Tribuna Expresso

Perfil

Football Leaks

Investigação a Ronaldo por evasão fiscal em Espanha está "avançada"

Fontes do Ministério das Finanças espanhol confirmam ao "El Mundo" que o inquérito ao internacional português por suspeitas de não ter declarado milhões de euros em direitos de imagem está a decorrer há um ano e meio

Joana Azevedo Viana

PIERRE-PHILIPPE MARCOU/Getty

Partilhar

As suspeitas de que Cristiano Ronaldo não declarou dezenas de milhões de euros de rendimentos às Finanças espanholas estão a ser investigadas por aquele Ministério, confirmaram ao "El Mundo" fontes da autoridade tributária esta quinta-feira.

A investigação sobre o alegado desvio dos direitos milionários de imagem do internacional português está "avançada". As mesmas fontes do Ministério das Finanças espanhol dizem ainda que o inquérito está em curso "em silêncio e ao seu ritmo" há um ano e meio, pelo alegado recurso de Ronaldo a três empresas das Ilhas Virgens britânicas para ocultar parte dos seus rendimentos tributáveis.

O avançado do Real Madrid é suspeito de ter desviado para aquele paraíso fiscal do Caribe cerca de 150 milhões de euros de receitas publicitárias, de acordo com documentos da investigação Football Leaks, fornecidos pela revista alemã "Der Spiegel" ao consórcio European Investigative Collaborations (CEI, na sigla portuguesa), de que o Expresso é parceiro. Fiscalistas espanhóis dizem que o jogador português enfrenta uma pena de até seis anos de prisão se for declarado culpado.

A agência tributária espanhola tem estado a reunir provas sólidas da alegada fuga aos impostos para passar à fase seguinte, a de enviar os indícios recolhidos para o Ministério Público de Madrid a fim de o caso ser apresentado a um juiz num "momento oportuno", explica o "El Mundo".

Na quarta-feira, a Justiça espanhola acusou formalmente três jogadores, o internacional português Ricardo Carvalho, o espanhol Xabi Alonso e o argentino Ángel di María, de evasão fiscal, e confirmou que o colombiano Radamel Falcao e o português Fábio Coentrão estão sob investigação formal pelo mesmo crime.

Os processos contra os futebolistas da equipa merengue foram iniciados em junho mas só foram tornados públicos ontem, através de um comunicado enviado às redações espanholas no qual o organismo correspondente ao Ministério Público de Madrid informou que decidiu acusar formalmente os primeiros três após os 12 parceiros do CEI terem começado a divulgar o resultado da sua investigação de sete meses.

A confirmação de que Ronaldo está na mira das Finanças espanholas contradiz diretamente a defesa da Gestifute, a empresa do português Jorge Mendes que representa o internacional português, o treinador José Mourinho e várias outras estrelas do mundo do futebol suspeitas de evasão fiscal e envolvidas na investigação do Football Leaks.

Há uma semana, a empresa emitiu um comunicado a garantir que tanto Ronaldo como Mourinho pagaram todos os seus impostos. "As autoridades fiscais europeias têm critérios diferentes em matéria de direitos de imagem e os clientes estrangeiros veem-se com frequência afetados por essas diferenças, que respeitam e cumprem", lê-se no documento. "Em todos os casos em que se verificaram divergências com as autoridades sobre os critérios fiscais a aplicar, as mesmas foram resolvidas por acordo, sem necessidade de recurso aos tribunais", refere ainda a Gestifute, garantindo que vai recorrer à via judicial para processar qualquer jornal que ponha em causa a idoneidade dos seus clientes.