Tribuna Expresso

Perfil

Football Leaks

Markovic: um caso de estudo sobre conflitos de interesse

Um guia sobre como lucrar de três maneiras ao negociar a transferência do internacional sérvio com um clube da Primeira Liga Inglesa

Joana Azevedo Viana

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

O extremo sérvio de 22 anos Lazar Markovic entrou no gigantesco mercado financeiro sob alegada supervisão do superagente israelita Pini Zahavi, através de empresas offshore com sede em Malta e nas Ilhas Virgens britânicas.
Em julho de 2014, foi vendido por 25 milhões de euros pelo Benfica ao Liverpool. Atualmente está emprestado pelo clube inglês ao Sporting.
Quando o clube da Primeira Liga Inglesa comprou Markovic, adquiriu 100% dos direitos económicos e federativos do jogador. Na prática passou a ser dono dele. Só que ele não era da inteira propriedade do Benfica.
Um dos donos do jogador parece ser Pini Zahavi, através de uma empresa offshore das Ilhas Virgens britânicas chamada Leiston Holdings, à qual aparece várias vezes associado nos documentos do Football Leaks — uma investigação a redes de evasão fiscal montadas no mundo do futebol que está ser conduzida pelos 12 parceiros do consórcio de jornalismo European Investigative Collaborations (EIC), entre eles o Expresso.
Embora a “empresa” de Zahavi tenha vendido 50% do jogador ao Liverpool, novos documentos revelam que membros da “rede” de Zahavi receberam quase três milhões de euros pelos direitos de imagem de Markovic através de uma empresa offshore com sede em Malta.
Isto não é tudo. Os membros da rede de Zahavi também representaram tanto o extremo sérvio como o clube inglês à data da assinatura do contrato.

Lucrar com a participação de terceiros

A Leiston Holdings é um veículo comercial offshore que o superagente Pini Zahavi terá usado para comprar e vender os direitos económicos de jogadores de todo o mundo numa série de negócios. A FIFA proíbe esta prática, conhecida como Third Party Ownership (TPO), desde maio de 2015, quando baniu a influência de partes terceiras na independência dos clubes. A Primeira Liga inglesa já tinha banido a TPO antes disso.
Em abril de 2012, a Leiston Holdings assinou um acordo com o Partizan de Belgrado para comprar os direitos económicos de Markovic, então com 18 anos. Os detalhes desse negócio não se encontram nos documentos do Football Leaks.
Os talentos do Partizan são muitas vezes recrutados por Fali Ramadani, um controverso intermediário macedónio de ascendência albanesa que dá a cara pela agência de gestão desportiva Lian Sports. Num email do Football Leaks, o superagente Pini Zahavi refere-se a Ramadani como “o meu amigo Fali”. Participam em reuniões de negócios juntos e os jogadores da Lian Sports são os clientes favoritos do Apollon Limassol, um clube da primeira divisão de Chipre, e do Royal Excel Mouscron, da primeira divisão belga.
Lazar Markovic é representado pela Lian Sports.

A 1 de julho de 2013, Lazar e o seu irmão Filip Markovic foram transferidos para o Benfica. O clube português comprou 100% dos direitos federativos de Lazar e 50% dos seus direitos económicos à Leiston Holdings, estes últimos no valor de 6,25 milhões de euros.
Note-se que a “empresa” de Zahavi está registada na mesma morada — Coastal Building, Wickham’s Cay 11 PO Box 2221, Tortola, Road Town, British Virgin Islands — que outras “construções offshore” detetadas na investigação Panama Papers.
Os irmãos Markovic assinaram os seus contratos na presença do agente da Lian Sports, Nikola Damjanac. A 14 de julho de 2014, o Liverpool comprou Markovic — pagou 50% ao clube dele, o Benfica, e 50% à Leiston Holdings. Cada um encaixou 12,5 milhões de euros.
Em apenas 36 meses, a quota parte da Leiston nas transferências de Markovic já tinha atingido o valor assombroso de 18,75 milhões de euros. O lucro do Benfica com os negócios foi de 5,75 milhões de euros; o Partizan, pelo contrário, terá obtido entre dois e 2,5 milhões de euros, apesar de ter sido o clube sérvio a lançar a carreira do jogador. O agente ganhou o dobro do valor total que os dois clubes receberam pelo extremo.
Parece um ótimo negócio. E é apenas o início.

Pini Zahavi (dta) representa, entre outros, Markovic, Javier Mascherano e o inglês Rio Ferdinand (segundo a contar da direita)

Pini Zahavi (dta) representa, entre outros, Markovic, Javier Mascherano e o inglês Rio Ferdinand (segundo a contar da direita)

Getty Images

Lucrar enquanto agente do clube e do jogador

A sombra de Pini Zahavi seguiu Lazar Markovic até Inglaterra mesmo depois de ter vendido os direitos económicos do jogador ao Liverpool.
No mesmo dia em que o Liverpool e o Benfica chegaram a um acordo com a Leiston, o jogador nascido em Cacak, na Sérvia, aceitou assinar um contrato de cinco anos com um salário base de 44.688 libras (52.717 euros) por semana. O seu vencimento podia engrossar com base no número de convocatórias, golos, assistências e resultados do clube.
O agente sérvio de Markovic, Nikola Damjanac, também integrou esse acordo, tendo sido autorizado a receber 1,37 milhões de euros “em nome do jogador”. O diretor administrativo Ian Ayre e o secretário do clube Stuart Hayton assinaram o contrato em nome do Liverpool.
No final do documento, Damjanac é descrito como “representante do jogador”. Mas, secretamente, ele também é nomeado como “representante do clube” a par de Pietro Chiodi, um agente italiano pouco conhecido que é muito ativo no mercado romeno. Damjanac, um membro da rede de Zahavi, estava portanto a representar o clube e o jogador. Mas isso não é tudo.

Lucrar com direitos de imagem

O Liverpool também está a pagar mais de meio milhão de libras por ano ao detentor dos direitos de imagem de Lazar Markovic, a Lanigan Management Ltd. Os direitos de imagem correspondem ao dinheiro que um jogador recebe pelo uso do seu nome, assinatura e presença em negócios comerciais como patrocínios e apoios de marcas. Em cinco anos o acordo passou a valer 2,9 milhões de libras (cerca de 3,6 milhões de euros à data).
A Lanigan Management Limited está registada na morada 116/8 St. George’s Road, St. Julians STJ 3203, Malta. No site da Lian Sports, é apresentada como a empresa que gere os negócios da agência.
Por causa disto e com apenas um jogador, Lazar Markovic, o grupo de Zahavi já lucrou aproximadamente:

- 12,5 milhões de euros através da TPO, a prática que a FIFA baniu, transferidos para uma offshore nas Ilhas Virgens britânicas
1,37 milhões de euros enquanto agente dos dois lados, transferidos para uma offshore em Malta
3,6 milhões de euros sob um acordo de direitos de imagem entre o Liverpool e a offshore maltesa

Curiosamente, no acordo entre o Liverpool e a Leiston, a empresa das Ilhas Virgens britânicas diz que o clube inglês:
“não aceitou nem aceitará pagar direta ou indiretamente, à ordem ou em benefício do jogador, a qualquer agente, diretor ou funcionário do Liverpool, ou a qualquer pessoa ou empresa ligada a qualquer dessas entidades [intermediários].”

É uma cláusula hilariante tendo em conta que Zahavi tem a reputação de ser um dos superagentes de topo do futebol e que, entre os seus clientes, se conta o médio defensivo do Barcelona Javier Mascherano.

(Adaptado de um artigo original do jornal romeno Gazeta Sporturilor)