Euro 2016

Perfil

Figo não esperava tanto sofrimento mas acredita no título europeu

O ex-internacional português Luís Figo disse hoje à agência Lusa que não estava à espera de sofrer tanto com a seleção no arranque do Euro 2016 de futebol, mas acredita que "é possível sonhar" com a conquista do título.

Luís Figo, antigo jogador da seleção.

DANIEL MAURER

Partilhar

"Todos nós esperávamos não sofrer tanto, mas acho que já é sina e faz parte da história do nosso futebol ter que sofrer até ao último momento. Mas se sofrermos e conseguirmos os nossos objetivos, é sempre positivo", sustentou.

Luís Figo, que falava à Lusa à margem do World Corporate Golf Challenge a decorrer no Oitavos Dunes em Cascais, disse que Portugal teve sorte por estar num grupo de seleções teoricamente mais acessíveis, mas deve ter "humildade" e não subestimar o adversário.

"Temos de ter sempre a esperança de fazer o melhor possível e chegar o mais longe possível, sempre dentro da maior humildade e respeito pelas outras equipas. Passámos a primeira fase, o primeiro objetivo, tivemos a felicidade de estar no pacote de grupos mais acessível e por isso é sonhar que pode ser possível chegar à final e conquistar o título", afirmou.

Portugal vai jogar no sábado os oitavos-de-final da competição frente à Croácia, com quem nunca perdeu, nem tão pouco sofreu golos.

"Se a história jogasse já era bastante favorável, mas como não é assim, a história e estatística não tem nada a ver com a realidade. Só nos resta ser melhor do que a Croácia e conseguir uma vitória", disse.

Para isso, indicou, a tática deve ser "jogar como equipa e tentar fazer, cada um, o seu melhor para ser mais fácil ter mais vantagens nas disputas individuais e obter um resultado positivo".

"Temos talento e qualidade, assim como a Croácia também tem. Falar é fácil e jogar é difícil", acrescentou.

Luís Figo, que marcou à seleção croata no campeonato europeu de futebol de 1996, em que Portugal venceu por 3-0, mostrou-se então confiante com a vitória no sábado.

"Acredito, lógico, tenho de acreditar e ter esperança num bom resultado, mas sempre com a consciência do valor da nossa seleção e das que vamos enfrentar", concluiu.

Lusa