Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Chapecoense é declarada vencedora da Taça Sul-americana

A decisão da Confederação Sul Americana de Futebol acontece na sequência de um pedido do Atlético Nacional, após o acidente de avião que causou a morte da comitiva da Chapecoense

Expresso

DOUGLAS MAGNO/ Getty Images

Partilhar

Deveriam ter sido 90 minutos de futebol a decidir o vencedor da Taça Sul-americana de 2016, mas o jogo nunca aconteceu. A Chapecoense não chegou ao destino, pois o avião onde seguia a comitiva teve um acidente. Agora, quase uma semana depois, a Confederação Sul Americana de Futebol (CONMEBOL) declarou a equipa brasileira como vencedora da competição com todos os “privilégios desportivos e económicos”.

A decisão da surge na sequência do pedido do Atlético Nacional, o clube que iria defrontar a Chapecoense na final da Taça Sul-americana.

“Na quarta-feira, 30 de novembro, a CONMEBOL recebeu uma carta do Atlético Nacional, dirigida ao senhor presidente Alejandro Domínguez, em que convidava a CONMEBOL a entregar o título da Taça Sul-americana à Associação Chapecoense de Futebol como forma de honrar a grande perda e homenagear a título póstumo as vítimas do fatal acidente que deixou o desporto de luto”, lê-se no comunicado divulgado pelo organismo.

Mas o Atlético Nacional também será premiado. Além do título de vice-campeão, será atribuído aos colombianos o prémio “Centenário CONMEBOL do Fair Play”, considerando que a atitude promoveu uma “atitude de espírito de paz, compreensão e jogo limpo, para que os valores desportivos prevaleçam sempre sobre os interesses comerciais”.

Assim sendo, com o título atribuído, a Chapecoense deve receber mais de 4 milhões de dólares (cerca de 3,7 milhões de euros) e garante também um lugar na Recopa e na Taça dos Libertadores. Já ao Atlético Nacional, a CONMEBOL vai entregar um milhão de dólares (aproximadamente 9,2 milhões de euros).

Às 22h15 (3h15 em Lisboa) da passada segunda-feira, o Avro RJ85 da companhia boliviana Lamia desapareceu do radar. Estava a cerca de 30 quilómetros do destino final, na Colômbia, quando caiu. A bordo seguia a equipa brasileira da Chapecoense. Morreram 71 pessoas e seis pessoas ficaram feridas.