Euro 2016

Perfil

Organização do Euro 2016 com receita bruta de dois mil milhões de euros

O Euro 2016 de futebol gerou uma receita líquida de 830 milhões de euros, resultado da diferença entre a receita de 1,93 mil milhões de euros e a despesa de 1,1 mil milhões, revelou hoje a organização.

© Reuters Staff / Reuters

Partilhar

Desse lucro, 600 milhões serão destinados às 55 federações filiadas da UEFA, e o remanescente, de 230 milhões de euros, cobrirá custos de organização do Euro 2020 e da fase de qualificação.

De acordo com a organização, as receitas tiveram um crescimento de 34% em relação à organização do Euro 2012, coorganizado por Polónia e Ucrânia, especialmente devido ao aumento de 18 para 24 equipas na fase final.

O essencial das receitas da UEFA é proveniente dos direitos televisivos (1,05 mil milhões de euros), dos programas de parceria (480 milhões de euros) e da venda de bilhetes (400 milhões).

Os benefícios para o país organizador, a França, estavam estimados pelo centro económico e de direito do desporto, ainda antes do início da competição, em 1,2 mil milhões de euros, dos quais 200 milhões em taxas e impostos.

Segundo a UEFA, a competição levou ainda à criação de 25.000 empregos a tempo total.

O modelo de 24 equipas teve um efeito positivo e será novamente aplicado no Euro 2020, embora ainda seja prematuro falar do que acontecerá em 2024.

"Permitiu a pequenas equipas trazerem qualquer coisa ao torneio", salientou o diretor de competições da UEFA, Giorgio Marchetti, dizendo que, com exceção da Albânia, todas se qualificaram para a fase seguinte.

Um modelo que deixou Portugal a caminho dos oitavos de final, como uma das seleções mais bem classificadas nas terceiras posições da fase de grupos, o que não aconteceria no formato anterior, que apurava apenas as duas primeiras.

Em matéria de segurança, uma preocupação maior para a organização, nomeadamente face aos atentados em Paris e, depois, em Bruxelas, o secretário-geral da UEFA, Theodoros Theodoridis, congratulou-se com a organização.

O responsável lembrou os incidentes com adeptos rapidamente resolvidos nos estádios, além da rápida reação do comité da UEFA aos confrontos entre russos e ingleses em Marselha, com a colaboração das duas federações.

No domingo disputa-se a final do Euro 2016, no Stade France, em Paris, entre a anfitriã França e Portugal, que estará pela segunda vez na sua história na final de um Europeu de futebol.

Lusa