue sobreviver? Se consegui até agora. Gastei praticamente tudo, mas tenho algumas coisinhas.

Tem noção de quanto gastou neste anos? Se fizermos um calculo por alto, talvez uns dois milhões ou mais. Nem eu sei, é muito dinheiro.

O que ficou disso? Houve muitas pessoas que se aproveitaram. O meu gerente de conta apresentou-me à pessoa que me vendia os carros, onde mais perdi dinheiro. Logo aí eles estavam juntos, percebe? Todos os meses eu punha dinheiro de parte, mas quando precisei de ir lá buscar algum ao fim de uns anos, quando fiquei sem clube, ele disse-me que aquela conta já não tinha dinheiro. Como é que é possível? Mas eu não quis saber, fui à minha vida.Também não preciso de muito para viver, graças a Deus.

Onde é que nunca jogou e gostava de ter jogado? Joguei no sitio onde sempre sonhei, o meu clube de coração, o Sporting.

Quando olha para o Cristiano Ronaldo o que sente? Muito feliz.

Não gostaria de ter a vida dele? Não, nem pensar! Eu não poderia ter a vida dele. Deus sabe porquê. Eu tenho a vida que tenho que ter. Se tivesse a vida do Ronaldo, eu morria.

Porquê? É uma vida boa de mais, é demais para mim, eu não aguentava, não dá.

Tem que passar por dificuldades, é isso? Tenho. Eu tenho que estar todos os dias em prova. Juro, é verdade. Não vêem aqueles artistas que têm muito e aparecem mortos em casa? Aquela vida não é deles. Eu tenho de estar assim.

E é feliz assim. Muito. Tenho um monte de problemas, que se formos a ver são pequeninos, mas sou feliz assim.

O que é um grande problema para si? Grandes problemas eram as noticias que apareciam, como aquela que eu consumia droga, e que não são verdade. Isso para mim é um grande problema, porque não faz sentido nenhum. Mas quem me conhece sabe.

Se tivesse de se definir numa palavra qual seria? Não há palavras para mim. Para a minha pessoa, não existe.

Não pensa no futuro? Não, não penso. Senão já tinha depressão. Ainda ontem estava como estava e hoje estou assim. Não sei nem quero imaginar o futuro. Também não quero morrer velhinho. Se chegar aos 50 anos é bom. E já escrevi como quero o meu funeral e tudo. Depois vão saber. Vai ser um show, quero uma coisa muito louca, uma festa grande. Tenho a indumentária definida e tudo (risos). As pessoas se vissem a minha vida não acreditavam, até já pensei em andar com uma câmara de filmar atrás.

Como assim? Gostava de andar com uma câmara, tipo reality show, mas só meu. Não iam acreditar na minha vida (risos).

Então se houvesse uma televisão a desafiá-lo para fazer um reality show da sua vida, aceitava? Essa televisão ia ficar rica. A sério.

O que tem de tão especial a sua vida? Tudo. Eu não penso no amanhã. Hoje sei que tenho almoço, o Targino convidou-me para almoçar. Almoço já tenho. Depois vou treinar no ginásio. Mas não sei em qual, tenho vários, porque convidam. Está a ver? Já não tenho de pagar o ginásio. Depois vou para casa e quando começa a chegar certas horas, surgem outros convites. Nem é preciso ter muito dinheiro para viver como a gente gosta.

E gosta de viver assim? Eu? Não é gostar, tem de ser. Às vezes chego a casa da minha mãe e o jantar é sopa. Eu não gosto, mas é o que há e tem-se de comer aquilo. A vida, a gente tem de a levar assim.