Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Tevez está confuso: o dinheiro não traz felicidade, a felicidade não traz dinheiro

Avançado argentino teria admitido para amigos que está infeliz na China e gostaria de voltar ao Boca Juniors

Evandro Furoni

STR/AFP/Getty

Partilhar

Talvez o dinheiro não traga realmente felicidade. Carlos Tevez foi para o Shanghai Shenhua, da China, em dezembro com a promessa de que ganharia €40 milhões por ano. Menos de dois meses depois, o avançado argentino, infeliz na Ásia, sonha em voltar para a terra natal.

Segundo informações do jornal argentino "Ole", Tevez admitiu a ex-companheiros de Boca Juniors que não está satisfeito com a vida na Ásia. A equipa do avançado foi eliminada ainda na fase preliminar da Liga dos Campeões da Ásia ao perder para o Brisbane Roar, da Austrália. “Tevez quem?”, publicou a equipa rival nas redes sociais após vencer o Shanghai Shenhua.

Tevez fez o que era possível para se sentir em casa na China. O jogador levou 19 pessoas para acompanhá-lo em Xangai. Durante a sua primeira conferência de imprensa, o argentino lembrou que viveu sete anos na Inglaterra sem saber falar inglês.

O representante do jogador, Adrian Ruoco, defende que está tudo bem com o ex-jogador da Juventus. “Não sei de onde saiu isto. Estou aqui na China com Tevez e ele está bem, feliz ao lado da família. Não volta, fica aqui em Xangai”, comentou Ruocco para o canal de televisão argentino "TN".

Caso seja verdade, não será a primeira vez que Tevez troca o dinheiro pela felicidade. Em 2015, o avançado saiu da Juventus após grande atuação na Liga dos Campeões para jogar no Boca Juniors, equipa da qual é adepto. Apresentado diante de 45 mil pessoas, declarou: “Dinheiro não traz felicidade”.

Depois de ser campeão argentino em 2015, o ano seguinte foi difícil para Tevez. O Boca ficou apenas no décimo classificado no campeonato nacional e caiu nas meias-finais da Libertadores da América para o Independiente del Valle.

No final de 2016, Tevez chorou quando os adeptos pediram em coro para que não trocasse a Argentina pela China. Mesmo assim, decidiu aceitar a proposta do Shanghai Shenhua em dezembro.

Por contrato, há apenas dois modos de Carlitos deixar a China sem envolver qualquer tipo de valor: retirar-se do futebol ou voltar ao Boca Juniors. O Boca pensa em fazer uma oferta a meio do ano.

Resta agora saber se aquelas lágrimas serão mais fortes do que o dinheiro.