Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Sporting deixa “abraço especial” a Marcelo Boeck, que não viajou com a Chapecoense

Além dos leões, também Benfica e FC Porto se solidarizam com a tragédia aérea que dizimou a equipa de futebol do clube brasileiro de futebol

Lusa

Gregório Cunha / AFP / Getty Images

Partilhar

O Sporting deixou esta terça-feira "um abraço especial" para Marcelo Boeck, guarda-redes da Chapecoense, equipa que seguia no avião que caiu esta madrugada na Colômbia, onde ia disputar a final sul-americana de futebol, provocando a morte de 76 pessoas.

"O Sporting CP está com o Chapecoense e com as famílias de todos os que seguiam a bordo do avião. Um abraço especial para o nosso Marcelo Boeck. Força, Leão!", refere o clube de Alvalade na sua conta na rede social Facebook.

Marcelo Boeck, de 32 anos, que saiu do Sporting para o Chapecoense em fevereiro deste ano, escapou ao acidente porque não viajava com a equipa.

Também o Benfica diz na sua conta na rede social Twitter estar neste momento "com todos os envolvidos no acidente aéreo do Chapecoense Real, as famílias e os adeptos".

Do mesmo modo, o FC Porto diz que a tragédia "voltou a atingir o futebol" e que o clube solidariza-se com o Chapecoense e o futebol brasileiro.

Reações à tragédia e apoio ao Chapecoense surgem um pouco de todo o lado no mundo do futebol, de clubes como o Atlético Madrid, FC Barcelona, Chelsea, Manchester United, do recém-campeão brasileiro Palmeiras, AC Milan, entre outros.

Cinco pessoas sobreviveram ao desastre de avião, perto do aeroporto internacional de Medellín, e 76 morreram, segundo o general Jose Acevedo, chefe da polícia daquela área da Colômbia.

O aparelho fazia um voo 'charter' com 81 pessoas a bordo, incluindo a equipa do Chapecoense Real, que ia disputar a final da Taça Sul-Americana com uma equipa colombiana.

Entre os sobreviventes estão o guarda-redes Marcos Danilo Padilha, de 31 anos, o guarda-redes suplente Jackson Follmann, de 24 anos, e o lateral Alan Ruschel, de 27 anos.