Tribuna Expresso

Perfil

Football Leaks

Os jogos poucos amigáveis dos “Amigos de Messi”

Houve futebolistas a serem pagos através de uma companhia offshore no Uruguai para jogar com Lionel Messi em jogos solidários organizados pela sua fundação em 2012 e 2013. Ao mesmo tempo, 1,5 milhões de euros das receitas obtidas com esses encontros amigáveis foram parar a paraísos fiscais. Um juiz espanhol arquivou o caso, contrariando as suspeitas dos inspetores da polícia espanhola

Texto Rafael Buschmann, Michael Wulzinger, Nicola Naber (Der Spiegel) e Yann Philippin (Mediapart), EIC (European Investigative Collaborations)

getty

Partilhar

A decisão foi um grande alívio para o clã Messi. A 14 de dezembro de 2015, um juiz em Barcelona decidiu arquivar o inquérito-crime sobre suspeitas relacionadas com os jogos solidários “Amigos de Messi”, que estava a ser investigado em Madrid.

Esta é uma história sobre um alegado esquema de fraude fiscal que tinha no epicentro o avançado argentino, o seu pai e agente, Jorge Messi, bem como três dos seus colegas de equipa no FC Barcelona. A polícia estava a investigar se este pequeno grupo de futebolistas tinha recebido pagamentos não declarados para participarem nos jogos particulares organizados em 2012 e 2013 sob os auspícios da Fundação Lionel Messi e tendo como objetivo ajudar crianças desfavorecidas.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido