Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Walter: “Eu gosto muito de comer. Tenho a certeza que, estando magro, há chances de estar na seleção brasileira”

O avançado foi apresentado no Atlético Goianiense depois do caso de agressão a um companheiro num treino do Goiás. Em declarações à Sportv brasileira mostrou-se arrependido e acredita que se reduzir o peso pode ser chamado por Tite.

Francisco Perez

Walter durante um jogo contra a Venezuela pela seleção Sub-20 do Brasil

YURI CORTEZ/Getty

Partilhar

Walter foi apresentado esta terça-feira como reforço do Atlético Goianiense, uma semana depois de ter sido anunciado como jogador do “dragão”. Numa entrevista concedida ao programa “Troca de Passes” da Sportv brasileira, o avançado mostrou-se confiante de que pode ser chamado à seleção e abordou o incidente com um colega que precipitou a sua saída do Goiás.

O jogador de 27 anos saiu do “esmeraldino” após ter agredido o guarda-redes Matheus com uma cotovelada, num treino. O impacto do golpe levou a que o guardião tivesse que ser transportado para o hospital, sendo que a direção do clube reprovou a atitude de Walter, acusando-o de o ter feito propositadamente.

O brasileiro arrependeu-se do sucedido, mas desmentiu a versão dos dirigentes do seu antigo clube. “Aprendi muito com o que aconteceu. Quando tiver uma briga, vou contar até 20. Depois tu ficas arrependido. Pedi-lhe desculpas, ele pediu-me desculpas, e isso foi tudo. Eu estava com o coração apertado. E graças a Deus está tudo resolvido. Ele é um bom rapaz”.

Ainda assim, Walter lamentou o comportamento do emblema de Goiânia, referindo que a sua dispensa foi precipitada.

“Fiquei chateado com a situação por ele ter referido que bati por querer, não pedi desculpas e que batia de novo. Penso que o Goiás aproveitou a situação, porque o Léo Gamalho estava bem e o Walter, naquele momento não, mas eles pensaram pequeno, porque o Léo agora está lesionado e vai ficar um mês fora. O campeonato é longo e tu precisas de um grupo grande”.

A eterna questão do peso

Ao longo da sua carreira, Walter foi sendo confrontado com o excesso de peso, que estaria a impedir o jogador de alcançar o pleno das suas capacidades.

“Eu gosto de comer, mas Deus é tão grande que eu hoje tenho um maior controlo. Só quem sofre com o peso é que sabe que é muito difícil lidar com isso. Muitos dizem que eu cheguei com 106 kg, mas eu fui o melhor avançado em 2013 e ninguém falou disso. Quero trabalhar para que falem do Walter como jogador. Quando eu jogo mal, falam do peso”.

Motivado para relançar a carreira no emblema da Série A brasileira [o Goiás estava na B], o avançado que ainda pertence aos quadros do FC Porto acredita que se melhorar a sua condição física, tem grandes hipóteses de ser chamado por Tite.

“Eu tenho a certeza que, estando a 100%, magro e a jogar bem, tenho chances de estar na seleção. Há coisas muitas grandes para acontecer e o que me atrapalha é o peso. O Walter está muito bem, mas está acima do peso. Eu penso nisso, mas é complicado”.

Depois do Internacional, FC Porto, Cruzeiro, Goiás, Fluminense e Atlético Paranaense, Walter vai vestir a camisola do “dragão” até 31 de dezembro de 2017. O jogador apenas poderá ser utilizado nos jogos da Série A, visto que já foi utilizado no Campeonato Estadual de Goiânia e na Taça do Brasil.