Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Desolador

Avião que transportava a delegação do clube de futebol Chapecoense caiu com Medellín à vista, após uma viagem em clima de festa. A maior parte dos corpos já foram resgatados e as autoridades colombianas confirmam terem recuperado também as duas caixas negras do aparelho. Só a sua análise permitirá explicar a causa do acidente

Mafalda Ganhão

RAUL ARBOLEDA/GETTY IMAGES

Partilhar

Os seis sobreviventes serão a notícia mais surpreendente no meio da tragédia que envolveu a queda do avião da companhia área Lamia, esta terça-feira, a 60 km de Medellín, na Colômbia, matando 75 pessoas. O aparelho transportava a delegação do clube de futebol Chapecoense e 21 jornalistas brasileiros, não estando ainda confirmada a causa do acidente.

Sabe-se que o avião perdeu o contacto com a torre de controlo quando estava a sobrevoar o município de La Ceja, admitindo as autoridades que possa ter sofrido um problema elétrico ou falha de combustível. Instantes antes da queda, escreve a “Folha de São Paulo”, a aeronave declarou emergência e solicitou prioridade para aterrar no aeroporto de Medellín. Mas só a análise das caixas negras - já foram encontradas as duas, confirmou agência de aviação civil colombiana - permitirá encontrar respostas.

Segundo o “Globo”, o Avro RJ85 tinha 17 anos e partiu-se em três ao tentar fazer uma aterragem de emergência. O esforço para encontrar sobreviventes ou resgatar os corpos das vítimas foram prejudicadas pelas condições meteorológicas, mas as notícias mais recentes confirmam ter sido já possível recuperar 72 cadáveres.

Quanto aos sobreviventes - foram encontrados sete, mas um deles acabou por não resistir à gravidade dos ferimentos. A lista oficial tranquilizou os familiares e amigos dos jogadores Alan Ruschel, Jackson Ragnar Follmann e Hélio Hermito Zampier Neto e do jornalista Rafael Henzel Valmorbida. Ximena Suárez e Erwin Tumiri, dois elementos da tripulação, escaparam também.

Seria uma festa, foi uma tragédia: a Chapecoense ia disputar esta quarta-feira com os colombianos do Atlético Nacional a primeira mão da final da Taça Sul-Americana de futebol. Após o acidente, a Confederação Sul-Americana de Futebol decidiu suspender todos os jogos que tutela.

Pouco depois da partida, a bordo vivia-se um clima de boa disposição a condizer, como mostra o vídeo que está a comover o mundo.

O clube brasileiro do estado de Santa Catarina vinha sendo referido como um dos fenómenos recentes do futebol no país, com a chegada ao primeiro escalão há três anos. O luto inesperado motivou mensagens de apoio um pouco por todo o mundo, onde foram respitados minutos de silêncio, com Gianni Infantino, presidente da FIFA, a resumir o sentimento geral: “Este é um dia muito, muito triste para o futebol”.

Lamentando o acidente, o Vitória de Guimarães endereçou em particular condolências aos familiares de Caio Júnior, avançado brasileiro que integrou a sua equipa durante cinco anos. Curiosamente, conta a imprensa brasileira, o filho de Caio Júnior, que tinha também planos para integrar a comitiva, não entrou no avião por se ter esquecido do passaporte.