Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Foi condenado a 22 anos por matar a amante. Seis anos depois, saiu

Bruno Fernandes de Souza, ex-guarda-redes do Flamengo, foi condenado a 22 anos e três meses de prisão por ter matado a amante, mas pediu que a sentença fosse revista e vai sair

Evandro Furoni

Gualter Naves/Getty

Partilhar

Bruno Fernandes de Souza, ex-guarda-redes do Flamengo, sairá da cadeia nesta quinta-feira. O brasileiro, preso desde 2010 pelo assassinato da sua ex-amante, teve o pedido de habeas corpus aceite pelo Supremo Tribunal do Brasil e ficará em liberdade até novo julgamento da sua sentença.

Bruno vivia o auge da sua carreira no Flamengo quando foi conhecido o desaparecimento da modelo Eliza Samudio. A investigação da polícia mostrou que ela havia sido morta por ordem do guarda-redes, por ter lhe ter exigido que ele reconhecesse a paternidade do seu filho. O corpo de Eliza nunca foi encontrado.

Bruno e outras duas pessoas foram presas por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. O guarda-redes foi condenado em 2013 a 22 anos e três meses de prisão. Com o jogador preso desde 2010, a defesa de Bruno pediu que ele pudesse defender o recurso da sua pena em liberdade, decisão que foi aceite após três anos de espera.

O juiz Marco Aurélio de Mello, ministro do Supremo Tribunal do Brasil, ressalvou na sentença que o clamor público por justiça não pode ser levado em questão durante o julgamento. Mello também classificou como um absurdo o guarda-redes estar preso por seis anos e sete meses sendo que o processo legal do seu julgamento não está concluído, já que ainda se aguarda a decisão sobre o recurso.

Bruno passou cinco anos numa prisão de segurança máxima no município de Contagem, no Estado de Minas Gerais. Em 2015, o guarda-redes foi transferido para uma centro de ressocialização reservado para criminosos que apresentam bom comportamento na cidade de Santa Luzia.

Enquanto estava na prisão de segurança máxima, o ex-atleta do Flamengo chegou a tentar matar-se e foi ferido com uma facada por outro recluso. Após ser transferido, Bruno tornou-se responsável por supervisionar a segurança dos outros reclusos.

Aos 32 anos, o guarda-redes sonha em voltar ao futebol. Ele mantém a forma em Santa Luzia e participa em jogos com outros reclusos. Em 2014, a equipa do Montes Claros, da segunda divisão de Minas Gerais, ofereceu um contrato ao guarda-redes caso ele conseguisse autorização da Justiça para jogar.

Partilhar