Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

Carlos Queiroz: “Sistema? Isto hoje é queijo fresco”

Há treinadores que chegam a selecionadores e selecionadores que são treinadores. Queiroz é dos segundos. Campeão do mundo duas vezes, treinou Portugal e outras seleções, o Sporting e o Real Madrid pelo meio. Agora, acaba de qualificar o Irão pela segunda vez consecutiva para um Mundial e são já quatro as equipas que pôs em campeonatos do mundo (Áfrifca do Sul, em 2002, Portugal, em 2010, Irão, em 2014 e 2018). Mas quem é que está a contar? A Tribuna Expresso: Queiroz igualou o recorde histórico Walter Winterbottom (qualificou a Inglaterra para os mundiais de 1950, 1954, 1958 e 1962), é o quarto selecionador, ex aequo, com mais vitórias (53) em jogos oficiais, atrás de Joachim Löw (69), Carlos Alberto Parreira (57), Lars Lagerbäck (54) e em igualdade de circunstâncias com Vicente Del Bosque (53). Além disso, a equipa iraniana é a melhor selecção asiática do ranking FIFA desde que o português lá está, não perde um jogo desde janeiro de 2015 e carimbou o passaporte para o Rússia2018 sem sofrer um único golo. Senhoras e senhores, o professor Queiroz

Pedro Candeias

FOTO António Pedro Ferreira

Partilhar

Carlos Queiroz recebeu-me na Áustria para uma conversa de quatro horas e meia que atravessou a longa carreira — “treinei o Fernando Santos, não abona muito a favor da minha idade” — do homem que ficará para sempre como o pai da Geração de Ouro.

Quero começar pelo seu pai.
Eu não tenho um pai, tenho muito mais do que um pai. Fomos muito mais íntimos e amigos do que um pai é de um filho, talvez pela ligação ao futebol. Ele também foi futebolista e até jogou com o Matateu [símbolo do Belenenses]. Muitas vezes, eu nem o trato por pai, mas por Júlio. E ele trata-me por Don Carlos.

Don Carlos?
Sim [risos]. Eu às vezes até o trato por Julinho.

O Carlos é parecido com o pai ou com a mãe?
Se sou alto é porque saí ao lado dos meus avós maternos; os olhos claros são do lado do meu pai. Mas eu sempre estive ao lado do meu pai, porque ele apoiou-me sempre na minha vertente do desporto. É que, numa determinada altura, eu nem tinha grandes notas, não encontrava motivação.

Faltava às aulas?
Não, eu não faltava às aulas, estava a cumprir uma missão de serviço [risos]. Não entendia não ir às aulas como faltar às aulas — os outros é que faltavam. Nunca fui uma pessoa de confundir prioridades, e entre ir às aulas ou ir jogar futebol, escolhia sempre a bola [gargalhada]. Os meus pais não concordavam muito, mas pronto. Eu andava na escola primária e sentia que tinha vocação para liderar: organizava as equipas, fazia as listas durante as aulas, se calhar até porque percebi cedo que não ia chegar longe como futebolista. Lembro-me de apanhar valentes reguadas da professora Alzenda por causa disso. O número de reguadas equivalia ao número de jogadores, e eram bastantes.

O Carlos jogava à baliza?
Sim, mas eu queria era mesmo ser avançado. Em Nampula, ainda me lembro de jogar com o Ricardo, que jogou no FC Porto. Mas também havia o Costa Pereira, falava-se do Eusébio. Não havia televisão nem imagens. Nós construíamos as imagens dos jogos através do que ouvíamos dos relatos da rádio e das revistas que o meu pai assinava, uma delas, a “Football Magazine”. E também o jornal “A Bola”, que chegava a Moçambique uma semana depois de ter saído em Portugal. Nós líamos as antevisões dos jogos quando os jogos já tinham sido disputados. A minha mãe não me queria deixar ouvir os relatos da Emissora Nacional, porque havia uma incompatibilidade pedagógica: as aulas eram às sete da manhã, os relatos às onze e tal, meia-noite. Eu, às escondidas, levava o rádio para debaixo da cama e ouvia o Artur Agostinho: “Aí vai o Benfica, o Eusébio com a bola, e vai, e vai, e remata e... shhhhhhh [som de uma rádio dessintonizada]”. O sinal era tão fraco. No dia seguinte, com as descrições verbais dos relatores, nós tentávamos imitar o que tínhamos ouvido na véspera. “Mata no peito!” — sabíamos lá nós o que era isso de matar no peito. “Mete a bola em profundidade” — o que seria isso? As imagens sonoras tinham uma força incrível.

Quantos é que viviam na vossa casa?
Eu, a minha mãe, o meu pai e o meu irmão, que veio a morrer num desastre de automóvel. Eu tinha 18 anos e ele tinha 14 quando isso aconteceu. Marcou-me. Afundei-me e tive muitas dificuldades em recuperar.

Sentiu-se culpado?
Eu estava perto de onde aquilo aconteceu. Ficamos eternamente com este sabor amargo. Talvez tenha tido aquilo a que hoje chamamos depressão; as minhas rotinas alteraram-se, chumbei, estive para não entrar para a Faculdade. Acontece que o espectro da Guerra funcionou como uma pressão positiva — mais do que tudo, eu queria fugir à tropa e ir para um dos INEF [o extinto Instituto Nacional de Educação Física] em Portugal, porque em Moçambique nunca chegaram a arrancar no meu tempo. E então, dá-se o 25 de Abril, venho para Portugal, em janeiro de 75, fui para o desemprego, treinei em clubes na zona de Castelo Branco e Alcains, vivi em casa de familiares e de amigos. Pensei em emigrar e cheguei a ter tudo pronto para ir para a Austrália ou para a África do Sul. Só que já estava casado e não podia tomar uma decisão independente. Sem saber o que fazer, investi no meu sonho. Quando acabou o INEF e abriu o Instituto Superior de Educação Física, sob a égide da Universidade Técnica de Lisboa, eu entrei para tirar o curso.

E trabalhava ao mesmo tempo, suponho.
Fiz muitas coisas e uma delas foi dar aulas de futebol no Colégio Americano. E também dei aulas de manutenção para idosos. Havia um que me dizia: “Ó professor, andamos aqui consigo, mas a barriga não baixa, pá.” E eu: “Isto é para manter, não para reduzir.” E também treinei o Estoril.

Onde treinou o Fernando Santos.
Eu era muito novo, muito novo mesmo, quando entrei no projeto de formação de treinadores da FPF, em que conheci o Mário Wilson, o José Augusto e por aí fora. O Mário Wilson convidou-me para ir trabalhar para o Estoril e quem é que eu encontrei lá? O meu amigo Fernando Santos, que estava a acabar a carreira de futebolista e já era engenheiro. Por causa disso, o Fernando não podia treinar com o resto dos companheiros e nós íamos treinar os dois sozinhos. Ainda gastámos umas solas de sapatilhas a correr um ao lado do outro. Agora que penso nisso...

Pois, a idade.
O Fernando Santos é um treinador consagrado e eu fui treinador dele, vê lá tu. O que não abona a favor da minha idade [gargalhada]. Tenho impressão que há por aí treinadores já reformados que chegaram a ser meus jogadores. Eu antes era o miúdo que estava contra os dinossauros, a ver quando é que eles iam para a reforma; agora, eu sou o dinossauro e há alguns ex-futebolistas que andam por aí a pensar: “Quando é que este velho arruma as botas.” Curiosamente, tenho uma história sobre o Mourinho.

Conte.
Eu tenho a tese de fim de curso dele comigo. Ele e o Peseiro foram meus alunos e foram os meus melhores alunos. Qualquer dia digo-lhe: “Eh pá, ó Zé, temos de chegar a um acordo para eu não publicar a tese, para as pessoas não verem as asneiras que escreveste aqui” [risos]. Vou oferecer-lhe a tese, como prémio pela conquista da Liga Europa com o Manchester United.

Mas se era adjunto no Estoril e já treinava seniores, porque decidiu voltar à formação?
A formação só servia de trampolim, para dar o salto para os seniores, e eu também queria isso: ser treinador principal de um clube. Só que... Fui convidado pelo José Augusto para trabalhar na Federação — ele era o lado prático, eu era o lado académico. O Jesualdo Ferreira também me tentou convencer. Eu já estava no futebol profissional e aquilo representava voltar para trás; mas fui convencido. E fiquei por lá 10 anos.

E o que encontrou?
Era tudo muito rudimentar e o Carlos Queiroz criou uma aberração chamada “Departamento Técnico de Futebol” [ironia]. A FPF tinha tudo menos uma coisa — o futebol, que era um departamento subsidiário do departamento financeiro, jurídico, etc. Não havia ninguém dedicado a pensar no futebol. Quando falei nisso, houve gente a dizer: “Então, mas agora vamos ter duas federações aqui dentro? Este gajo quer é mandar nisto.” Eu só queria ter autonomia para gerir, pensar e planear o futebol. Estava tudo acomodado e agarrado a lugares, e eu mexi com isso. Há um episódio curioso que tem a ver com o projeto de reestruturação do futebol português que eu apresentei. Um dos pontos era sobre a redução do número de equipas que iriam disputar a primeira divisão. Entrevistei todos os presidentes dos clubes — Pimenta Machado, Pinto da Costa incluídos — e a maioria concordou com a redução. Tenho os documentos que provam o que eles diziam: “Mais de 14 é uma loucura para um país como o nosso.” Alguns dos que concordaram com isso nas entrevistas privadas foram os primeiros que se puseram contra mim publicamente.

Porquê?
Porque a redução do número de clubes implica uma redução do número de votos por associação nas assembleias gerais, provocando um desequilíbrio no jogo de poderes. E havia muitos jogos de poderes e de interesses. Por exemplo: estava nos estatutos da FPF que a associação maioritária indicava o nome do presidente da Federação. Durante anos, de uma forma generosa e simpática, a associação mais representada [a do Porto] dizia: “Somos tão amigos, vocês de Lisboa que escolham o presidente, sim?” Porquê? Porque a segunda figura a ser escolhida era o presidente da arbitragem. [silêncio] Depois os de Lisboa falavam em “bandidos” e em “sistema?” E eu, treinadorzinho, assistia àquilo tudo e fazia perguntas incómodas.

Mas não correram consigo da FPF.
Porque eu andava a ganhar. Vencemos o Mundial de Riade e o Mundial de Lisboa e eu era como que um super-homem, um super-herói para o país. Até as minhas imbecilidades passavam — qualquer treinador, se estiver numa dinâmica de vitória, pode dizer o que quiser e nada lhe acontece. O Salvador, o cantor, tem agora seis meses para falar o que quiser — e ele até diz coisas bonitas — e eventualmente cair em imbecilidades, que ninguém o vai criticar. O meu azar foi não me ter qualificado para o Mundial de 1994, na derrota com a Itália. Só que, mesmo aí, houve um terramoto.

Que terramoto?
Uma espécie de Saltillo. No jogo de qualificação com a Itália, em 1993, deparei-me com jogadores que não queriam treinar e que tinham virado os equipamentos ao contrário, como em Saltillo.

Porquê?
Porque a FPF assinou um contrato de publicidade com a Sagres e não deu cavaco aos jogadores. E os jogadores, claro, tiveram uma reação justa, lógica, talvez não no melhor momento, porque estávamos a quatro dias do jogo com a Itália. Ficámos no hotel até às duas, três da manhã a discutir se os jogadores deviam ir de fato, fato de treino ou roupa casual para o aeroporto. Se não fosse o José Couceiro, na altura presidente do Sindicato dos Jogadores, aquilo teria sido um cabo dos trabalhos. Eu disse aos jogadores: “Vocês estão no vosso direito, mas se o fizerem eu vou-me embora.” E o Figo e os outros responderam: “Mister, se essa é a sua posição, não vamos para a frente com isto.” Acho que eles só queriam marcar posição.

Momentos. Queiroz com Ferguson, no Manchester United. No primeiro dia de trabalho, Queiroz perguntou-lhe o que devia fazer. “E eu é que sei? Foi para isso que te contratei, não é?”, respondeu o britânico

Momentos. Queiroz com Ferguson, no Manchester United. No primeiro dia de trabalho, Queiroz perguntou-lhe o que devia fazer. “E eu é que sei? Foi para isso que te contratei, não é?”, respondeu o britânico

FOTO Phil Noble/REUTERS

Não foi fácil a transição dos sub-20 para os A.
[gargalhada] Espero que o doutor João Rodrigues [presidente da FPF na altura] não me desminta. Eu fui ao gabinete dele para dizer que não aceitava e então ele saiu da sala, sem dizer nada, voltou a entrar e atirou: “Olhe, acabei de dizer aos jornalistas lá fora que você é o novo selecionador. Diga-lhes que não quer.” Eu pensei que ele estava a enganar-me, mas quando abri a porta, lá estavam os jornalistas. E foi assim que me tornei selecionador A, na época 1991-92.

Falou há pouco em Figo e é inevitável falarmos na Geração de Ouro.
Posso começar pelo João Vieira Pinto? É que ele é o mais carismático de todos, o que atravessa Riade e Lisboa. Comecei a trabalhar com o João tinha ele 14 anos. Estava a ver um treino na bancada e a ver aquele cabelo — ele tinha mais cabelo do que ossos e músculo — loirinho e o Gaspar Ramos, que era dirigente do Benfica, perguntou-me: “O que é que acha deste miúdo?” E eu: “É de levar já.” “Mas ele é tão magrinho.” O que acabou por ficar grosso foi o preço para o Boavista quando o vendeu ao Atlético de Madrid. O João Vieira Pinto era tão bom que a minha mulher, um dia, enquanto lia um jornal na bancada, levantou os olhos e disse: “Eh pá, aquele ali é mesmo bom, não é?” Não são precisos génios para descobrir jogadores assim.

Tinha uma relação paternal com todos eles?
O treinador é que fazia tudo: ia buscá-los à escola e levava-os ao treino; ia fazer matrículas à escola. Não tenho orgulho nisto, até tenho vergonha, aliás: não levei os meus filhos à escola mais vezes do que o número de dedos que tenho na mão esquerda; mas não tenho dedos num exército de pessoas para contabilizar o número de vezes que levei jogadores à escola deles.

Mas o João Vieira Pinto tem um contexto diferente.
Tem, sim. No Europeu de sub-16, em Bilbau, o João é um rapaz casado; aliás, teve de casar-se e ainda bem, porque teve um filho espetacular, o Tiago [Pinto, também ele jogador de futebol]. Eu tinha um jogador casado, prestes a ser pai, no meio dos outros que tinham visto maminhas pela primeira vez na vida; miúdos que foram ao peep show pôr uma moedinha para ver raparigas. E a quem é que eles contavam isto? A mim, ao treinador. Era como um pai. Hoje, os jogadores vão falar com o agente.

Voltando ao João...
Aconteceu-lhe algo que não devia ter acontecido: ir para Espanha, para o Atlético de Madrid. Ele foi o primeiro a ir para fora e perdeu a proteção do Boavista e do major Valentim Loureiro. Quando foi para Madrid, foi para a guerra da sobrevivência, que é quando os jogadores saem dos juniores para os seniores. O sénior olha para o júnior e diz: “Quero lá saber de ti, porque se tu jogares, não jogo eu.” E ele perdeu-se. Depois, o acidente de automóvel, o ter carro e não ter carta, enfim, uma série de circunstâncias que podiam ter sido complicadas para ele, porque estávamos a meses do Mundial de Lisboa. E foi então que fui buscá-lo à Corunha e o trouxe para minha casa, em Lisboa. Ele viveu comigo uns tempos. Disse-lhe: “Tens três semanas para te preparares e treinares a sério. De outra forma, estás fora do Mundial.” Fez um estágio fantástico. Não foi tão decisivo como em Riade, mas foi o termómetro de tudo e de todos: conseguiu pôr toda a gente a jogar melhor futebol. Não é para qualquer um. E, depois, o Paulo…

O Paulo Sousa?
Sim, o Paulo Sousa, atrevido e malandro.

Estamos a falar do mesmo Paulo Sousa?
Sim, sim. Lembro-me de jogarmos um torneio em Espanha e eu pu-lo a ponta de lança. É que vocês esquecem-se, mas o Paulo Sousa era avançado, depois extremo direito, depois médio direito, e só no fim é que passou para o meio-campo. Então, nesse torneio, contra a Nigéria, eu pu-lo à frente com uma missão específica e ele cumpriu-a: jogou muito bem e ainda conseguiu expulsar um dos defesas, depois de lhe ter feito duas ou três coisinhas malandras que fizeram o nigeriano perder a cabeça.

E o Figo?
Oh pá, quando cheguei ao Sporting, o Figo não se aguentava nas pernas com todos aqueles dribles; levava pancada e, pronto, ia para a relva e as pessoas do Sporting só comentavam isso. Só que o Figo levantava-se. É preciso ter um paraquedas, porque não se tem a mesma força nas pernas e no corpo. Há jogadores que não querem ir para a segunda divisão para ganhar experiência, para fazer a ponte para a primeira divisão — o Rui Costa, por exemplo, não queria ter ido para Fafe, mas foi o melhor que lhe aconteceu. Já o Figo… O Figo era ele próprio uma ponte. Não se perturbava com nada, zero ansiedade, numa perdeu a autoestima, nunca perdeu o seu futebol só porque nas bancadas o criticavam. Se queres cantar não vais para bailarino só porque desafinaste na outra noite.

Nunca teve convites do Benfica e do FC Porto?
Fui convidado duas vezes pelo Benfica. Quando estava no apuramento para o mundial de 1994, eu tive tudo acertado com o Benfica — com o Gaspar Ramos e o Toni. Só que quando cheguei a Lisboa estava lá outro treinador no meu lugar — o [Tomislav] Ivic.

Porquê?
O presidente Jorge de Brito reuniu-se com outras pessoas na sua casa e achou que trazer o antigo treinador do Porto era o melhor para o clube. Estava eu a preparar o ciclo de integração dos miúdos da Geração de Ouro na seleção A, mas estava a pensar pedir a demissão após aquela US CUP [junho de 1992]. Ainda bem que não disse “não” à FPF, porque teria ficado desempregado [risos]. A segunda vez que fui convidado, foi quando o Rui Costa e o Luís Filipe Vieira vieram falar comigo, no ano em que acabaram por ir buscar o Quique [Flores, época 2008-09]. Eu estava no Manchester United e o Alex Ferguson disse: “Carlos, já estiveste no Real e voltaste. Agora, se o Benfica te quiser, que pague.” Quanto ao Porto... Também fui treinador do Porto duas vezes, sem o ser. Em 1991, antes do Mundial de Lisboa, quando o Quinito saiu. Não deu. Depois, quando tinha acabado de assinar pela seleção dos EUA [1996], tive outro convite.

Mas o Carlos é benfiquista?
Eu sou do Ferroviário de Nampula [risos]. E do Manchester United. Mas não escondo a simpatia pelo Benfica; era uma coisa quase generalizada em África. O Costa Pereira era do meu clube, em Nampula.

Chegou a falar com o João Vieira Pinto sobre o 6-3 de Alvalade?
Andei eu a trabalhar o João Vieira Pinto para ele me fazer aquilo [risos]. Mas, olha, esse jogo não foi perdido em Alvalade. Caiu para o lado do Benfica, mas começámos a perder o dérbi quando, duas semanas antes, expulsaram três jogadores do Sporting, nas Antas: Juskowiak, Peixe e Vujacic. Os dois primeiros não jogaram contra o Benfica, porque apanharam dois jogos de castigo. Fala-se muito no sistema hoje, mas com tantas televisões, repetições, análises... O sistema? Sistema vivi eu, isto hoje é queijo fresco [silêncio]. E mais não digo.

Como foi trabalhar com Sousa Cintra?
Ele fez algumas coisas que não devia ter feito, como a venda do Stan Valckx, sem me avisar. Depois percebi que o Sporting estava em dificuldades e que o próprio Sousa Cintra estava a meter dinheiro do próprio bolso. Mas o Sousa Cintra nunca fez autogolos, enquanto que outro presidente só fez autogolos.

Que autogolos marcou Pedro Santana Lopes?
Faltar ou atrasar reuniões. Um péssimo gestor e um péssimo presidente. Uma pessoa instável que, de futebol, só sabia o que fazia nos comentários na televisão à segunda-feira. Ele pensava que era a mesma coisa, que bastava fazer o que fazia na TV. Também era irresponsável, resultados desastrosos. Lembra-se do Tomás Skuhravý [jogador checo, que chegou a Alvalade vindo do Genoa, de Itália]?

Claro que sim.
Ora, eu sabia que o Skuhravý tinha uma lesão grave, porque o meu querido amigo Sven-Göran Eriksson [antigo treinador do Benfica que treinava a Sampdoria na altura] me avisou numa conversa confidencial. Pois bem, o Santana Lopes enviou o Luís Norton de Matos a Itália para o contratar sem eu saber. Cheguei ao treino e estava lá o Skuhravý. E eu, depois, tive de mostrar aos adeptos que tipo de decisão tinha tomado o presidente, pondo o Skuhravý duas ou três vezes em campo — o rapaz usava as meias quase até aos calções para as pessoas não verem o problema que ele tinha no joelho, coitado.

E que autogolos não marcou Sousa Cintra?
[risos] O Sousa Cintra tinha um lema para o Sporting: “Uma equipa para o futuro.” Só que o futuro nunca chegava — o futuro era vender jogadores. Então, depois de venderem o Paulo Sousa e por aí fora, eu pus uma carta confidencial em cima da mesa do presidente: “Estão aqui alguns jogadores que eu gostava de ter para ser campeão, porque de outra forma não faz sentido continuar aqui.” Ora, eu sabia que as coisas não estavam bem, porque eu não recebia metade dos meus ordenados há 11 meses — só 11 [risos] —, mas lá pus o dito documento. Estavam lá os nomes do Naybet [antigo central marroquino] e do Amunike [antigo extremo nigeriano]: “Se puder comprar, estou interessado em continuar.” Meti-me no carro e ainda não estava a chegar a casa já a minha lista estava a ser tema de debate no rádio [gargalhada]. E a história era: “Carlos Queiroz pressiona o presidente do Sporting.” O Sousa Cintra tinha falado para os jornalistas e eu já estava a ser posto fora. Depois, contaram-me que o presidente foi ter com os outros dirigentes do Sporting, um a um, para convencê-los a votar contra a minha permanência. Só que os adeptos armaram lá uma confusão e então ele viu-se obrigado a mudar a opinião dos dirigentes à última da hora.

E o Naybet e o Amunike sempre vieram.
Sabes como é que ele foi buscar o Naybet? Apanhou um avião, foi ao Mundial dos EUA, entrou no balneário da seleção de Marrocos, agarrou-se ao braço do Naybet e disse-lhe: “Tu, Sporting, hã? OK? Sporting é bom, muito bom, para ti.” Os marroquinos nem queriam acreditar. Já o Amunike foi muito mais elaborado, porque o jogador já tinha contrato assinado com o Wolfsburgo. E eu: “Presidente, deixe lá isso, já nos atrasámos.” E ele: “Não te preocupes com isso.” O Sousa Cintra fez-se acompanhar de outro dirigente do Sporting, pediu ajuda ao Abdel Ghany [ex-futebolista egípcio que passou por Portugal], que era meu amigo, foi ao Egito, interrompeu uma reunião do Zamalek [clube onde jogava Amunike], mandou calar toda a gente e gritou em português: “O Amunike vai para o Sporting. Tu, cala-te! Abdel, diz-lhes o que eu estou a dizer, hã? Ele vai para o Sporting.” Depois, foi ter com o Amunike: “Tu não vás para a Alemanha, és negro, aquilo é só racistas, nazis. Tu queres fazer isso à tua vida?” E ainda trouxe o irmão dele e a namorada para Portugal, e fez-lhes a cabeça: “Não deixem o Amunike ir para lá.” Às tantas, o Amunike desiste da ideia da Alemanha, o Sporting fez queixa do Wolfsburgo e a FIFA até acabou por dar razão ao Sporting. Não me perguntes como é que ele fez, que não sei, mas a verdade é que ele me trouxe o Naybet e o Amunike. E isso é marcar golos na outra baliza. Isto é Sousa Cintra no seu melhor e assim é bom trabalhar — há uma sintonia.

A sintonia que não apanhou em Madrid, suponho.
Quando me convidaram para o projeto, não fui enganado por ninguém. Sabia o que tinha em mãos, a partir do momento em que o Jorge Valdano [antigo jogador e ex-diretor desportivo do Real Madrid] me fez o convite. “Precisamos de um treinador para este projeto e o treinador és tu.” Quando é o Real Madrid a convidar, dizes sim primeiro, e só pensas depois. Só que, no ano Carlos Queiroz, o Real Madrid foi um Real Madrid vendedor e não comprador, para cumprir a meta do défice zero que o presidente Florentino Pérez prometera aos adeptos. A política era esta: seis galácticos, todos do meio campo para a frente; e Pavones lá atrás. Só que nesse plantel ainda estavam Makélélé e Morientes e ambos foram-se embora. Com o Morientes, depois da Supertaça, fui ter com ele e disse-lhe: “Então até terça-feira.” Ele: “Terça-feira? Então não sabe que fui emprestado ao Mónaco?” Não sabia, claro. Mas ainda tinha o Makélélé e então decidi puxar o Ivan Helguera para central e pensei: “Bom, com este gajo atrás, não está assim tão mau.” E a coisa até correu bem. Só que depois o Makélélé foi para o Chelsea, porque não “vendia camisolas” — e também para o Beckham poder jogar no meio. O Beckham era número sete, lembras-te? E quando foi contratado pelo Real Madrid, já tinha o Figo a extremo. E já tinha perdido o Hierro, por questões políticas. Precisava de um central e contratei o Milito; quer dizer, ele acordou com o Real Madrid, assinou contrato após passar nos exames médicos, e à tarde já não estava apto fisicamente. O Milito fez uma época inteira no Saragoça e acabou por ir para o Barcelona um ano depois. Até propus o Luisão, do Benfica. E o Pepe, que na altura estava no Marítimo com o Nelo Vingada. Teria custado um milhão e meio de euros; anos mais tarde, foi comprado por €30 milhões. Houve três pecados mortais no meu tempo no Real Madrid. Foram os pecados mortais dos 3 M, Milito, Makélélé e Morientes. Foram três pecados mortais que custaram mais três ou quatro treinadores depois de mim, bem como muitos milhões de euros para depois se reconstruir o grande Real Madrid. Estes três pecados mortais ficaram para a história.Uma história que correu mal.
Sim, mas não estou arrependido. Diria que sim outra vez. Atenção, a política não está errada, misturar craques com miúdos da formação. Agora, os miúdos da formação têm que ser os bons e não aqueles que nem os clubes espanhóis queriam emprestados.

Ronaldo. O destino do português está ligado ao de Cristiano Ronaldo. Houve desentendimentos, não se falam há sete anos, mas Queiroz considera que a história de ambos é maior do que isso. “Capítulo encerrado”, diz

Ronaldo. O destino do português está ligado ao de Cristiano Ronaldo. Houve desentendimentos, não se falam há sete anos, mas Queiroz considera que a história de ambos é maior do que isso. “Capítulo encerrado”, diz

FOTO Jose Manuel Ribeiro/REUTERS

Mas poderá dizer sempre que treinou os melhores do mundo.
Claro, mas tenho de falar do Alex Ferguson [treinador do Manchester United na altura] agora. Antes de firmar o acordo com o Real, fui ter com ele ao Sul de França. Sentámo-nos e ele avisou-me dos perigos que eu corria por ir para Madrid, mas que o meu lugar ficaria à espera de mim se decidisse voltar. “Ficaria desapontado contigo se escolhesses não ir.” Depois, sim, os Galácticos.

Zidane, Figo, Ronaldo, só jogadores com Bolas de Ouro no currículo.
Foi uma honra treiná-los. Com gente daquela não precisas de perder tempo para aumentar a autoestima, concentração, equilíbrio emocional. Dos três, o mais inacreditável era o Ronaldo “Fenómeno”. Nunca vi um jogador que impusesse tanto respeito, o chamado fear factor nos adversários. Onde ele estava, estavam três a marcá-lo, o que me deixava mais espaço para explorar. Era um tipo especial, com uma confiança inabalável. Quando treinava com o grupo, estava sempre alegre, divertido, às vezes relaxado demais, por vezes até perturbava; mas quando eu treinava um para um com ele, com cronómetro, o Ronaldo fechava a cara e dava tudo, contava tudo ao segundo. Tenho uma história…

Das boas?
Houve um jogo em que ele não se mexia, estava ali parado, aluado. Ao intervalo, dei-lhe uns berros: “Eh pá, mexe-te, faz golos.” Na segunda parte, mexeu-se, fez dois golos e no final do jogo veio ter comigo: “Quem é que salvou a cabeça do treinador, quem foi?” [gargalhada]. Mas essa equipa... Enfim. Imagine o que é ver o Figo, o Ronaldo, o Zidane e o Roberto Carlos a fazerem um minifutevólei dentro de um balneário minúsculo: [som da bola a ser chutada] pimba, pimba, pimba, pimba. E não eram uns toquezinhos; a bola era chutada com força e nunca caía. Alguns de chuteiras e o Ronaldo de... chinelos [risos].

E voltou para Manchester, para o mesmo lugar. Nunca lhe passou ser treinador principal do United?
Não só passou, como estava acordado que assim fosse — só que, depois, optei por ir para selecionador nacional. Tinha um contrato pré-assinado: quando o Alex Ferguson saísse, eu ficaria como manager. Mas eu até podia ter ido para o Tottenham, mas o Alex quis tomar um pequeno-almoço comigo quando as coisas em Madrid começaram a correr mal: “Tens o teu lugar à espera.” A minha relação com o Alex vinha de longe.

Porque é que ele o procurou em primeiro lugar?
O Alex procurava um treinador que comunicasse de outra forma com jogadores franceses, sul-africanos, etc.

Um treinador continental, portanto.
Isso. Eu falo inglês, dou uns pontapés no italiano, como qualquer portuga, umas pauladas no espanhol e outras no francês — tinha o perfil adequado. Confesso que não foi fácil, porque era treinador principal de seleções e de repente ia para adjunto. Mas pensei: “Vou ver um clube deste tamanho por dentro e ainda me pagam por isto.” Só que apanharam-me na curva, porque o adjunto da Europa do Continente não é o adjunto de Inglaterra — o assistant coach tem de controlar e gerir tudo [risos]. Cheguei ao primeiro treino, por volta das sete da manhã, bati à porta do gabinete do Alex [Ferguson] e perguntei-lhe: “Então o que é que vamos fazer?” E ele: “E eu é que sei? Foi para isso que te contratei, não é?” Não quis dar parte de fraco, apanhei um papelinho tosco e inventei um treino do nada. E sabes que tamanho tinha a equipa técnica do United?

Muitos?
Poucos. Era eu, o Ferguson, um treinador de guarda-redes e um treinador de ginásio que não podia ir ao campo de treinos — menos do que a equipa técnica que tivera no Sporting. Ou seja, 17 anos depois, puseram-me a trabalhar outra vez e eu a pensar que tinha ido para lá para aprender. Eu fazia tudo: treino, parte física, parte técnica, recuperação.

De selecionador da África do Sul para o United é um pulo inesperado.
Um parêntesis. Lembras-te de que fui expulso da seleção da África do Sul e não pude levar a equipa ao Mundial de 2002? Acusaram-me de racismo, mas a história era outra; havia um conflito entre mim e o Jomo Sono, que tinha sido jogador no Cosmos e era uma figura entre os sul-africanos. Ele era muito influente e queria impor-me uns jogadores para o Mundial e eu disse-lhe que não. Fomos até a casa do Mandela, e o Mandela disse-me: “Eu tenho um sonho, que é ter um branco e um negro na equipa técnica da África do Sul num Mundial.” Como na história do Pienaar no Mundial de râguebi; ou seja, dar um sinal de união entre raças diferentes. Eu aceitei, mas logo que saímos da reunião, o Sono começou a falar dos jogadores que eu tinha de levar e andámos quase à batatada no jardim da casa do Mandela. A partir daí...

Sentiu que estava a mais?
Sim. Uma vez, estava a sair de um jantar com uns amigos, peguei no carro e em África há sempre o hábito de beber um whisky depois da refeição. Só que, naquela noite, não toquei em nada e fiz-me à estrada. Às tantas, senti um carro atrás de mim em velocidade; acelerei e o carro continuou atrás de mim; acelerei mais um pouco, fizeram sinais de luzes, ligaram as sirenes — era a polícia e eu achei que me queriam caçar. Soprei no balão, não acusou nada, mas eu não saí da estação da bomba de gasolina até chegar um amigo meu que fazia parte de uma força de segurança especial. Senti receio.

De volta ao United. Como era a relação de Ferguson com o balneário? Era duro?
Ele era um líder e aprendi muito. Era duro, sim, mas, por exemplo, aquela história da chuteira que bate no sobrolho do Beckham não foi bem assim que aconteceu: ele chutou a bota, esta bateu numa marquesa e foi parar à cabeça do David, abrindo-lhe o olho.

E o impacto de Cristiano Ronaldo?
Nas primeiras reuniões de scouting no United eu disse que devíamos contratar o Cristiano Ronaldo e o Ricardo Quaresma; não um ou o outro, mas ambos. Portanto, eu lavrei aquele protocolo de colaboração entre o Manchester United e o Sporting, que era bom para o Sporting, mas era sobretudo bom para nós, porque ficávamos com direito de compra sobre os dois craques. Entretanto, eu saí para o Real Madrid, acontece o jogo de Alvalade em que o Ronaldo parte aquilo tudo, o Ferguson validou a contratação e eu fiquei a arder, até porque, claro, já o tinha referenciado para o Real também [risos]. Quando regresso a Manchester, uma época depois, já o Ronaldo era uma estrela; trazia para a equipa aquilo que os jogadores do United tinham visto antes com o Ryan Giggs. Lembro-me do Rio Ferdinand e do Scholes a mandarem-me berros para o banco: “Carlos, tell Cristiano to stay wide [na linha], stay open, we’re gonna put the ball there.” E eu: “Cristiano, pôrra, fica aqui na linha que eles querem passar-te a bola e não te encontram.” O Ronaldo ia sempre para o meio porque o que ele queria era ir buscar a bola.

Foi uma espécie de pai?
Ele é que tem de dizer se eu fui ou não.

Mas ficou ressentido com ele?
Não, nada.

E voltaram a falar?
Nunca mais falei com o Cristiano depois de 2010.

Mas não gostou de ter ouvido o capitão de equipa ter respondido “perguntem ao Carlos Queiroz” quando lhe perguntaram o que tinha corrido mal.
O Ronaldo foi feito capitão numa altura em que houve um vazio na liderança. Saíram o Couto, o Rui Costa, o Figo, o Nuno Gomes, etc. Ele não tinha maturidade para essa função. Além disso, esse ano não tinha sido muito bom para o Cristiano, porque estivera lesionado. Mas, sobre o Ronaldo, digo isto: fui eu que o quis levar para o Manchester United, fui eu quem o convenceu a voltar para o Manchester após o Mundial de 2006, quando houve aquele incidente com o Rooney; e foi na minha casa, em Lisboa, que o Ronaldo se reuniu comigo e com o Alex Ferguson, após a final da Champions que o United ganhou [2008], e o convencemos a assinar um documento que dizia: “Fico mais um ano em Manchester e no ano seguinte vou para o Real.” Eu não devo nada ao Cristiano e ele não me deve nada e a nossa história é muito, mas muito maior, do que aquele episódio. Espero que as pessoas percebam isto, é um capítulo encerrado.

Seleção. Foi como selecionador de Portugal que escolheu Deco e Pepe para o Mundial da África do Sul, ambos com limitações físicas. “Ele não estava bem, mas quem é que o levou? Fui eu, sim, ele não estava bem e não o devia ter levado ao Mundial, mas fui enganado”, afirma, sobre Deco

Seleção. Foi como selecionador de Portugal que escolheu Deco e Pepe para o Mundial da África do Sul, ambos com limitações físicas. “Ele não estava bem, mas quem é que o levou? Fui eu, sim, ele não estava bem e não o devia ter levado ao Mundial, mas fui enganado”, afirma, sobre Deco

FOTO José Manuel Ribeiro/REUTERS

Deco e Pepe também o criticaram, sendo que o Carlos os levou a ambos ao Mundial estando eles em condições físicas precárias.
Eu não espero gratidão, isso é errado. Eu não levo um jogador para que ele me fique grato e faça o que eu quero. Esse raciocínio é errado. Mas, por outro lado, há sempre um compromisso ético para com a equipa e para com o treinador: solidariedade, respeito. E houve episódios desses, que podiam ter sido evitados. Mas fica a pergunta: quem é que não comete erros? O Deco não aceitou bem a substituição no primeiro jogo, mas pediu desculpa no balneário. Ele não estava bem, mas quem é que o levou? Fui eu, sim, ele não estava bem e não o devia ter levado ao Mundial, mas fui enganado.

Como assim?
Nunca o vi a treinar no Chelsea, foram-me sempre dizendo que não podia lá ir, porque a equipa também tinha o Didier Drogba, da Costa do Marfim, e a Costa do Marfim estava no nosso Grupo do Mundial. Obviamente, os jogadores querem sempre ir aos mundiais e acredito que o Deco achava que estava bem o suficiente para ir ao Mundial. Mas não podemos deixar que isto manche o Mundial. Eu diverti-me muito, diverti-me à brava, representei o meu país num Mundial em África, onde nasci; e a minha história com estes jogadores é muito maior do que estes episódios negativos. Não podemos pensar assim.

Mas o episódio mais negativo e que o atira para fora de pé, aconteceu com o doping.
O caso do doping só se soube duas semanas depois de Portugal ter regressado do Mundial. O secretário de Estado do desporto [Laurentino Dias] do primeiro-ministro José Sócrates veio para a praça pública condenar o Carlos Queiroz. Foi uma construção imaginativa de meia dúzia de jornalistas que trataram o acidente do Nani de forma vergonhosa: o Nani lesionou-se, partiu uma clavícula após um pontapé de bicicleta que correu mal, mas disseram que o Carlos Queiroz estava a encobrir um caso de doping para proteger um ex-jogador do Manchester United. Havia coisas, rumores a correr nos bastidores.

Que rumores?
Que havia dois incidentes com o sistema antidoping português. Um deles, que tinha havido um problema na Covilhã, com um controlo; eu não sabia que era o único português que dizia palavrões [Carlos Queiroz insultou Luís Horta, presidente da Autoridade Antidopagem na altura]. Outro, que havia um jogador com doping e, quando o Nani se lesionou, acharam logo que era ele — e não era. O que eu devia ter feito, logo antes de partir para o Mundial, era ter testemunhado o que se passava; houve uma pessoa, o médico Gomes Pereira [do Sporting] que me pediu desculpa por não me poder ajudar porque o seu trabalho ficaria em risco se o fizesse. Mas ele e eu podíamos ter dito porque é que Luís Horta estava tão obcecado em fazer controlos antidoping sucessivos à seleção nacional, de forma exagerada; duas equipas a controlar na Covilhã, às seis e meia da manhã, coisa que a FIFA não deixava. Ele estava obstinado em apanhar um jogador que estava convocado.

Que era do Sporting.
Sim.

Quem?
Era o Liedson. Há factos registados e isto pode ser comprovado. O Liedson tinha feito um controlo casuístico e tinha vestígios de nandrolona. O médico Gomes Pereira pediu, depois, outro controlo voluntário antes da convocatória, e o Liedson foi ilibado. O Luís Horta aparece às seis da manhã na Covilhã, com os jogadores a dormirem e o jogo com Cabo Verde era nesse dia; eu quis intervir, pedir para deixar os jogadores dormirem mais um pouco, tal como a FIFA recomendava. Estive mal, mas naturalmente nunca quis insultar a mãe de Luís Horta.

E esse foi o fundamento legal para o despedirem, é isso?
Sim, despedimento com justa causa por causa do palavrão. Só que o advogado de trabalho da FPF dizia-me que aquilo não tinha fundamento. E como não havia fundamento para justa causa, reescreveram-se os relatórios dos controlos antidoping. Eu vi um e-mail de um dos médicos enviado a Luís Horta a perguntar se assim aquilo ficava bem, ou se era preciso acrescentar mais alguma coisa. Ao ponto que aquilo chegou: queriam provar que eu tinha impedido o controlo para me poderem despedir.

E o papel de Gilberto Madaíl nesse momento?
Há dois Gilberto Madaíl — e não vou dizer como o Manuel José, que diz que há um Gilberto antes do almoço e outro depois do almoço. Para mim, há um Gilberto Madaíl que me convida para a seleção, que esteve sempre presente, do meu lado; e, depois, há outro Gilberto que me despede através de outras pessoas, não teve a coragem de me olhar nos olhos. Primeiro, disse-me: “Só preciso da sua versão, vamos estar juntos até ao final.” Até que deixou de estar ao meu lado. O doutor Gilberto Madaíl mudou de opinião por outras razões. O doutor João Rodrigues [antigo presidente da FPF] disse-me isto, em casa, à frente de família: “Estou a falar-lhe como um pai, fuja do país, leve a sua família, eu é que o conheço. Se fosse o meu filho, eu punha-o no estrangeiro.” O doutor João Rodrigues era íntimo do Gilberto Madaíl e do partido [Partido Socialista].

Tentaram um acordo consigo?
Começaram-me a oferecer dinheiro: 250 mil euros, passaram para os 500 mil, acabaram no milhão de euros. Queriam calar-me. Eu disse: “Não quero dinheiro, quero é que limpem o meu nome.” Aquilo ia manchar a minha carreira, porque a palavra doping tem peso. Eu perdi um contrato com a seleção japonesa e outro com a África do Sul para defender o meu nome. Falei com Laurentino Dias e o Governo foi irredutível.

E qual era o interesse do Governo em afastá-lo?
Houve coisas, pormenores, episódios. Parece que cometi um crime político: eu tinha desafiado a autoridade política do Governo português. Por colocar em causa a autoridade da ADoP. Depois do gajo que assaltou o “Santa Maria”, eu podia ter sido o primeiro político de Portugal. Enfim. O senhor Amândio de Carvalho pôs a correr um rumor de que eu tinha cancelado o jantar da equipa depois do jogo com a Espanha... E isso fez parte do processo de acusação. Como se eu fosse proibir os jogadores de comer.

E daí parte para o Irão.
O Irão lidera a zona da Ásia no ranking da FIFA, à frente do Japão, Coreia do Sul e China, que investem milhões no futebol. Nós nem temos um campo de treino em condições. Ou melhor, nós treinamos num campo que é verde, sim senhor, mas não é um campo e sim um tapete relvado de 60 metros de comprimento [as medidas oficiais da FIFA são entre 100 e 110 metros]. E temos muitas limitações financeiras e administrativas, também por causa do embargo ao Irão que, a meu ver, é uma tremenda injustiça — misturar política e desporto fere os interesses da sociedade. A Federação do Irão nem pode receber o bónus de participar num Mundial; não ganha as verbas diretas, estão congeladas por causa da conjuntura internacional. Depois, há outros problemas, de organização: temos água, não temos água, há jogadores que ficam presos porque ninguém lhes passa o visto para viajar.

Espanha. No Real Madrid, com Ronaldo e Roberto Carlos, estrelas maiores da constelação galáctica

Espanha. No Real Madrid, com Ronaldo e Roberto Carlos, estrelas maiores da constelação galáctica

FOTO Jean-Paul Pelissier/REUTERS

Como é que isto se resolve?
Tenho de encontrar soluções criativas.

Que tipo de soluções criativas?
Uma vez tínhamos um estágio no Dubai e um jogo agendado com a Tunísia, de preparação, e, depois, dois jogos oficiais, um com o Qatar e outro com a China. Infelizmente, porque houve um incidente diplomático entre os iranianos e os tunisinos, o jogo foi cancelado. O que é que eu fiz? Telefonei a um amigo meu que tem uma escola de futebol no Dubai e organizei um jogo contra a All-Star African Team.

All-Star African Team?
Foi assim que eu vendi a coisa. Preparámo-nos contra os All-Star African team e depois ganhámos ao Qatar e à China. E o que era o All-Star Team? Uma equipa composta por empregados de um hotel do Dubai [risos].

Imagino que haja muito trabalho psicológico.
“Juntos somos mais fortes”, “vender caro cada duelo”, “depois logo se vê o resultado” — é isto que digo aos jogadores.

Os iranianos gostam de futebol?
Só em Teerão há 17 jornais desportivos, além das agências, das televisões e das rádios. Acompanham o futebol minuto a minuto. São 80 milhões de pessoas e o Persépolis, o Benfica lá do sítio, tem 25 milhões de adeptos. O futebol é o desporto número um, dois, três, quatro e cinco. Já estive num jogo em que 30 mil pessoas ficaram fora do estádio a seguir o relato pela rádio; noutro, a polícia teve de bloquear o trânsito num raio de dez quilómetros para impedir a afluência das pessoas ao estádio. É inacreditável.

E o país?
É lindíssimo. Quando visitei Persépolis… foi um impacto esmagador. Este é um país em que, há 3500 anos, já havia contratos de trabalho e as mulheres tinham direito a férias. Bem sei a ideia que os ocidentais têm do Irão, mas convido todas as pessoas a visitarem Teerão. O mundo não é feito de índios e de cowboys, de maus e de bons; todos somos gente.

Continua no Irão ou pensa mudar-se para outro lado?
Vou pôr as coisas desta forma: qualifiquei três seleções quatro vezes para Mundiais [África do Sul, em 2002; Portugal, em 2010; Irão em 2014 e 2018]. Trabalhei no Sporting, no Manchester United e no Real Madrid, fui campeão do Mundo duas vezes consecutivas. Acho que, passe a imodéstia, isto não é mau para quem começou lá atrás, no Ferroviário de Nampula. Portanto, depois disto, logo se vê. Vou continuar a treinar por gosto até não poder mais.

Partilhar