Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Os ataques junto aos estádios de futebol - recordar Istambul e Paris

O Estádio da França foi um dos alvos dos terroristas do Daesh a 13 de novembro de 2015, embora tenha sido dos três locais da capital parisiense atacados nessa noite onde ocorreram menos vítimas. Bem mais letais foram as explosões que tiveram lugar cerca de um ano depois junto ao estádio do Besiktas, na maior cidade turca

Alexandre Costa

Após as explosões no exterior, elementos do público permaneceram dentro do Estádi ode França tendo ido para a zona do relvado a 13 de novembro de 2015

FRANCK FIFE/GETTY

Partilhar

Tanto o atentado de Paris como o de Istambul não ocorreram dentro dos estádios, que contavam com fortes medidas de segurança, mas nas suas imediações. No caso do ataque bombista na Turquia a maior parte das vítimas foram aliás elementos das forças de segurança.

Em dezembro do ano passado a explosão de duas bombas junto ao estádio de futebol da maior cidade da Turquia causou 38 mortos e 155 feridos.

O atentado foi reivindicado por uma organização ligada ao PKK (o ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão).

A primeira explosão ocorreu quando uma viatura armadilhada eclodiu junto de um contingente policial que encontrava-se na zona do estádio do Besiktas, onde havia decorrido o jogo que opusera a equipa da casa ao Bursaspor. Cerca de 45 segundos depois um bombista suicida fez-se explodir no Parque Maçka, também situado próximo do estádio.

Os atentados de 13 de novembro de 2015 em Paris também tiveram por alvo um estádio de futebol, embora tenha sido dos três locais onde decorreram os ataques aquele onde registaram-se menos vítimas.

Após ter tido início o jogo amigável que opunha a França à Alemanha no Estádio da França em Saint-Denis, a norte de Paris, três bombistas suicidas fizeram-se explodir junto do recinto. Os ataques junto do estádio causaram 4 mortos, mas três dos quais foram os bombistas. No total, os ataques levados a cabo nessa noite em três localizações distintas da capital francesa e que seriam reivindicados pelo Daesh causaram 130 mortos, 89 dos quais na sala de espetáculos Bataclan