Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

Nuno Manta dos Santos: "O treinador português é superinteligente. Sabe trabalhar o músculo principal do jogador, que é o cérebro"

Duas décadas depois de treinar todos os escalões jovens do Feirense e de se sentar no banco do plantel principal como adjunto, Nuno Manta dos Santos tomou as rédeas da equipa promovida pela quinta vez à I Liga, sem nunca aquecer o lugar por mais de uma época. Na sua cadeira de sonho aos 38 anos, o treinador que promete nunca falar de arbitragens está a oito pontos de fazer história em Santa Maria da Feira, esconjurando o provérbio que santos da casa não fazem milagres

Isabel Paulo

Partilhar

Esquiva-se a entrevistas. Por timidez?
Procuro não aparecer muito. Sou reservado na minha vida pessoal e profissional.

Chama-se Nuno Miguel Manta Ribeiro dos Santos. Diz-se que santos da casa não fazem milagres. Está no Feirense há 20 anos e quer ser o milagreiro da manutenção, um feito inédito já que a equipa desceu sempre a seguir à subida...
É o objetivo de toda a gente nesta casa, não é só o Nuno Manta Santos. Sou um apaixonado por matemática, por ser uma ciência exata. Gosto, porque o que é, é. Estamos em 13º lugar, faltam oito pontos para a permanência histórica.

Passou a treinador principal no dia 30 de dezembro, sucedendo ao experiente José Mota. Ter ganho ao Paços de Ferreira e empatado com o Porto, como interino, valeu a alforria no banco?
Ajudaram os resultados e o trabalho que fiz nesse intervalo em termos de organização e preparação para os jogos. Fez que o meu nome tivesse mais peso na decisão da SAD...

Além da pressão da petição dos sócios no Facebook...
Não sei quem a fez, mas terão sido adeptos a apelar à minha escolha. Não sei quantos assinantes a subscreveram, nem sei se a direção teve disso conhecimento.

Nesse compasso de espera disse que gostava de ficar na cadeira de sonho.
Disse-o em resposta a um jornalista que perguntou se gostava de ser o técnico principal. Claro que não ia dizer não, se me dessem oportunidade.

Colocou o dedo no ar?
Não, até porque é um tipo de decisão ponderada e tomada de livre vontade pela SAD. Que sabe o que é melhor para o clube e sem pressões.

Tem 38 anos e está no Feirense há 20, uma longevidade estranha no futebol português.
Vai fazer 20 anos em outubro. Nasci em Oliveira de Azeméis, aqui ao lado, e vim viver para Santa Maria da Feira aos 13 anos.

Jogou futebol sem passar dos escalões amadores...
Joguei em Sanfins na formação, mas iniciei-me no desporto no andebol da Sanjoanense e só então passei para o futebol aqui no Feirense. Como não tinha grande talento e os colegas eram bem melhores fui para Sanfins e a seguir para a Juventude Atlética Amigos do Cavaco, que é um lugar aqui próximo, da I Divisão Distrital de Aveiro. Também fiz natação como federado e ginástica no Futebol Clube de Gaia até entrar aos 18 anos na faculdade.

Começou como guarda-redes e numa época sofreu 115 golos...
É fácil de explicar. Era guarda-redes no andebol, mas as balizas no futebol de 11 são bem maiores. Estava nos juvenis e os adversários eram muito fortes. Lembro-me de ter jogado contra o Ricardo Sousa que estava na altura na Sanjoanense.

Foi o que o fez mudar para o meio campo?
Não, até porque fiz-me um guarda-redes interessante. Senti necessidade de experimentar ser jogador de campo.

Sempre quis ser treinador?
Acho que sim. Por isso, fiz Educação Física, no Instituto Piaget, em Gaia, acumulando a função de treinador das camadas jovens do Feirense, aulas de Educação Física em escolas básicas e num ginásio. Fiz o resto da formação no FCDEF e os cursos de futebol até ao IV nível.

Foi estudante-trabalhador por opção ou necessidade?
Por gosto e também necessidade de trabalhar.

Como é que vai parar à Amadora?
Foi onde fui colocado como professor. Recusei ir para a Madeira e já não podia rejeitar outra vez. Estava aqui a trabalhar com o mister Henrique Nunes na formação e vinha cá dois dias por semana. Passei a cliente frequente do Alfa Pendular. O trabalho nunca me meteu medo. Nem a disciplina, organização, rigor e prazer naquilo que se faz. Digo isto muitas vezes: é preciso ser-se um bom profissional. Pode-se não ser muito bom num aspeto ou outro, mas tem de se ser sempre um bom profissional. Quando se cola o rótulo de mau profissional tudo se torna mais complicado.

De quem herdou o brio profissional e sentido de exigência? Do pai ou da mãe?
Os meus pais separaram-se quando tinha dois anos e fui criado pelos meus avós até aos 13 anos, quando a minha mãe e o meu padrasto voltaram de Moçambique. Os meus avós tiveram 14 filhos, o que obrigava a algum rigor, horas eram horas, e muito respeito pelo que diziam os mais velhos. Aprendi cedo que trabalho é trabalho, copo é copo, ou brincadeira.

Joga hoje em Setúbal, depois de terem perdido pela margem mínima (1-0) com o Benfica. Um resultado que deu confiança à equipa?
Vamos para todos os jogos com otimismo e vontade de ganhar. É a cultura do clube.

É muito diferente ser adjunto e técnico principal?
Muito. Como técnico principal tenho de gerir todos os elementos que fazem parte do pantel, dos jogadores aos adjuntos, ao departamento médico. Ser a cabeça de tudo e criar bom ambiente para que as coisas funcionem. É outra responsabilidade.

Em que pele se sente melhor?
Claro que como treinador principal. Foi para isso que trabalhei e estudei. Foi sempre este o meu objetivo.

Disse numa entrevista recente que gostaria de ficar para sempre no Feirense. Uma ambição sentida ou uma forma de cortesia?
Uma forma de dizer que me sinto bem nesta casa e que seria bom sinal ficar aqui por muitos anos. Mas sei que neste ramo, como dizem muitos colegas meus, temos de ter sempre a mala pronta. Se acontecer, é a vida.

O Feirense tem condições estruturais para se fixar entre os grandes sem ser de forma esporádica?
Acredito que o clube tem todas as condições e o Nuno Manta também.

Há algum treinador com quem se identifique mais?
Tento aproveitar as ideias boas de alguns colegas de profissão, dando-lhes um cunho pessoal. Cada treinador é único. Admiro os técnicos italianos, como defendem, e os ingleses, em termos de velocidade e capacidade ofensiva. O treinador português é super inteligente. Sabe trabalhar o músculo principal, que é o cérebro, e põe o jogador a pensar, português ou não. Independentemente da nacionalidade, os jogadores vêm para cá e normalmente crescem aqui, antes de dar o salto para a Europa.

Na sua equipa, coabitam brasileiros, nigerianos, um grego, jogadores de seis nacionalidades. Temos estrangeiros a mais?
Temos o que a lei permite, não há como contrarirar.

Herdou uma equipa em andamento. Já tem o seu ADN?
Em janeiro houve dispensas e empréstimos, e contratámos cinco atletas. E tive influência nessa escolha. Fui eu que os indiquei. Tenho um plantel muito equilibrado e competitivo.

Não teme perder jogadores influentes, como o Platiny ou o Karamanos, e desfalcar a equipa?
Estamos sujeitos a isso, porque temos emprestados que devem regressar à origem. O Karamanos é do Olimpiakos, o Tiago Silva e Ricardo Dias são do Belenenses, não sei se o Platiny é nosso ou se veio emprestado do Brasil. O facto de no final da época os jogadores serem cobiçados, é sinal que o plantel trabalhou bem. Não é só mérito do atleta, mas de toda a gente.

É supersticioso?
Não, mas é curioso que o meu primeiro contrato como adjunto no Feirense tenha sido assinado a 30 de dezembro, antes de um jogo-treino com o Penafiel, então na I Liga e treinado por Luís Castro, onde jogava o Clayton. Foi ainda a 30 de dezembro que assinei pela primeira vez com os seniores em 2004. E 16 anos depois, voltou a ser precisamente nesse dia que cheguei a treinador principal. Há coincidências curiosas.

Apesar de não o ser de facto, era o Nuno que já constava como treinador principal porque o Pepa não tinha curso de IV nível. Como isso o inibia de estar no banco dos sub-19, é verdade que inventou um andaime para orientar a equipa?
Não inventei andaimes. Já existia a estrutura no Complexo Desportivo para filmar os treinos, que é fundamental para analisar os exercícios. É uma perspetiva que nos permite fazer correções e ver se os jogadores treinaram ou fizeram que treinarem, ver quem corre e quem anda a passo. E ficámos com provas para chamar a atenção. Quase todos os clubes têm essas estruturas amovíveis.

Também é uma lenda que uma vez só colocou 10 nomes na lista de titulares?
O que aconteceu é que numa palestra, já há uns anos, só escrevi 10 nomes e um a letras mínimas. 'Falta um', diziam. 'Está aqui', apontei. 'Não se consegue ler', reclamaram. E lá expliquei que era o Dioguinho, mas como não andava a jogar nada também não se via na convocatória. Acabou por fazer um bom jogo, marcou um golo. São estratégias motivacionais, o mais difícil no futebol. Não há dois jogadores iguais. Gritar ou dar uma ordem dura a um atleta pode resultar num jogador e ter efeito contrário com o colega ao lado.

Uma das máximas de José Mourinho é que não se pode tratar os jogadores por igual.
As regras de disciplina têm de ser iguais para todos, o resto é preciso individualizar o mais possível.

Nos juvenis, conta-se que mostrou um vídeo de belas mulheres...
Já tinham visto outros vídeos de observação de jogos e resolvi mostrar um mais atrativo para voltar a ter a atenção deles. Riram-se. E voltámos ao que era importante.

Dorme melhor antes ou depois dos jogos?
Antes durmo pouco. Depois custa-me adormecer. No jogo com o Benfica só dormi lá para as 3h ou 4h da madrugada. É o stress pós-competitivo.

Fica a remoer o que correu mal?
Não, nem gosto de falar depois dos jogos. Gosto de rever o jogo 24 ou 48 horas depois como espetador e não treinador. E só então falar do que há a corrigir. E é esse o conselho que dou aos jogadores. É preciso olhar para a frente, não ir abaixo com o que se fez mal.

Se, e quando acontecer, prefere continuar em Portugal ou tentar o estrangeiro?
Não tenho fronteiras nem barreiras, estou aberto a tudo. Mas gostava mesmo de consolidar o meu nome no Feirense e o clube na I Liga.

A máxima da mala pronta e chave do carro no bolso, proferida, entre outros, por Rui Vitória quando estava no Guimarães, é mais atual do que nunca numa época em que já houve 12 despedimentos (e duas saídas de mote próprio). Esta gestão resultadista faz sentido?
Não vou falar dessas decisões. Só quem está na liderança dos clubes é que sabe. O que se passa no futebol é reflexo do que se passa numa sociedade atual que valoriza, acima de tudo, os resultados e o rendimento. O que é válido para as empresas, comércio. Se um vendedor ou mediador imobiliário não atinge objetivos, é despedido. O mercado funciona assim, a diferença é que no futebol há mais mediatismo. Até se pode ser um excelente treinador, a equipa jogar bem, mas se não ganhar o mais certo é ir para a rua.

Arsène Wenger está há 20 anos no Arsenal, Ferguson eternizou-se no Manchester United...
Há culturas diferentes, mas mesmo em Inglaterra os despedimentos são cada vez mais frequentes. Veja-se como o Wenger está a ser contestado. Agora, é esperar para ver se quem manda vai resistir à mudança.

Incomoda-o ouvir comentários por parte de quem nunca foi treinador?
Não costumo ver esse tipo de programas. Só quando me falam de algum acontecimento em especial é que vou espreitar o que se passou, como aconteceu domingo depois de alguém na RTP 3, a seguir ao jogo com o Benfica, ter dito que 'aquele menino da Feira percebe de futebol'.

Quem foi?
Não sei o nome. Não ligo a programas como o Trio d' Ataque, o Prolongamento ou o Dia Seguinte, não por desconsideração aos comentadores ou jornalistas, mas por ter pouco tempo. Prefiro dedicar-me à minha mulher e filha, que tem sete anos. A família é fundamental.

Tem algum hobby nos tempos livres?
Vou ver desporto e jogos de futebol [risos] da formação ou do Inatel. Até dezembro ainda dava uns toques nos Inatel. Jogar com os amigos é o meu ATL, um divertimento. Toda a gente deve ter o seu tempo livre, um tempo para si.

Não fala de arbitragem por princípio ou porque ainda não teve razões de queixa?
Não falo de arbitragens e árbitros, nem o tenciono fazer.

Nem quando sentir que foi muito prejudicado?
Não. Os árbitros têm observadores e avaliadores, a quem cabe analisar os erros e o seu comportamento no jogo. Se estiveram mal, não sou eu que os vou avaliar e nem penalizá-los.

Esta época já houve 35 agressões a árbitros. Os dirigentes são os grandes responsáveis pelo clima de intolerância?
São os resultados. Só sobrevive quem ganha. É o princípio da seleção natural de Darwin. O que vinga é o mais forte. E esta revolta contra os árbitros é movida pela procura dos resultados. Já viu alguém ganhar e queixar-se do árbitro? Eu nunca vi [risos]. Mas concordo que tem de haver contenção por parte de quem dirige, treinadores e jogadores. É a mensagem que passo.

Sábado, a equipa de Rui Vitória venceu, o que não inibiu que alguns adeptos do clube de lançar petardos e queimarem cadeiras, o que pode obrigar o Benfica a pagar quase 17 mil euros de multas...
O lançamento de tochas e petardos não é culpa das arbitragens, nem do Benfica, que, tanto quanto sei, não tem claque legalizada. A segurança é pública. A PSP não pode deixar entrar no estádio objetos que não são permitidos, até porque, entrando, vão dar-lhes uso. Felizmente não aconteceu uma tragédia, num estádio em que as bancadas são muito próximas do relvado. Foi um milagre as tochas não terem atingido um jogador, treinador, fotógrafo ou apanha-bolas.

Sentiu-se intimidado?
Não me senti, mas os jogadores ficaram um pouco receosos e retraídos por verem que não houve intervenção rápida das forças de segurança, até porque violência tende a gerar mais violência. Mas não vou dizer mal dos adeptos do Benfica, que apoiaram e motivaram a sua equipa.

Vai ser um campeonato competitivo até ao fim entre Benfica e FC Porto?
Nem um nem outro vão facilitar até ao fim, pelo menos até ao clássico da Luz e ao Sporting-Benfica, jogos que podem decidir o campeão. Como também defendo que basta o Benfica ou o Porto terem dois desaires e o Sporting ganhar para a luta ser a três. Ainda faltam 30 pontos, muitos jogos. Matematicamente, nada está resolvido.

O que mudou no FC Porto para estar a um ponto da liderança?
Acreditaram no trabalho do Nuno Espírito Santo e no plantel, o resto começou a fluir...

Afinal, vale a pena ter paciência.
Poderá valer. O Benfica trabalhou muito bem desde início, teve dois desaires na altura em que o pode e deu a volta, o que acabou por dar outra dinâmica ao campeonato. No Sporting, julgo que derrotas inesperadas retiraram confiança aos jogadores, o que gerou mais resultados negativos.

Palavras-chave

Partilhar