Tribuna Expresso

Perfil

Futebol feminino

As relações que preocupam o futebol inglês: treinadores envolvidos com jogadoras

Depois da apresentação de Phil Neville como novo selecionador feminino de Inglaterra, a Federação ressalvou a necessidade de uma "boa conduta desportiva" na modalidade, de forma a evitar relações íntimas entre jogadoras e treinadores

Expresso

Keith Boanas era treinador do Charlton, em 2005, quando se envolveu com a jogadora inglesa Pauline Cope, com quem acabou por casar

Julian Finney/Getty

Partilhar

O estabelecimento de relações afetivas é uma situação considerada "comum" no futebol feminino. Como refere a BBC, uma avançada internacional inglesa que não quis ser identificada chegou mesmo a garantir que "mal se conseguia lembrar" de um clube onde não houvesse relações deste tipo.

Keith Boanas, treinador da equipa feminina do Charlton entre 2000 e 2007, por exemplo, casou com a antiga guarda-redes do clube - e da seleção inglesa -, Pauline Cope-Boanas, numa relação que acabou por se tornar pública.

Contudo, este é um assunto cujas implicações devem começar a suscitar uma maior reflexão. Pelo menos é o que Sue Campbell, líder do departamento de futebol feminino da Federação Inglesa (FA), garante que tem de acontecer para a modalidade evoluir.

"Este é um problema no futebol feminino com o qual temos de saber lidar", referiu, citada pela BBC. "Há pessoas que mantêm relações com as jogadoras e isto é uma preocupação", acrescentou, justificando uma "boa conduta desportiva" como objetivo da Federação.

Sue Campbell, líder do futebol feminino inglês, na apresentação de Phil Neville como novo selecionador feminino de Inglaterra

Sue Campbell, líder do futebol feminino inglês, na apresentação de Phil Neville como novo selecionador feminino de Inglaterra

Nick Potts - PA Images

"É preciso compreender os desafios que implica uma relação entre uma jogadora e um treinador da mesma equipa. É desafiante para as outras jogadoras, e talvez elas consigam lidar com isso com grande profissionalismo e discrição, tenho a certeza que o farão em muitos casos, mas é um assunto que levanta preocupações", acrescentou.

Contudo, a chefe do futebol feminino da FA alerta para não se cair em "julgamentos morais de indivíduos" e não confundir estes relacionamentos consensuais com casos de assédio sexual, ainda que Campbell reconheça que os primeiros também refletem uma "má conduta desportiva".

O tema não surge por acaso. Recentemente, Campbell nomeou Phil Neville como selecionador, na sequência da destituição de Mark Sampson do cargo, em setembro do ano passado. O ex-selecionador foi acusado de "comportamento inapropriado e inaceitável" para com as jogadoras da seleção, depois de denúncias de racismo - e também de envolvimento com jogadoras, no Bristol, clube onde esteve até 2013, antes de entrar na seleção inglesa.