Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

Grande entrevista a Bruno de Carvalho: “O presidente do futuro é o presidente-adepto. Sou eu”

Na primeira grande entrevista depois dos motins e dos insultos em Alvalade, Bruno de Carvalho explica porque não “procura o amor dos jogadores” e porque usou e deixou de usar o Facebook. O perfil de um homem que diz sentir-se como a peça do puzzle que não encaixa

Pedro Candeias, Adriano Nobre e Tiago Miranda

Bruno de Carvalho acha que os jornalistas não o pintam como deve ser. “Eu sou popular e sou um exemplo de vida: tive um sonho, lutei, ganhei e tornei-me presidente do Sporting Clube de Portugal”

tiago miranda

Partilhar

Esta não é uma entrevista, são duas entrevistas. O Expresso esteve com Bruno de Carvalho antes da derrota do Sporting em Madrid que provocou um cisma: o presidente de um lado e os jogadores do outro, com críticas violentas, ameaças de greve, suspensões e processos disciplinares pelo meio. Ficou combinada, então, uma segunda conversa para que o presidente leonino pudesse ser confrontado com o motim de Alvalade. Ao todo, foram mais de sete horas de perguntas e respostas, na casa de BdC e na SAD sportinguista, nas quais o líder leonino falou dos futebolistas, de Jorge Jesus, de Vieira e do Benfica, e do seu passado de “trolha” que serviu de preparação para o futebol. “Depois da construção civil, a bola é para meninos.”

O que lhe passou pela cabeça para escrever aquele post?
Vou fazer-vos um enquadramento importante. Primeiro, tem que ver com a linha de raciocínio que eu sigo e defendo: as críticas fazem parte e os jogadores vivem numa bolha. Mas também tem que ver com mais fatores. Antes de mais, a conversa que tive com os jogadores antes de eles irem para Madrid em que eu disse: “Considerem que quando as pessoas criticam e assobiam é porque acreditam em vocês, porque gostam de vocês — e vocês têm de corresponder com vitórias. De onze virem 22 e trazem de lá a vitória.” Na altura, nenhum dos futebolistas me disse: “Veja lá, não nos vá criticar.” Segundo, eu não fui a Madrid porque a minha filha estava para nascer, com todas aquelas questões [dificuldades na gravidez da mulher]. Mas o futebol é um mundo estranho, realmente...

Como assim?
Há uma superproteção dos jogadores e eles com muita facilidade vão para um patamar de total incoerência. Porque estes jogadores normalmente não vêm de meios fáceis ou abonados e esquecem-se rapidamente. Os salários que recebem não estão ligados à realidade do dia a dia. E depois há esta situação de redoma onde são colocados, idolatrados. Os atletas não percebem que são seres normais, cuja profissão é jogar à bola. Seres que têm uma responsabilidade, até social, acrescida, devido ao que ganham em clubes com a dimensão do Sporting. Se calhar os jogadores teriam outro comportamento em campo se não fosse esta teoria absolutamente mirabolante de que são um mundo à parte que tem de ser altamente protegido. Para caminharmos todos juntos, tem de haver um contacto que [não existe porque] os treinadores e jogadores portugueses não têm essa cultura.

Para ler a entrevista na íntegra, clique AQUI