Euro 2016

Perfil

A Seleção Sporting, por Nicolau Santos

O Diretor-adjunto do Expresso escreve sobre um tema que lhe toca: a formação leonina que dá uma mão cheia e dois dedos de outra a Fernando Santos

Nicolau Santos

ADRIAN DENNIS

Partilhar

O tema já está estafado mas é sempre bom lembrá-lo: a maior arte dos jogadores da seleção portuguesa de futebol foram formados na academia do Sporting Clube de Portugal. Por isso, a formação nas camadas jovens é fundamental. Mas não basta isso. É necessário que depois sejam dadas oportunidades a esses jovens, para se poderem afirmar nas equipas seniores e não se perderem pelo caminho, tapados por miúdos de outras nacionalidades que não são melhores do que eles. O Sporting faz isso há mais tempo, mas Benfica e Porto parece estarem agora a ir também por aí.

Por isso se saúda os bons resultados que o Benfica está a obter com a sua formação e a coragem do treinador Rui Vitória, ao dar oportunidade a Renato Sanches, que não só já foi vendido ao Bayer Munique, como integra a seleção e pode ser uma excelente alternativa para o miolo nacional. Por isso se saúda a oportunidade que o ex-treinador do FC Porto, José Peseiro, deu a André Silva, que se mostrou um ponta de lança de grande futuro – e é uma pena que o selecionador Fernando Santos não tenha tido a coragem de o levar também a França.

É que, olhando para o eventual onze base de Fernando Santos temos uma defesa onde Rui Patrício na baliza é indiscutível; onde Vieirinha é provavelmente melhor titular que Cédric; onde o “jovem” Ricardo Carvalho brilha a grande altura como central e Pepe será seguramente o seu parceiro natural; e o lado esquerdo deve ser entregue a Raphael Guerreiro (porque o Eliseu anda de bicicleta e os avançados vêm sempre de mota…); no meio campo Danilo está em grande forma, mas depois temos um intocável que precisa de ser trocado: Moutinho está completamente fora de forma, sem ritmo; Adrien Silva está claramente melhor. Depois João Mário tem de estar no onze e há que escolher entre André Gomes ou Renato Sanches. Na frente, não me venham com invenções: é o Ronaldo e o Quaresma – porque o Nani, valha-nos Deus é outro que está a precisar de ir rapidamente a banhos.

Por outras palavras, a minha seleção seria: Rui Patrício; Vieirinha, Pepe, Ricardo Carvalho e Raphael Guerreiro; Danilo; Adrien, João Mário e Renato Sanches; Ronaldo e Quaresma. Pois, em onze, três jogam no Sporting e dois passaram por lá. E não estou a contar com mais dois que podem ser titulares a qualquer momento: William Carvalho e Cédric Soares. Sete em onze? É fazer as contas… Viva a formação!