Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

Cajuda: “Faço tudo para que gostem de mim. Mas não gosto que façam chichi no meu quintal”

Há oito anos decidiu não treinar mais em Portugal, não por ingratidão ao futebol que lhe deu de comer durante quase três décadas 30 anos. Aos 65 anos de idade, 35 de carreira, está de regresso à China, ao serviço Sichuan da II Divisão. De férias de Natal em Braga, onde levou o então Braguinha à Europa e fixou residência, Manuel Cajuda continua sem papas na língua. Diz que só por ignorância ou brincadeira se despede um treinador após dois meses de serviço, ou que o critério 'jovem ambicioso' prevaleça sobre a competência

Isabel Paulo

Comentários

Partilhar

O que está a fazer em Braga, nas férias de Natal, um algarvio que trabalha na China?
Sem o ter planeado, tornei-me um cidadão do mundo por opção. Há oito anos, não por ter nada contra o futebol português, decidi deixar de trabalhar cá. Não sou ingrato, nem mordo a mão que me deu de comer durante mais de 30 anos de carreira, mas o futebol nacional deixou de ser um desafio para mim. Os grandes, ou a seleção, que terá Fernando Santos pelo menos durante quatro anos, já não são para mim.

O última equipa foi o Guimarães?
O Olhanenense. O clube da minha terra e o que mais me martirizou em relação ao futebol. Decidi então alargar horizontes. Estive no Egito, no Dubai, na Tailândia e estou agora pela terceira vez na China. Quando estive na Arábia, as pessoas chamavam-me Manuel, o marroquino ou Manuel das arábias. Hoje digo que sou quase um cidadão do mundo. Vim passar o natal a Braga porque moro aqui há 22 anos, desde que vim para o Sporting de Braga; foi esta a minha decisão. A família é toda do Algarve, mas estive quase oito anos aqui, quase um terço da minha carreira desportiva. Comprei casa, os meus filhos cresceram aqui, fizeram os amigos aqui, a cidade é agradável e decidimos que aqui seria a nossa base.

A família acompanha-o mundo fora?
Andou sempre comigo. Coloquei a família sempre à frente do futebol. A minha mulher já esteve na China, e voltará um dia destes pelo menos por uns tempos, que agora também tem os netos. Sentimos que é importante acompanhá-los. O João está em Lisboa, inicialmente porque estava nos Morangos com Açúcar, acabou por fazer a faculdade lá e tem uma agência de viagens. O Hugo, o mais velho, é agente desportivo, e felizmente não precisa da ajuda do pai.

E como foi parar à China?
A primeira vez foi em 2013, como treinador do Chongqing. Em 2014 fui para o Tianjin. Agora o Sichuan Annapurna, todos da II Divisão. Fica em Chengdu, uma província do centro do país. Lá dizemos que fica próximo de Chongqing, mas lá o próximo são 2 mil quilómetros. A noção de distância é outra. Cheguei lá por intermédio de uns amigos do Hugo, conhecidos de um agente chinês que sabia de um clube que precisava de um treinador. Tive a sorte de gostarem de mim. A verdade é que para todo o lado onde vou faço tudo para que gostem de mim. Da segunda vez, foi através desse agente chinês, o senhor Shau, que voltou a contatar-me há um mês.

Finalmente tem um agente, depois de tantos anos avesso à ideia...
Não é meu agente, é um contacto pontual. Não é para dizer que sou mais sério do que os outros, mas sempre prezei muito a minha liberdade de escolhas. Agora, é evidente que o meu filho estando no meio, mais depressa arranja clube para o pai do que para outro técnico qualquer. E não tenho problema nenhum em dizer isso, até seria uma maldade privilegiar outro sabendo que tem em casa um treinador com a minha experiência e capacidade. E o meu currículo.

A que se deve este despertar da China pelo futebol? As contratações recorde sucedem-se em espiral, desde o Hulk ao Tévez, ou a corrida em curso por Pepe...
A atração dos chineses pelo futebol não é súbita, era até previsível. Só os mais distraídos é que não contariam com isto, depois de há uns 10, 15 anos, a Confederação Asiática ter decidido investir cada vez mais no futebol. Eu conheci o futebol-desporto, o futebol desporto-negócio, hoje negócio-desporto. Sendo um negócio, como é que alguém pode ficar impressionado que quem compra quase tudo ficasse indiferente ao futebol?

Começaram por investir em clubes europeus, a importação de craques a peso de ouro é mais recente.
Pode gostar-se ou não do regime, mas é inegável que os chineses são um povo inteligente. Perceberam que não há negócio maior do que o futebol. O Mundial de 2014 fez movimentar receitas da ordem dos 900 mil milhões de euros. Não há empresa, nem muitos setores a faturar isso. E perceberem que com as capacidades que têm em vez de investirem noutros países podiam importar para o país aquilo que de melhor se faz no epicentro do futebol mundial.

Mas existe um plano nacional concertado?
Existe, desde as escolas às academias e clubes. É preciso ver que o presidente da China, Xi Jinping, é um verdadeiro apaixonado pelo futebol. E já têm bases. Qualquer clube, desde as divisões inferiores têm grandes estádios e boas estruturas. Já em 2013, o jogador mais caro do mundo jogava na China, o argentino Conga, que é um jogador quase desconhecido. Agora vai o Tévez para o Shangai Shenhua e será o mais bem pago do planeta.

Fala-se em 40 milhões de euros/ano.
Já ouvi 80 milhões. Não é caso para espantar, pois estamos a falar da segunda economia mundial. Não sabemos o que o futuro trará mas tem tudo para se tornar numa potência futebolística.

Os primeiros a chegar foram os treinadores? Scolari, Pellegrini, Erikson, recentemente Villas-Boas...
Julgo que foi um movimento simultâneo. A grandeza deles não tem limites. Em Portugal, muitas pessoas dizem que é desprestigiante, o final de carreira....

E não é um desterro pago a peso de ouro?
Não. Se o Erikson treinasse aqui uma equipa de II Divisão seria considerado uma vergonha. Lá é um enorme investimento para tornar um clube grande. Eles têm caminho e condições para andarem. O que precisam é de gente com conhecimentos de futebol e de organização desportiva. Querem fazer escola com os melhores, pois no futebol ainda levam o atraso de mais de 30 anos em relação a Portugal, por exemplo. Não era mau, mas era limitado. E evoluímos muito mesmo sem poder económico. Costumo dizer-lhes que somos um país com 10 milhões de habitantes e temos o melhor jogador, o melhor treinador – agora, depois da merecida consagração de Fernando Santos – e o melhor agente do mundo. Até onde poderá ir um país com 1 mil milhões de habitantes?

Não sendo um desprestígio treinar na China, mesmo assim não ficou surpreso que André Villas-Boas tenha trocado tão novo o grande palco europeu pelo emergente futebol asiático?
Sei que o que o que os portugueses pensam é que largou uma carreira de futuro por dinheiro. Que os treinadores só pensam no dinheiro, como se fôssemos mercenários.

E não conta muito, numa carreira incerta e curta?
É evidente que o dinheiro é importante. Eu sei que o Villas-Boas teve um convite de umas melhores equipas da Europa, em Itália. E optou pela China. As pessoas interrogam-se, há quem olhe para nós como mercenários, mas não me parece que tenha ido só por dinheiro. Felizmente para ele a vida correu-lhe bem em termos financeiros, até vem de famílias abastadas. Pode haver quem diga é rico, que tem a ganância do dinheiro. Eu acho que não terá sido só isso, pois acredito que tenha escolhido algo que para ele é apaixonante.

Tal como?
Tal como para mim nesta fase, é mais importante fazer algo em que possa deixar marca. É outra forma de encarar a profissão. Eu tenho agora a possibilidade de fazer crescer um clube, como o fiz em Braga, quando ainda era o Braguinha e não o enorme Braga, fui buscar o Vitória de Guimarães e coloquei-o na Liga dos Campeões. Não quero ser vaidoso, mas também não gosto que façam chichi no meu quintal. Mais do que palco, julgo que o André, como eu próprio, estará mais interessado em criar obras unipessoais.

Mais do que sujeitar-se a ser corrido de um grande quando não há resultados....
Isso é mais no futebol português, onde há muita vaidade pessoal, muitos dirigentes autistas. Em Inglaterra, o Wenger não ganha nada há muitos anos e continua. Em Portugal contrata-se e passado dois meses despede-se o treinador.

Dez já esta época.
Vou dizer o que disse há 10 anos, não é por agora estar na China. Traçar o perfil, escolher e, logo depois, mandar o treinador para a rua é ignorância, incompetência ou brincadeira. São verdades que as pessoas não gostam, mas não é agora que vou ser politicamente correto. O erro é de quem dirige, não os empregados. Tenho 35 anos de carreia, sou dos mais velhos no ativo e nunca fiquei um ano sem trabalho, por isso estou à vontade para falar. Ainda há pouco ouvi um presidente que disse que queria contratar um treinador ambicioso. Pensei para comigo: “ambição não é condição para ser treinador”. Tenho muitos amigos que são ambiciosos e não percebem nada de futebol, são médicos engenheiros, trolhas e carpinteiros. O que deviam querer é um treinador competente. Só em Portugal é que ser jovem e ambicioso é uma condição para se ser treinador. E não vejo que depois dos 50 diminua a ambição. Ou lhe valha mais ter um empresário do que um bom currículo.

Está mesmo desencantado com o nosso futebol...
Não, é a realidade. Veja a facilidade com que hoje se chega à I Liga sem se ter feito nada por isso. Sabe quantos anos trabalhei, e muito, para levar uma equipa à Europa? Muitos e levei várias equipas sem treinar os grandes. Hoje chegam e sem levarem as equipas à Europa, vão às provas da UEFA. Não tenho nada contra, o que não me impede de ter olhos para ver. Estive nove meses sem trabalhar, porque os convites não me agradaram e os que agradavam não chegaram. Não sou frustrado e não vale a pena terem pena de mim, que estou onde quero. Não ganho, nem me interessa se outros ganham mais; não quero ser o homem mais rico do cemitério.

Já disse que chegou a ter a possibilidade de treinar um grande. Recusou porquê?
Não me leve a mal, mas não há entrevista que não me façam a pergunte porque não cheguei a um grande. Parece que isso me dá um atestado do incompetência ou menoridade. Não, pois treinei grandes clubes. Na altura em que tive para treinar clubes grandes não eram o que são hoje. O Benfica, por exemplo, e estou à vontade porque toda a gente sabe que sou benfiquista, não estava lá este presidente. O Benfica era um clube em convulsão diária. Preferi a minha estrada. Estava no Braga, disseram-me para não renovar, mas disse não e fiz aquilo que o meu coração gostava.

O que ainda o faz treinar?
Como em Portugal me consideram velho, então decidi com a minha família que iria tratar da minha velhice para fora. Quando decidir deixar de exercer funções, e não me vou arrastar pelos campos, serei muito jovem para começar outra atividade, que já a tenho na cabeça.

Qual?
Há 15 anos, disse que quando tivesse 60 anos queria ir para o futebol de formação. Queria um lugar para ensinar jovens e fazer novos jogadores. Até hoje nenhum clube me convidou. No fundo é aquilo que estou a fazer na China com jovens seniores. Gosto de treinar porque continuo a aprender. Tenho agora uma pré-época que me obriga a reconverter conhecimentos. Gosto de estudar, só não fui para o ISEF porque os meus pais não tinham dinheiro. O meu pai tinha uma pequena loja/oficina de bicicletas, não me deu grandes estudos mas obrigou-me a fazer o antigo 5º ano antes de me deixar jogar futebol. Na altura revoltei-me, obedeci e agora digo que tinha razão. Um dia um jovem após uma palestra perguntou-me: mister acha que vou ser bom treinador? Respondi-lhe que se dali a 10 anos se conseguisse rir de si próprio, seria um bom treinador. Ele ofendeu-se. Eu rio-me do que fiz há 20 anos, dá-me vontade de rir. Percebo que fazia o que era o máximo na altura, mas longe do que se faz hoje. Como não tinha a componente teórica e mais científica do futebol quando comecei a minha carreira, sabe o que fiz? Em cinco anos trabalhei com cinco preparadores físicos saídos da faculdade. A todos disse que era um ano e que no próximo queria outro para apanhar o que sabiam. E nunca mais parei. Tudo o que seja novidade, vou ver.

O que evoluiu? As tácticas?
Todos os sistemas tácticos são mais velhos do que eu. Evoluiu a preparação física, metodologia de treino, gestão do rendimento, etc. Nunca fui de grandes pastas e papéis como vejo alguns carregarem. Agora limito-me ao meu iPad. Não conheço nada melhor, com um dedo movimento os meus planos de treino. A primeira vez que viram com iPad em Leiria, habituei-me a trabalhar assim nos Emirados Árabes, riram-se e catalogaram-me de vaidoso. Olha o artista! Aqui o que ainda falha são os relvados, coisa que não acontece em Inglaterra ou na China.

Voltando à China. Diz-se que o próximo a seguir viagem para o império dos milhões é o Pepe...
Parece-me que sim. E não me surpreende. Precisam de ídolos, o caminho certeiro para levar gente aos estádios e levar os miúdos a apaixonar-se pelo futebol em vez de outras modalidades. Têm ídolos na ginástica, no atletismo, etc, e têm agora a possibilidade de verem ao vivo grandes futebolistas. Quem é que em Portugal tem capacidade para ir buscar um Pepe, Jackson Martínez, Tévez ou Hulk? Eles podem e vão...Vou fazer uma inconfidência do meu presidente, que não me pediu segredo. Disse-me que gosta muito do futebol do Barcelona. Respondi que se quer a equipa a jogar à Barça então que compre o Suárez, o Messi e o Neymar. Sabe o que ele disse? Ponha o clube na I Divisão que não é impossível.

Já foi divulgado que há clubes interessados em Rooney e Messi, que terá tido uma proposta de 500 milhões de euros por cinco anos de contrato.
Sim, 100 milhões/ano. Fui o que ouvi na China. Tem propostas do Guandzhou, do Scolari, e do Shanghai SIPG, de Villas-Boas. Nem devíamos ficar surpreendidos, atendendo a que chegam aqui e compram a EDP e os bancos, e o que mais queiram. Não vejo porque a Ásia não queira ficar foram do negócio futebol.

Vive num hotel ou casa própria?
Num apartamento.

Levou adjuntos?
Levei. É um caso curioso, diferente da nossa mentalidade. A propósito de treinadores mais antigos e jovens. Nunca serei contra os jovens porque fui dos mais jovens a estrear-se na I Divisão. Mas hoje que tenho 65 anos, tenho uma leitura completamente diferente e a cultura chinesa enquadrou-se no que penso. Aqui não me incomoda que com 65 anos me olhem como ultrapassado, não quero saber do que possam pensar. Pensem bem ou mal de mim não me aumenta nem prejudica os meus conhecimentos. O curioso é que na China privilegiam a idade média da equipa técnica. Disseram-me que estavam muitos satisfeitos por me contratarem pelo meu conhecimento e a experiência, que os novos não têm. E eu disse que isso era capaz de não chegar, no meu país não chega. E responderam que eu tinha um preparador físico com 30 anos, um tunisino que conheci na China da primeira vez, um adjunto também mais novo, o Flóris que é holandês e viveu em Portugal, e concluíram que a equipa técnica tinha uma média de idades de 46 anos. Eu para eles sou o manager, o conselheiro, o supervisor.

Todos estrangeiros...
Com o exceção do treinador de guarda-redes que é chinês. Para todos os sítios onde vou, faço questão de ter um treinador local. Há duas coisa que os portugueses têm de se orgulhar, que é a capacidade de se adaptar e ensinar. Eu quando comecei aprendi muito com Hristo Mladenov, ex-selecionador da Bulgária, veio para o Farense e foi como um pai para mim. Quando comecei, éramos 17 treinadores estrangeiros e três portugueses. Isso em 1983/84. Hoje é raro termos estrangeiros. Trabalhámos e evoluímos muito para a realidade seja esta. Daí fazer questão de ter alguém local para que também eles possam evoluir.

E ajuda na barreira da língua...
Sim, além da vantagem que é conhecerem a mentalidade local. Quando cheguei ao Zamalek e vi interromperem o treino para rezarem, pensei isso comigo iria acabar. Sou profissional, não tenho nada a ver com isso. E o conselho do meu adjunto, egípcio, foi logo para não me meter nisso e respeitar. E respeitei. No Dubai cada vez que ouvia chamarem para a reza, eu era o primeiro a fazê-lo. E era aplaudido por isso.

E rezava?
Fazia os gestos. Já disse que faço tudo para que gostem de mim. Quando se fala de futebol cada um pensa nos seus conhecimentos como se o resto fosse areia. No Dubai cheguei a treinar com 48 graus, há necessidade de os treinadores evoluírem ao ponto de se adaptarem à realidade. Mesmo num país tão pequeno como o nosso há diferenças entre o homem do sul e do norte. Os princípios do treino desportivo têm de ser específicos. A China em termos de treino desportivo não é um país atrasado, é dos mais medalhados do mundo.

E são dotados para o futebol?
São. A minha equipa é é tecnicamente boa, que é a condição maior do futebol. Quem não sabe jogar à bola, não joga por muito boas que sejam as tácticas. Serão sempre uns toscos, uns postes. E depois têm a possibilidade para contratar grandes jogadores...

Quem é o dono do seu clube?
Sei que foi comprado há dois anos por uma grande empresa, não sei de que setor. O investimento no futebol é generalizado, não se um ramo de negócios específico.Quando me pergunta se fui para um clube pequeno, digo que não sei. Se me falarem é projeto e ambição, o Sichuan é um clube grande, para chegar à I Liga daqui a três anos.

Já há escolas de futebol na China?
Já. o plano é serem uma grande potência do futebol. Eu acredito. A primeira coisa quando cheguei lá no início de dezembro foi ir a uma escola de futebol dar uma palestra, a mais de 200 quilómetros. Faz parte do meu contrato. E têm equipas também de miúdas com oito, nove anos, em que o futebol faz parte do currículo escolar. O futebol vai disparar, até porque têm uma base de recrutamento incrível. Claro que há bases culturais que precisam ser mudadas, como os hábitos alimentares pré e pós competição. No Braga, em 1986/87, contratou-se uma nutricionista para os atletas não cometerem erros. Na altura houve quem ficasse escandalizado por ter escolhido uma nutricionista e um psicólogo para integrar a equipa técnica. Em Tianjin, fiz uma aposta com os jogadores: não venho mudar a vossa cultura, mas vamos experimentar uma alimentação regrada como se faz na Europa e depois digam-me ou não se é para continuar. No fim concordaram que era positivo. Foi uma vitória para mim.

E em matéria de crenças religiosas há cultos que prejudiquem a preparação?
Não. São maioritariamente budistas, como na Tailândia, mas lá notava-se mais. Raramente íamos a um jogo sem que fosse orar a um templo. Aliás, quase todos os estádios têm um pequeno templo próximo. Eles iam lá colocar incenso, eu também ia, mas isso não prejudica nada. Na China, o conceito de repouso é diferente, descansam menos.

Já fala chinês?
Quase nada. É dificílimo. E também tenho a minha dose de preguiça. Tenho um tradutor quase sempre ao mesmo serviço. Esteve oito anos a trabalhar numa empresa de construção civil em Angola. Há ainda pouca gente a falar inglês. Em Chongqing só nos bancos encontrei alguém a falar inglês. Em Tianjin era normal um taxista recusar-se a levar-me a qualquer lado. Por ser estrangeiro.

E quando sabem que é português, qual é a reação?
Cristiano Ronaldo. Mesmo que dito com dificuldade. Há dias tive lá uma surpresa agradável numa loja de desporto. A funcionária conheceu-me, embora sem saber o meu nome. Foi à internet descobriu uma foto minha. Fiquei todo satisfeito. A seguir clicou no Ronaldo e disse que sabia que era do país dele. É o cartão de visita...

Ele ainda acaba na China.
Não acredito. Ele fez uma gestão de carreira magnífica. E quando se faz um contrato com o Real Madrid por mais cinco anos e dizem que não é o último, é porque algo maior aguarda-o. Mesmo quando deixar de jogar será um símbolo como Dí Stefano, maior do que Beckenbauer. A imagem dele não se vai esgotar no futebol. Não me surpreenderá que um dia seja presidente do Real Madrid ou da FIFA. Temos a mania de bater no que é nosso. Quando estive no Marítimo, almocei com o pai dele algumas vezes e percebi que aquele miúdo tinha algo de muito especial. De origens tão humildes, veio para Lisboa sozinho, depois novo para Manchester e nunca se perdeu. Ao contrário de outros. Maradona era um ídolo e perdeu-se.

E o que vai fazer quando deixar o treino?
Gostava de ser comentador de futebol numa televisão, rádio ou imprensa portuguesa. O que aliás já fiz, nos seis meses em que estive desempregado. E gostava de escrever um livro. Grande certamente, que tenho histórias deliciosas para contar.

Conte uma.
Duas. Uma vez em Braga, um jogador estava a jogar tão mal (não vou dizer quem, nem o jogo para já) que, apesar de já ter feito todas as substituições, disse-lhe para sair. Ficou atónito, disse-lhe para dizer ao árbitro que estava com problemas de intestinos. E lá saiu. Fiquei com 10 em campo e ganhámos o jogo. Outra episódio que me surpreendeu foi no Farense, após perder por 7-1 com o FC Porto. Antes do jogo, o então presidente, Fernando Barata, perguntou-me qual era a equipa. Disse-lhe que fosse ao jogo no domingo ou comprasse o jornal da segunda-feira. Quando me chamou ao gabinete pensei logo que ia ser despedido. Afinal, só queria dar-me um abraço.