Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

“Hoje já se fala que Jorge Mendes tem medo, que tem um problema. Estes casos podem ser o princípio do seu declínio”

Jornalista e sociólogo italiano, Pippo Russo, elegeu Jorge Mendes como “o” superagente e escreveu um livro sobre ele, para mostrar o lado obscuro dos negócios do agente de futebol que melhor soube cultivar a sua imagem junto do público e dos media. Imagem essa que, segundo o italiano, “está a mudar”

Alexandra Simões de Abreu

Luis Barra

Partilhar

Como nasce a ideia do livro "A orgia do poder"?
Comecei a focar-me no fenómeno que denominei de economia pararela do futebol global e publiquei o primeiro livro "Gol di rapina: il lato oscuro del calcio globale", em 2014, que era uma abordagem geral sobre o sistema. Naturalmente o passo seguinte era focar-me no principal ator desta economia que, para mim, é Jorge Mendes.

E por que o considera a personagem principal?
Porque foi ele quem atingiu, na minha opiniáo, o nivel mais elevado deste perfil que chamei de superagente. Um papel que está muito longe daquele que começou por ser o de agente de jogadores. O superagente passou a ser também agente de treinadores, uma pessoa que favorece os compromissos dos diretores desportivos, que é consultor dos clubes para o mercado de transferências, e que passo a passo se tornou no representante dos fundos de investimento no futebol - e que talvez seja também investidor nos direitos dos jogadores. O último nivel deste caminho é quando se torna numa espécie de broker [corretor da bolsa] dos grandes assuntos do futebol, e que está envolvido na compra e venda de clubes como o Wolverhampton. O superagente é ainda o homem que facilita a entrada de novos investidores no futebol, como os chineses. Isto é um superagente e para mim Jorge Mendes é a melhor evolução e representação deste papel. O que não quer dizer que fique por aqui. Talvez um dia tenhamos uma outra evolução do superagente com um tipo diferente do Jorge Mendes.

Neste momento ele é o maior agente do mundo.
Sim.

E é o melhor?
(Risos). Se usamos uma palavra como "melhor" estamos a fazer um juizo de qualidade e para mim ele é absolutamente o que tem as melhores skills, as maiores capacidades.

E qual é a melhor competência/capacidade dele? A intuição?
A principal skill é a capacidade de influência e a capacidade de construir um sistema de relações. Jorge Mendes é o mais talentoso e o que tem maiores capacidades também na venda da imagem dele próprio. Se virmos os outros superagentes como Pini Zahavi, Mino Raiola ou Kia Joorabchian, percebemos que são pessoas mais reservadas e até mais escondidas. De Pini Zahavi praticamente não temos entrevistas. Ou pessoas que não são tão boas em comunicação como Mino Raiola ou Kia Joorabchian, já para não falar em Nélio Lucas [também ele português], que é um desastre. Jorge Mendes é o mais hábil a construir a sua imagem pública e é um grande fenómeno de propaganda.

Como é que Jorge Mendes conseguiu e consegue essa propaganda. Com dinheiro, intimidação?
Não posso dizer isso. Tudo o que posso dizer é que muitos dos colaboradores da Gestifute são antigos jornalistas ou profissionais da comunicação. Ele também é bom a construir boas relações com os media. Podemos dizer que utiliza outras ferramentas claro, mas ele tem uma boa reputação em Portugal junto dos media. Ainda esta semana, olhado para os títulos e para a forma como os jornais portugueses cobriram a audição e a posição de Jorge Mendes no Tribunal de Instrução de Pozuelo de Alarcón, Espanha, no âmbito de um processo de fraude fiscal ao futebolista colombiano Radamel Falcao. O quadro geral é que ele rejeitou todas as acusações. Mas se olharmos para o El Mundo, por exemplo, ele diz "Mendes responsabiliza os jogadores". É um outro enquadramento, totalmente diferente. Ou seja, provavelmente Mendes não se limitou a rejeitar as acusações de que foi alvo, mas talvez tenha acusado os seus jogadores. E isto é totalmente diferente. A questão é: porque é que os media portugueses apresentam outra versão. O que querem dizer títulos como este: "Jorge Mendes ouvido em tribunal"?

Os portugueses têm orgulho no facto dele ser o maior empresário de futebol do mundo.
Acho que os media portugueses têm veiculado essa imagem. Mas noto que há uma certa desconexão entre a imagem de Jorge Mendes na comunicação social e a imagem que é veiculada pelos utilizadores comuns das redes sociais, como Twitter ou Facebook. Para estes a imagem dele é diferente. Não é tão boa.

O que está a dizer é que os media portugueses protegem Jorge Mendes?
De alguma forma. Porque há uma perceção totalmente diferente. Lendo o que os media escrevem sobre Jorge Mendes, em que representa uma especie de super-herói e um intocável, um tipo honesto, e o que se escreve nas redes sociais, aqui há uma outra representação dele.

E qual é a sua opinião?
A minha opinião é de que quando um único ator concentra nele próprio tanto poder não é bom para ninguém. Esta é a minha ideia.

Mas os jogadores, os treinadores, os clubes parecem gostar dele. Ninguém consegue ou parece interessado em travá-lo. Como explica?
É verdade que a maior parte das pessoas tira vantagens de estar conectada a ele. Os jogadores porque pensam nas hipóteses de ter uma boa carreira, de ganhar dinheiro. Alguns clubes que têm relações com ele chegam a um determinado nível que se calhar de outra forma não conseguiriam. Mas quero sublinhar é que há uma classe de jogadores profissionais cujas qualidades foram sobrevaliadas.

Como por exemplo...
O Bébé. O caso da transferência do Bébé, do V. de Guimarães para o Manchester United.

Ou Hugo Viana e Anderson conforme dá a entender no seu livro?
Sim. Claro que tiveram beneficios, mas se calhar outros futebolistas que tinham mais qualidade do que eles não tiveram as mesmas hipóteses porque não eram protegidos de Mendes. Há um problema de liberdade de concorrência no mercado de futebol e isto é uma distorção da concorrência. Há mais clubes a entrar neste tipo de economia e nesta interdependencia, e talvez em algum momento consigam retirar vantagens. Mas temos de nos lembrar sempre que dependência é dependência. Isto siginfica que mais cedo ou mais tarde vamos ver o lado negro da dependência.

Temos já alguns exemplos disso?
O Paços de Ferreira, que no ano passado vendeu o Diogo Jota ao Atlético de Madrid. Ele foi vendido por sete milhões de euros mas o Paços só recebeu 2.8 milhões. Porque o Paços era dono de apenas 40% do passe e descobrimos isso graças ao Football Leaks [investigação da qual o Expresso fez parte]. Talvez 2.8 milhões de euros sejam importantes para um clube da dimensão do Paços de Ferreira, mas eu, como analista, vejo que 60% da verba, que é produzida no mundo do futebol, vai para fora do mundo do futebol. Por isso não consigo ver que o Paços de Ferreira ganhou 2.8 milhões de euros, mas antes que perdeu 4.2 milhões de euros em troca de 66 mil euros. Se a saúde financeira de um clube como o Paços de Ferreira depende de um superagente, se calhar, talvez a curto prazo, possa ter vantagens mas a longo vai morrer. Até porque nada nem ninguém é eterno. Nem Jorge Mendes.

" Jorge Mendes entrou num modo defensivo. Não sei o que pode acontecer a seguir, mas acho que está a perder poder"

" Jorge Mendes entrou num modo defensivo. Não sei o que pode acontecer a seguir, mas acho que está a perder poder"

Luis Barra

O caso da fraude fiscal é o princípio do fim da era Jorge Mendes?
Um império mais tarde ou mais cedo tem o seu declínio e isso começa quando atinge o auge. Para mim Jorge Mendes já atingiu o cume, o auge.

Quando?
Quando transferiu Renato Sanches para o Bayern Munique por uma quantia exagerada de dinheiro para um jogador tão jovem, que estava num momento ainda de ascensão, num momento em que precisava de mais um ano ou dois em Portugal para melhorar e crescer.

Mas ele fez o mesmo com o Ronaldo, levando-o para o Machester com 18 anos e resultou?
Mas só há um Ronaldo por geração. Não se pode replicar um caso como o de Ronaldo.

Esse foi o erro de Jorge Mendes? Querer projetar outro Ronaldo?
Sim, ele quis repetir o caso de Ronaldo. Mas quero salientar que não sei se estes casos judiciais são o princípio do declínio de Jorge Mendes. Para mim são certamente um momento de viragem na imagem pública de Jorge Mendes. (Mostrando uma foto de Jorge Mendes à saida do Trbunal de Madrid) Alguma vez se tinha visto Jorge Mendes com esta cara, com esta expressão tão pesada? Hoje em dia já não se fala só da aura do homem que diz que nada é impossivel e que pode fazer tudo, mas também da imagem de um homem que tem medo, que tem um problema, que tem problemas. Não nos esqueçamos, Jorge Mendes não é Cristiano Ronaldo.

O que quer dizer com isso?
Podemos falar do problema fiscal de Cristiano Ronaldo, mas se esta noite Ronaldo marcar dois golos contra o Chile, passamos a focar-nos no Ronaldo como o génio do futebol. Jorge Mendes não marca golos. Não é um ídolo popular. É um homem de negócios que não nos dá sonhos. Esta é a principal diferença. E este é o ponto de viragem. Não os problemas fiscais que até podem ser superados, mas a mudança da imagem pública de Jorge Mendes. Este é o verdadeiro problema. Repito, não sei se é o princípio do fim do império, mas se calhar estamos lá perto.

Sendo um ponto de viragem, o que acha que ele vai fazer?
Acho que agora Jorge Mendes entrou num modo defensivo. Ele estava sempre a atacar, agora está defensivo. Não sei o que pode acontecer a seguir, mas acho que está a perder poder também porque há outros atores no mesmo campo de batalha. Como o italiano Mino Raiola. Sei que não gostam um do outro, o que é uma excepção porque de uma maneira geral os superagentes tentam não fazer guerra uns com os outros. Raiola é uma excepção porque é um personagem individualista. Ele não tem problema em ir para a guerra.

Mino Raiola é o Jorge Mendes italiano?
É diferente. Para mim Raiola é um mistério, porque nunca vi um homem como ele, que não tem medo de ir para a guerra contra homens poderosos do futebol. Talvez ele venha a ser objeto de investigação porque há um mistério no início da carreira de Mino Raiola, que como jornalista não tive ainda chance de clarificar.

Entretanto Jorge Mendes já se virou para um novo mercado, o da China. É uma saída, uma forma de dar a volta à situação?
Pode ser. Mas temos de ter em conta que as autoridades chinesas perceberam que estava a haver um exagero e convidaram os clubes a refrear esse investimento. Ou seja, o bombear de dinheiro da China foi outra bolha que se provou não ser eterna. Jorge Mendes tem boas relações com a China mas não acho que seja suficiente para ser uma porta de escape.

"Este não é um livro contra alguém ou alguma coisa, é apenas a mesma história que já foi contada muitas vezes, renquadrada."

"Este não é um livro contra alguém ou alguma coisa, é apenas a mesma história que já foi contada muitas vezes, renquadrada."

Luis Barra

Porque é que a FIFA não põe um travão nos superagentes?
Porque a FIFA não tem real poder para pará-los?

Quem tem?
Os superagentes não estão envolvidos no sistema da FIFA. Não são afiliados da FIFA, não são pessoas do mundo do futebol. Uma guerra contra os superagentes tem de ser levada a cabo por uma autoridade global independente, que não existe e que talvez nunca venha a existir. Não está na agenda. E a FIFA em geral não mostra uma verdaderia intenção de lutar contra a propriedade e controlo dos futebolistas por parte dos agentes externos ao futebol. Sanções de 50 mil euros por violar as regras da propriedade do passe dos jogadores, como aconteceu ao Sevilha, são ridículas. Dentro da FIFA há um lóbi forte que é contra uma atitude de punir os superagentes.

A FIFA beneficia desta economia paralela?
Sim. Quando vejo o presidente da FIFA. Gianni Infantino, no final do ano, ir ao Dubai para a cerimónia do Global Football Award e ficar lado a lado de Jorge Mendes...Na minha opinião o presidente da FIFA não tem que lá ir.

Nunca falou com Jorge Mendes?
Não, nem nunca tentei.

E ele nunca tentou falar consigo?
Não.

Tem receio que possa haver algum tipo de vingança por causa deste livro?
"Legal vendetta" ou outras formas de vingança (risos)?. Vingança legal acho que não, porque tudo o que reportei é público, recolhi de fontes públicas como os jornais ou as redes sociais. Eu construi todo o quadro a partir de fontes públicas e essa é também uma das razões porque não tentei contactá-lo. Não precisava, tendo em conta o trabalho que fiz sobre ele.

O que quis provar com este livro?
Eu quis mostrar o sistema geral da economia do futebol focada no seu ator principal. Este não é um livro contra alguém ou alguma coisa, é apenas a mesma história que já foi contada muitas vezes, reenquadrada. É uma avaliação diferente e uma atitude diferente perante o mesmo material público. Podemos olhar Jorge Mendes de formas diferentes usando o mesmo material, as mesmas fontes. E quis mostrar como um homem pode concentrar nele tanto poder.

Não tem portanto uma boa ideia de Jorge Mendes.
Vamos ver. Para mim Jorge Mendes é um génio, sem duvida nenhuma. Ele demonstrou ser a pessoa mais bem preparada, mais talentosa e com mais qualidades no seu trabalho, porque ninguém atingiu o que ele atingiu. Mas acho que ele prejudica mais do que ajuda o futebol.

Mesmo que tenha descoberto um Ronaldo.
Acho que Ronaldo teria à mesma uma grande carreira sem Mendes.

Mas Jorge Mendes foi e é mais do que um agente na vida de Ronaldo.
Sim. Talvez Ronaldo não chegasse tão rápido ao Manchester United sem o Jorge Mendes, mas teria à mesma uma carreira de alto nível.

O principal responsável pelas fraudes fiscais dos jogadores que estão acusados é Jorge Mendes?
Não tomo posição sobre isso. A única coisa que sublinho é que todos os jogadores acusados são agenciados por Jorge Mendes. Dizendo isto, não sei se ele é responsável. Posso ter uma opinião, mas esta é uma questão da Justiça.

Mas qual é a sua opinião?
É dificil para mim acreditar que Jorge Mendes não tenha dito nada sobre o assunto. É possivel que Jorge Mendes não soubesse de nada?

Já apoiou publicamente a posição de Bruno de Carvalho, que cortou com Mendes e é contra os fundos de investimento no futebol. É por isso que as coisas não estão a correr bem ao Sporting?
(Risos) Há um preço a pagar se escolhemos lutar contra atores tão poderosos.

Como podemos libertar o futebol desses agentes externos?
Tenho uma visão pessimista. Só a explosão da bolha especulativa pode resolver a situação. O futebol não está apto a regenerar-se a ele próprio.

O Football Leaks será uma boa ajuda?
Sem dúvida. Tenho uma opinião muito positiva do Football Leaks.

Está a trabalhar em mais algum livro?
Sim, já estou a preparar outros. Estou a trabalhar em diferentes pastas, mas a que está mais avançada é sobre o presidente da Liga espanhola, Javier Tebas. Um caracter muito negro, um ex-fascista que é um defensor dos fundos de investimento no futebol. É por isso que estou tão interessado na sua figura. Mas outra matéria que também trabalho é o caso do futebol italiano e o caminho que leva no interesse e na compra de jogadores sul-americanos.