Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Boxing Day, ou como a caixa das sobras do natal criou um feriado desportivo (e consumista)

O dia a seguir ao Natal é feriado nacional no Reino Unido, calhe no dia que calhar. Manda a tradição que os estádios de futebol se encham, mas a concorrência do primeiro dia de saldos afasta cada vez mais adeptos dos estádios. Petição pública pede ao governo encerramento obrigatório das lojas a 26 de dezembro

Matthew Lewis / Getty

Partilhar

Esta segunda-feira disputa-se o Boxing Day, uma tradição britânica que vem desde 1860 e que enche os estádios de futebol. O dia a seguir ao Natal, feriado oficial, é comemorado com o início de três jornadas, que terminam a 4 de janeiro com o encontro entre Tottenham e o Chelsea. O primeiro jogo na Premier League foi disputado hoje às 12h30 e terminou com um empate 1-1 entre Watford e Crystal Palace. O dia dedicado ao futebol conta com mais sete jogos e fecha com Hull City - Manchester City às 17h15.

O Boxing Day não nasceu, no entanto, nos estádios de futebol britânicos, mas também não se sabe ao certo qual a sua origem. Há quem diga que a tradição vem desde a Idade Média, altura em que a nobreza inglesa tinha por hábito encher caixas — e daí o uso da expressão “box”, caixa em inglês —, com os restos de comida que sobravam do jantar de natal para os dar aos empregados. Outros afirmam que a expressão se deve às caixas de donativos que circulavam pelas igrejas para ajudar os mais desfavorecidos.

ADRIAN DENNIS / Getty

Era no dia a seguir ao Natal que os patrões autorizavam os funcionários — muita vezes deslocados das cidades de origem — a visitar as famílias. A vinda dos filhos da terra era aproveitada pelos clubes locais para a realização de torneios de futebol, e a tradição permanece até hoje. No Boxing Day os adeptos enchem os estádios mascarados de Pai Natal, de barbas brancas e gorros vermelhos, e assim assistem aos jogos do principal campeonato de futebol do Reino Unido.

A tradição que contagiou o futebol estende-se já a outras modalidades desportivas, como o râguebi, o críquete e as corridas de cavalos. Segundo o jornal britânico “The Telegraph”, para além de feriado, celebra-se neste dia a Festa de Santo Estêvão, o santo padroeiro dos cavalos.

Jack Taylor / Getty

A tradição desportiva, porém, ganhou nos últimos anos concorrência. Muitos ingleses aproveitam o Boxing Day — mesmo que o feriado oficial calhe a um sábado ou domingo passa para a segunda-feira seguinte — para fazer as trocas das prendas de natal ou ir ao primeiro dia de saldos. O desrespeito por este marco cultural levou um grupo de ingleses mais puristas a lançar, no fim de novembro, uma petição pública para “Acabar com a abertura das lojas no Boxing Day” (“Stop shops opening on Boxing Day!”). No documento, disponível online, pedem aos lojistas que abrem portas a 26 de dezembro para abdicarem do lucro por um dia e se concentrem em “criar momentos memoráveis junto daqueles que amam”.

O movimento “Desculpe, estamos fechados” (“Sorry We're Closed”) já conta com cerca de 234 mil assinaturas e pede que a tradição volte a ser como era há 30 anos, quando o comércio fechava uma semana inteira. Assim que atinjam os 300 mil signatários, a petição será entregue ao governo de Theresa May para que inclua na lei a proibição da abertura do comércio no dia a seguir ao Natal.

Partilhar