Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

Uma entrevista a Salvio: o Riquelme, o Lisandro, a Magali e o Benfica

Na apresentação do novo blogue de lifestyle de Magali Aravena, Eduardo ‘Toto’ Salvio explicou ao Expresso a importância da sua mulher na recuperação das lesões graves que sofreu - e como o bacalhau à brás também contribuiu

Tiago Oliveira

Ah, o amor. Eis Eduardo Salvio e Magali Aravena

Tiago Miranda

Partilhar

Agora, lá em casa, vai-se falar mais do blogue ou de futebol?
[Risos] Acho que apesar de tudo ainda vai ser um pouco mais futebol, mas vamos estar sempre atentos às publicações da Magali.

Tiveste uma série de lesões graves que te deixaram fora de jogo muito tempo. Como foi esse período?
Ter uma pessoa como a Magali foi essencial. Está atenta a cada pormenor e nunca deixou de me apoiar quando passei momentos muito duros. Muitas vezes voltava mal dos treinos, cabisbaixo, e ela e tratava de estar ao meu lado, sabendo que com a força de vontade que tenho ia voltar a sorrir no futebol. Dou graças por ter uma mulher como ela e hoje posso dizer que estou muito bem.

Agora estás a passar por uma boa fase no Benfica. O que é que ainda te falta fazer?
Estar no Benfica é querer ser campeão todos os anos. Se ganhas o título um ano, mas depois estás três, ou dois, ou até um sem ganhar, isso já não conta para nada. Quero ganhar outra vez, quero voltar ao Marquês em maio. Estamos bem e acho que vamos fazer uma grande época. Agora é continuar a trabalhar para isso.

Admitiste há pouco que estiveste próximo de sair para o Mónaco. Mas recentemente renovaste. É para ficar até quando?
A minha cabeça está aqui. Vejo o meu futuro a ficar no Benfica mas nunca sabemos o que vai acontecer, posso voltar à Argentina, mudar para outro sítio ou não sair até final da carreira. Mas o meu desejo hoje é ficar aqui e espero que se cumpra.

É o clube que te diz mais?
Sempre que posso, demonstro o meu amor e carinho. É um clube que significa muito para mim e que me deu as maiores alegrias. Espero sempre puder devolver tudo o que me deram e não escondo a minha disponibilidade.

Ainda te surpreendes por estares onde estás?
Desde que sou pequeno que o meu sonho era jogar na Europa. Hoje posso finalmente viver esse sonho a ser parte de um clube como o Benfica e é algo que me deixa sempre contente.

E, quando alimentavas esse desejo, qual era o teu ídolo?
O meu jogador favorito era Juan Róman Riquelme e sempre vai ser ele. É o melhor.

No campeonato português, qual é o jogador que te enche as medidas?
Gosto de muitos jogadores porque há muita qualidade no futebol português. Não consigo precisar um...

Dentro do Benfica, quem mais admiras?
O Lisandro [López]. É como se fosse meu irmão, está sempre comigo e estamos sempre juntos fora ou em casa, e até os meus filhos o adoram. Temos uma grande relação. Ele trata de mim, assim como eu trato dele.

E os tempos livres, como os passas?
Faço um pouco de tudo. Tento estar sempre acompanhado, com família ou amigas, e sempre em alegria. Comer fora, passear pelo Tejo ou ficar em casa e tratar de me divertir da melhor maneira.

Uma casa cheia de gente, portanto?
Sim, quase nunca estamos sozinhos. Sempre com amigos ou familiares que vêm da Argentina, além de termos a sorte de a família da Magui estar em Madrid, o que é muito importante. Ajudam-nos, apoiam muito.

Gostas de jogar futebol nas consolas?
Sim, muito!

O Salvio dos jogos é melhor ou pior que o da vida real?
Defendo-me muito bem na Playstation [risos]. Não sei qual é o significado disso, mas no grupo aqui do Benfica com o qual costumamos jogar, eles sabem bem do meu valor.

Voltando ao futebol a sério, qual é o teu golo favorito da carreira?
É um que fiz de calcanhar frente ao PSV Eindhoven pelo Benfica na Liga Europa [vitória por 4-1 em 2011, na primeira mão dos quartos-de-final], o primeiro de dois nesse jogo.

Costumas rever as tuas jogadas?
É hábito ver os jogos. Um dia ou dois dias depois vejo, o que é importante para mim para perceber onde posso melhorar.

É algo que os jogadores deviam fazer mais?
Depende da forma como cada um vive o futebol e como o sente. Eu sou assim, gosto ver e de corrigir pormenores. Cada um tem a sua maneira.

Já levas uns anos de Portugal. O que gostas daqui?
Adoro a comida portuguesa. Trato sempre de cuidar-me muito com a comida, mas o Bacalhau à brás sempre caiu bem. Peixe aprecio imenso.

És uma pessoa supersticiosa? Fazes promessas se o Benfica for campeão, por exemplo?
Não, sou tranquilo. Isso deixo para outros. É o nosso grande desejo para esta época: chegar ao 36 e ter um final feliz.

[Entretanto, Magali junta-se à conversa]

Tiago Miranda

O que pretendes mostrar com o Life by Magali Aravena?
Que a vida de mulher de futebolista não é tudo o que parece e dar a conhecer tudo o que gosto. Viajar, conhecer sítios novos, estilo e moda, por exemplo.

Vais mostrar um lado diferente de Portugal?
Sim, claro. A ideia é também que todos os seguidores possam compartilhar o que gostam no bloguw e eu mostrar o que gosto para que possamos interagir uns com os outros. É o que eu mais quero e das coisas que mais gosto. Para poder também descobrir o Portugal que não conheço.

E o Salvio, também está autorizado a participar na plataforma?
Ele está ocupado com o seu trabalho [risos]. Deixemo-lo estar a fazer o que faz bem mas vai haver partilha das nossas coisas. Uma das categorias é o amor e vou mostrar aspetos da nossa vida e da nossa história de amor, que é muito bonita, bem como vamos crescendo porque, na realidade, estamos a crescer juntos. Ele vai estar no blog mas contado por mim.

Gostas de futebol?
Agora sim, gosto muito. E fico muito nervosa. Já lhe indicações por isto e por aquilo, acho que já podia ser uma 'mister'.

Mas consegues ver o jogo calmamente?
Não, fico muito preocupada. Sobretudo depois do que aconteceu com ele. Confio cegamente nele e sei que é um grande jogador, mas foi um período que não passamos bem.

Falas das lesões, suponho...
Sim, foi muito complicado. Ultrapassámos juntos, com a família unida, que é o mais importante. Veio buscar força a nós os três [Salvio tem um filho e uma filha com Magali] e eu sei que isso lhe fez bem e com muito amor superamos tudo. Mas não foi fácil.

Torcem sempre pelo Benfica?
Claro, o nosso coração é benfiquista. A segunda palavra que o nosso filho disse foi “Ica”, para dizer Benfica!