Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Vegetais a vapor, kale, batidos verdes de urtiga e gelo - os segredos de Defoe

O avançado inglês do Sunderland atribui a um regime alimentar saudável e a técnicas de recuperação o mérito pela sua excelente forma aos 34 anos

Sónia Santos Costa

Shaun Botterill

Partilhar

Jermain Defoe (Sunderland) tem 34 anos mas isso parece não notar-se, porque o homem mantém uma excelente forma física e ainda no outro dia marcou um golo à Lituânia a jogar por Inglaterra - à qual regressou após mais de um ano de ‘exílio’ forçado pelo anterior selecionador.

Defoe tem um segredo. Ou dois.

A comida

Para o avançado, que recentemente se tornou vegan (excluindo da sua dieta quaisquer alimentos de origem animal), a alteração que fez na alimentação tem grande parte do mérito e influenciou bastante a sua performance.

Espinafres, vegetais a vapor, kale e batidos verdes de urtiga fazem parte da sua ementa diária. Riscou da dieta o chocolate, os ovos, os lacticínios e o mel e limitou o consumo de cafeína (só permitido nos dias de jogo). Acho que me estou a adaptar bem ao veganismo. É engraçado, porque quando vou a casa da minha mãe ela prepara todos os possíveis tipos de carne que possam imaginar…A minha namorada foi quem me sugeriu esta mudança, estava sempre a mostrar-me documentários. Nada me desmotiva quando o objetivo final é marcar golos, porque sei o quão boa é essa sensação. Por isso, é muito difícil e não sabe nada bem tomar banho numa banheira de gelo... Mas faço-o, sempre com as recompensas que isso trará em mente.”

E isto leva-nos ao segundo segredo.

Viva o descanso

Por outro lado, o veterano inglês tem experimentado diferentes técnicas de recuperação, como banhos de gelo, massagens e crioterapia. No início, usava as instalações do clube, mas recentemente adquiriu os seus próprios equipamentos para poder dar continuidade aos tratamentos em casa.

A chave de tudo é, para mim, a recuperação. Dares a ti mesmo a oportunidade de fazer melhor no próximo jogo. Para isso, há muito a fazer para além de treinar.Tenho uma maior consciência do meu corpo, agora. Quando treino, sei em que dias preciso de descansar. Toda a gente sabe que faço bastante crioterapia. Não me dá prazer nem sabe bem, mas temos de tentar enganar a nossa mente, imaginar que estamos a adorar. Todos se querem sentir frescos durante os jogos – não há sensação melhor – por isso certifico-me de que estou a fazer tudo ao meu alcance para isso”, disse Defoe.

O avançado inglês reforça que nunca pensou em retirar-se do futebol internacional, nem quando se juntou ao Toronto.Não me arrependo dessa decisão, foi algo que gostei de fazer. Mas nunca desistirei da Inglaterra. Sempre tentei ser realista, mas com Roy Hodgson não senti que iria ter uma oportunidade. Estava a marcar golos, especialmente na última época, mas não era selecionado para os Euros. Fiquei devastado, porque senti que tinha feito tudo para estar presente e poder jogar com estes colegas de equipa, a este nível… E nem uma chamada de cinco minutos recebi. Vi a lista de convocados na televisão”.