Euro 2016

Perfil

Casillas e Del Bosque: amigos como dantes

Zangados desde o Euro em França, o guardião espanhol e o ex-treinador fizeram as pazes

Expresso

David Ramos / Getty Images

Partilhar

Não durou muitos dias a zanga entre Del Bosque e Iker Casillas, na sequência do “divórcio” anunciado pelo ex-selecionador espanhol logo que o Euro 2016 terminou para a Espanha, com uma eliminação precoce. Quatro dias depois de o treinador ter revelado que estava de saída do comando técnico da equipa e que se tinha despedido de todos os jogadores menos do guardião do FC Porto, uma foto colocada esta manhã pelo guarda-redes, na sua conta no Twitter, evidencia que a relação de amizade foi reatada e as diferenças fazem parte do passado.

Voltemos uns dias atrás. A 30 de junho, em entrevista à estação de rádio espanhola Cadena SER, o treinador que conquistou para Espanha o Mundial de 2010 e o Europeu de 2012 admitiu ter enviado mensagens de despedida a todos os convocados... menos a Casillas: “Não me caiu bem que se tenha portado mal com a equipa técnica”, justificou.

O ex-selecionador espanhol de 65 anos explicou a sua atitude: “Esteve perfeito com os seus companheiros, mas não com o corpo técnico. Por isso mesmo foi o único a quem não mandei mensagem. Esteve mal comigo, com o Javier Miñamo [preparador físico[ e com Toni Grande [treinador-adjunto]. Ficou chateado connosco [por não ter sido titular]”, disse Del Bosque.

Em silêncio desde a passada quinta-feira, esta manhã Casilas deu sinal de vida e logo para dar conta de que a relação de amizade com Del Bosque está refeita:

Traduzindo: “Esta manhã, na Cidade do Futebol. Juntos há 25 anos e todos os que faltam! Um abraço mister! Boa sorte!”, escreve o guardião.

Recorde-se que um dia antes da entrevista de Del Bosque, Casillas havia num outro tweet dado a entender estar de saída da seleção. O mais internacional dos futebolistas do país vizinho, bicampeão da Europa (2008 e 2010) e campeão do mundo em 2010, escolheu uma cena do filme “Rambo” para insinuar que não voltará a estar disponível para jogar pela seleção, após não ter saído do banco durante todos os jogos de Espanha no Euro 2016.

“Não sei para onde, mas vou-me”, escreveu o guarda-redes, parafraseando Rambo. “Voltar para quê? Os meus amigos morreram aqui, eu morri aqui”, acrescentou, socorrendo-se do diálogo com o coronel Sam Trautman, que questiona: “Como irá viver?”. “Dia a dia”, responde Casillas na pele de Rambo.

Os jornais espanhóis referem que a mensagem é ambígua, que poderá não passar de um estado de espírito passageiro, mas aos 35 anos o guarda-redes portista poderá seguir as pisadas de Ibrahimovic e Messi, que no ocaso das carreiras preferiram abandonar as seleções dos seus países e guardar todas as fichas para apostarem nos respetivos clubes: o Barcelona de sempre no caso do recordista das Bolas de Ouro, e o Manchester United, que acaba de contratar o sueco de 34 anos para reforçar a equipa de José Mourinho.