Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Chapecoense volta a jogar dois meses após a tragédia

A partida amigável contra o Palmeiras, campeão brasileiro em título, acontece já este sábado à tarde, na Arena Condá, na cidade de Chapecó. Jogo está marcado para as 16h30 locais (18h30 em Lisboa)

Helena Bento

Heuler Andrey/Getty Images

Partilhar

Quase dois meses após o acidente aéreo na Colômbia que vitimou quase toda a equipa e staff técnico, a Chapecoense vai voltar a jogar. A partida amigável contra o Palmeiras, campeão brasileiro em título, acontece já este sábado à tarde, na Arena Condá, na cidade de Chapecó.

O jogo está marcado para as 16h30 (18h30 em Lisboa). Antes, há uma celebração de homenagem às vítimas e de comemoração da vitória na Copa Sul-Americana. São esperadas cerca de 20 mil pessoas no evento, assim como dezenas de jornalistas de todo o mundo, de acordo com a organização.

O clube reestruturou a equipa e contratou 22 novos jogadores para poder regressar aos relvados. Dezenas de pessoas deslocaram-se ao estádio esta semana para assistir aos treinos e apoiar a equipa.

Em declarações à TV Globo (a reportagem pode ser vista aqui), Elaine Soccol, que mora num prédio com vista para o estádio da Chapecoense, diz que os últimos meses têm sido “difíceis e tristes”. “A gente olha para fora e não vê nada. Só um grande silêncio.” Entrevistado também pela televisão brasileira, Vagner Mancini, o treinador da equipa, admite que se trata do “maior desafio” da sua carreira, do mesmo modo que seria “para qualquer técnico que aqui estivesse”, diz.

A 28 de novembro do ano, a equipa da Chapecoense seguia a bordo de um avião da Lamia que se despenhou perto de Medellín, na Colômbia, provocando 71 mortos, incluindo a maioria dos jogadores do clube brasileiro de futebol Chapecoense. De acordo com um relatório preliminar da Aeronáutica Civil da Colômbia divulgado recentemente, o avião voava com cumbustível limitado e excesso de peso. As investigações revelaram ainda que o aparelho transportava um peso superior ao permitido e voava a uma altitude para a qual não estava autorizado.