Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Mercado de inverno: o que já aconteceu, o que pode acontecer e o que é altamente improvável

Será Lindelöf finalmente vendido ao Manchester United? Vai sair a renovação de Gelson Martins? Brahimi regressa da CAN? E quantos milhões vão os clubes chineses esbanjar? Estas e outras perguntas estarão respondidas lá para o final do mês, quando encerrar a janela de transferências de janeiro

Lídia Paralta Gomes

VAI/NÃO VAI Impasses à parte, a transferência de Victor Lindelof para o Man. United poderá rechear os cofres do Benfica com 45 milhões de euros

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Partilhar

Não há como não ter carinho pelo mercado de inverno. Sem ele era impossível nomes como Sinama Pongolle, Nalitzis, Koke ou Ribas pulularem no imaginário sportinguista. Sem o mercado de inverno, como teriam os benfiquistas nas suas cabeças (ou nos seus pesadelos) os nomes de Delibasic ou Dean Saunders? E teríamos recordações de Ivan Kaviedes, Leandro do Bonfim, Leo Lima ou Lucas Mareque, tudo presentes de Natal deixados ali para os lados das Antas/Dragão?

Pois bem, a janela de transferências de janeiro é quase sempre lembrada pelas piores razões (ou pelas razões mais cómicas, depende da perspetiva), mas nem tudo tem sido apocalíptico. O Sporting, por exemplo, recorda com saudade a chegada a meio da época de César Prates, Mbo Mpenza e André Cruz, todos eles essenciais para a conquista do título de 1999/2000 (nessa leva também veio um tal de Robert Spehar, mas isso pouco interessa agora). Já Benfica e FC Porto têm conseguido importantes encaixes financeiros nos últimos mercados de janeiro. Na temporada passada, os dragões enviaram um inadaptado Imbula para o Stoke City por 24 milhões de euros e em 2014 venderam Otamendi ao Valência por 12 milhões de euros. Em janeiro de 2015, o Benfica encheu os cofres com a venda de Enzo Pérez ao Valência por 25 milhões de euros e de Bernardo Silva ao Mónaco por 16 milhões. Na época anterior, o resgate de Matic pelo Chelsea tinha rendido 25 milhões às águias.

O mercado de inverno de 2016/17 abriu há pouco mais de 24 horas e muitas carteiras vão ferver daqui até 31 de janeiro. O Expresso diz-lhe o que já aconteceu, o que pode acontecer e o que é altamente improvável.

Cá dentro

Por cá o Benfica é, até ao momento, o grande agitador do mercado de inverno. A transferência de Victor Lindelöf para o Manchester United já esteve certa, depois entrou num impasse, mas o negócio parece estar de novo em cima da mesa (lembra-se da novela Gaitán?). A confirmar-se, o Benfica deverá encaixar 45 milhões de euros, um valor estratosférico, ainda para mais numa janela onde os clubes costumam ser mais comedidos na hora de gastar. Contudo, as dificuldades que José Mourinho tem tido para acertar na melhor dupla de centrais terão feito os red devils avançar já para o sueco. Já o interesse do Man. United em Nelson Semedo parece ser apenas isso mesmo: interesse e nada mais. O lateral já assegurou aos adeptos que vai continuar na Luz, mas daqui até dia 31 de janeiro ainda muita água pode correr.

Os encarnados já asseguraram o brasileiro Hermes para a lateral-esquerda, até porque Grimaldo interessa ao Manchester City e à Juventus - o catalão até poderá não sair em janeiro, mas será difícil segurá-lo no verão. O guardião Ederson é outro dos nomes com mercado, tal como Gonçalo Guedes.

DE MALAS FEITAS. Lindelöf prepara-se para rumar a Inglaterra, onde José Mourinho espera que faça muitos e bons 'tackles'

DE MALAS FEITAS. Lindelöf prepara-se para rumar a Inglaterra, onde José Mourinho espera que faça muitos e bons 'tackles'

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

De saída estarão Danilo e Carrillo, pouco utilizados por Rui Vitória, que deverá ver chegar Pedro Pereira, jovem lateral português da Sampdoria. Nemanja Maksimovic, médio sérvio do Astana, e Haris Seferovic, avançado suíço do Eintracht Frankfurt, estão em final de contrato e são alvos dos encarnados, ainda que a concorrência seja muita - no caso de Maksimovic, o Sporting também estará na corrida.

E por falar em Sporting, o clube de Alvalade tem estado aparentemente calmo. De saída está João Pereira, que segue para o Trabzonspor, e Jefferson, com pouco espaço no plantel, também está no mercado. Para reforçar as laterais, os leões estão atentos ao alemão Dennis Aogo, em final de contrato com o Schalke 04. Matheus Pereira deverá ser emprestado ao Belenenses, que devolve Palhinha ao Sporting.

Por esta altura, importante, mas mesmo muito mais importante para os leões será segurar Gelson Martins. O extremo tem contrato até 2021, mas o Sporting quer melhorar as condições salariais do talento saído de Alcochete, que é um dos mais mal pagos do plantel principal. Com Real Madrid e Barcelona prontos para receber o internacional português, o Sporting procura também subir a cláusula de rescisão, que já está nos 60 milhões de euros. Será bastante improvável que algum dos colossos europeus ataque já o jogador e por isso o processo de renovação está a decorrer sem pressas.

COBIÇA. Real Madrid e Barcelona estão de olho em Gelson e o Sporting quer melhorar o contrato do jovem extremo

COBIÇA. Real Madrid e Barcelona estão de olho em Gelson e o Sporting quer melhorar o contrato do jovem extremo

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O FC Porto também parece em condições de, para já, segurar duas das maiores pérolas do plantel, André Silva e... Brahimi, que em poucas semanas passou de proscrito a essencial para Nuno Espírito Santo. O argelino, que está de malas feitas para a CAN, tem mercado em França (Nice) e em Itália (Roma e Juventus), mas no Dragão contam com ele quando a Taça das Nações Africanas terminar.

Quanto a entradas, o FC Porto abriu os braços para o regresso do herói do 90+2’, o brasileiro Kelvin, e tem surgido como um dos interessados em Memphis Depay, avançado do Manchester United que pouco ou nada tem contado para José Mourinho.

DRAGÃO? Holandês Memphis Depay parece correr para os braços de Nuno Espírito Santo, depois de não ter tido o carinho de José Mourinho

DRAGÃO? Holandês Memphis Depay parece correr para os braços de Nuno Espírito Santo, depois de não ter tido o carinho de José Mourinho

ERIC VIDAL/REUTERS

Lá fora

James Rodríguez é o nome que se fala lá fora neste mercado de janeiro. O colombiano passa dias difíceis em Madrid, mas não lhe faltam opções para continuar a carreira, nomeadamente em Inglaterra (Man. United e Chelsea) e Itália (Juventus e Inter).

Na Premier League há dinheiro a rodos e contratar não parece problema. O City está atento ao lateral argelino Faouzi Ghoulam, do Nápoles, que também interessa ao Chelsea. Há outro defesa por quem os gigantes ingleses estão dispostos a cometer uma loucura: o holandês Virgil Van Dijk, por quem o Southampton pede 70 milhões de euros. Principais candidatos? City e Chelsea, adivinharam. Os blues poderão também avançar para o chileno Arturo Vidal. Seria o reencontro entre o médio do Bayern Munique e o treinador Antonio Conte, depois de trabalharem juntos na Juventus.

O PSG fez, para já, o único negócio milionário oficial desta janela (na Europa, claro): a contratação de Julian Draxler ao Wolfsburgo, por 40 milhões de euros. Mais difícil será colocar o espanhol Jesé, que chegou no verão por meros 25 milhões de euros e tem sido uma das desilusões da liga francesa.

E a China?

Tal como em janeiro de 2016, esta janela de transferências terá outro mercado a ferver. Aliás, provavelmente a ferver muito mais do que todos os outros juntos. Falamos da Superliga chinesa, que na última temporada ‘roubou’ à Europa gente do calibre de Jackson Martínez, Ramires e Alex Teixeira, só para dar alguns exemplos de jogadores que não estão propriamente em final de carreira e que optaram por experimentar o campeonato (bem, e os salários) do país mais populoso do mundo.

NOVO MILIONÁRIO. Aos 25 anos, Oscar escolheu o campeonato chinês e um contrato que o deixará descansado para o resto da vida

NOVO MILIONÁRIO. Aos 25 anos, Oscar escolheu o campeonato chinês e um contrato que o deixará descansado para o resto da vida

ALY SONG/REUTERS

Ainda antes de janeiro, o Shanghai SIPG de André Villas-Boas pagou 70 milhões de euros ao Chelsea por Oscar (que vai receber quase 25 milhões de euros/ano) e o vizinho Shanghai Shenhua fez de Carlos Tevez o jogador mais bem pago do planeta (37,5 milhões de euros/ano).

O ataque às estrelas promete não ficar por aí. Esta segunda-feira, o belga ex-Benfica Axel Witsel, de 27 anos, virou as costas à Juventus, com quem tinha quase tudo acertado, para aceitar uma proposta milionária da China. “Foi uma decisão muito difícil, porque de um lado estava um clube de topo como a Juventus, mas de outro estava uma oferta irrecusável para o futuro da minha família”, disse o médio do Zenit ao “Tuttosport”, em jeito de pedido de desculpas. Witsel será o “cabeça de cartaz” do Tianjin Quanjian, clube que terá oferecido qualquer coisa como 70 milhões de euros ao Chelsea para contratar Diego Costa, que receberia 2,2 milhões de euros por mês para jogar no Oriente. Os blues recusaram prontamente a abordagem.

Outro clube de Londres está a sentir o apetite voraz dos clubes chineses: de acordo com o “The Sun”, o Hebei China Fortune ofereceu 28 milhões de euros por ano a Alexis Sánchez, numa altura em que o chileno de 28 anos negoceia um novo contrato com o Arsenal.

Sánchez será mais um que terá de decidir entre continuar a jogar ao mais alto nível ou entrar na lista dos mais bem pagos do mundo. Há dilemas mais complicados.