Tribuna Expresso

Perfil

Fórmula 1

Kimi Raikkonen faz o melhor tempo nos testes de Barcelona

O piloto da Ferrari foi o mais rápido nos testes em Barcelona

Pedro Roriz

PATRIK STOLLARZ

Partilhar

Kimi Raikkonen (Ferrari) estabeleceu o melhor tempo no conjunto dos dois dias de testes de F1, que estão a decorrer no traçado catalão. O finlandês, que utilizou pneus macios, bateu o tempo da pole position, do ano passado, por mais de um segundo e confirmou que a marca italiana volta a ser a mais séria opositora da Mercedes, que viu o inglês Lewis Hamilton colocar-se no topo da tabela de tempos de manhã, antes de passar o volante ao seu colega de equipa, o finlandês Valtteri Bottas, que não foi além do sétimo tempo do dia, depois de ter simulado uma corrida.

De assinalar que Kimi Raikkonen e Lewis Hamilton foram os únicos que já chegaram ao segundo “20”.

O holandês Max Versatappen (Red Bull) registou o terceiro tempo do dia e bateu a marca feita, na véspera, pelo australiano Daniel Ricciardo, mas perdeu mais de um segundo para Kimi Raikkonen.

O dinamarquês Kevin Magnussen (Haas), que voltou a estar em ação, alcançou o quarto tempo a 0,004” (!) do holandês, confirmou que o Haas é um dos melhores carros, nesta fase da época.

Mau dia para a Williams, em consequência do despiste, logo ao início da manhã, do canadiano Lance Stroll, que não evitou uma ida à gravilha, que provocou estragos significativos no FW40 e levou a equipa a dar por concluídos os trabalhos no segundo dia de testes.

A exemplo do que sucedeu ontem, em que o problema esteve no formato do depósito de óleo, a McLaren voltou a ter dificuldades e, desta vez, foi obrigada trocar de motor, com o belga Stoffel Vandoorne a queixar-se de perda de potência e limitar-se a 29 voltas da parte da manhã.

Tempos do segundo dia:

Kimi Raikkonen (Ferrari), 1’20,960”;
Lewis Hamilton (Mercedes), 1’20,983”;
Max Verstappen (Red Bull), 1’22,200”;
Kevin Magnussen (Haas), 1’22,204”;
Esteban Ocon (Force Índia), 1’22,509”;
Daniil Kvyat (Toro Rosso), 1’22,956”;
Valtteri Bottas (Mercedes), 1’22,986”;
Jolyon Palmer (Renault), 1’24,139”;
Antonio Giovinazzi (Sauber), 1’24,617”;
Stoffel Vandoorne (McLaren), 1’25,600”; Lance Stroll (Williams), 1’26,040”

GP da Rússia até 2025

Introduzido no calendário em 2014, o GP da Rússia, que decorre na cidade de Sochi, num circuito desenhado ao redor do Parque Olímpico, viu a sua permanência no calendário da F1 estender-se até 2 025, em consequência do prolongamento do acordo inicial que tinha 2020 como ano limite.

Como curiosidade refira-se que a Mercedes ganhou as três edições da prova russa, com duas vitórias do inglês Lewis Hamilton) (2014 e 2015) e um do alemão Nico Rosberg (2016).

A edição deste ano da prova russa terá lugar a 30 de Abril.